My Bloody Valentine (banda)

My Bloody Valentine é uma banda de rock alternativo formada em Dublin em 1983. Desde 1987, seu alinhamento consiste dos membros fundadores Kevin Shields (vocais, guitarra, sampler) e Colm Ó Cíosóig (bateria, sampler), com Bilinda Butcher (vocais, guitarra) e Debbie Googe (baixo). Sua música é mais conhecida por sua fusão de texturas de guitarra dissonantes, vocais andróginas e técnicas não ortodoxas de produção. Eles atuaram como pioneiros do subgênero de rock alternativo conhecido como shoegaze durante o final dos anos 1980 e início dos anos 1990.

My Bloody Valentine
My Bloody Valentine em julho de 2008. Da esquerda para a direita: Debbie Googe, Colm Ó Cíosóig e Kevin Shields.
Informação geral
Origem Dublin
País Irlanda
Gênero(s)
Período em atividade 19841997, 2007 — presente
Gravadora(s) Creation Records
Sire Records
Lazy Records
Integrantes
Ex-integrantes
  • Joe Byfield
  • David Conway
  • Tina Durkin
  • Stephen Ivers
  • Paul Murtagh
  • Mark Ross
Página oficial www.mybloodyvalentine.org

Após vários lançamentos iniciais malsucedidos e mudanças de membros, My Bloody Valentine assinou com a Creation Records em 1988. A banda lançou vários EPs de sucesso e os álbuns Isn't Anything (1988) e Loveless (1991) através da gravadora; o último é frequentemente descrito como seu magnum opus e um dos melhores álbuns da década de 1990, bem como o melhor álbum de shoegaze de todos os tempos. No entanto, eles foram retirados da Creation após seu lançamento devido aos extensos custos de produção do álbum. Em 1992, a banda assinou contrato com a Island Records e gravou vários álbuns com material inédito, permanecendo em grande parte inativos.

Googe e Ó Cíosóig deixaram a banda em 1995, e foram seguidos por Butcher em 1997. Incapaz de completar a sequência de Loveless, Shields se isolou e, em suas próprias palavras, "enlouqueceu". Porém, em 2007, ele anunciou que havia se reunido com seus companheiros de banda, e My Bloody Valentine posteriormente embarcou em uma turnê mundial. Após muitos adiamentos, seu terceiro álbum de estúdio, m b v, foi finalmente lançado em 2013.

HistóriaEditar

1978–1985: FormaçãoEditar

Eu tinha acabado de terminar com uma banda com a qual estava há pouco menos de um ano. Um dia, eu estava em uma antiga loja de discos independente, a Freebird. Eu vi um anúncio de uma banda procurando por um vocalista. Liguei para o número e falei com um cara chamado Mark Ross, que estava tocando baixo com Kevin e Colm. Combinamos de nos encontrar fora da igreja Sallynoggin em Co Dublin.

—David Conway explicando sua entrada à banda.[5]

Em 1978, Kevin Shields e Colm Ó Cíosóig foram apresentados uns aos outros em um torneio de caratê ou kung fu no sul de Dublin.[a] A dupla tornou-se amiga no que foi descrito como "uma amizade quase noturna"[7] e depois formou The Complex, uma banda de punk rock, com Liam Ó Maonlaí, amigo de Ó Cíosóig da Coláiste Eoin.[8] A banda, que realizou "um punhado de shows" consistindo em canções de Sex Pistols e Ramones, foi dissolvida quando Ó Maonlaí saiu para formar a Hothouse Flowers. Depois, Shields e Ó Cíosóig formaram A Life in the Day, um trio de pós-punk, mas não conseguiu garantir apresentações com mais de cem pessoas presentes.[6] Após a dissolução de A Life in the Day, Shields e Ó Cíosóig formaram My Bloody Valentine no início de 1983 com o vocalista principal David Conway. Conway, que se apresentou sob o pseudônimo de Dave Stelfox, sugeriu uma série de nomes de bandas em potencial, incluindo Burning Peacocks, antes de o trio escolher My Bloody Valentine.[4] Shields, desde então, alegou que não sabia que My Bloody Valentine era o título de um filme canadense de terror quando o nome foi sugerido.[9]

My Bloody Valentine experienciou uma série de mudanças de formação durante os primeiros meses. Mark Ross, o baixista original, deixou a banda em dezembro de 1983 e foi substituído por Paul Murtagh, que deixou a banda no início de 1984. Em março do mesmo ano, Shields, Conway e Stephen Ivers, o guitarrista na época, gravaram a primeira demo da banda em um gravador de quatro canais na casa dos pais de Shields em Killiney. Shields e Ó Cíosóig fizeram o overdub de faixas de baixo e bateria no Litton Lane Studios, e a fita foi usada mais tarde para garantir um contrato com a Tycoon Records.[10] Logo depois de gravar a demo, Ivers deixou My Bloody Valentine e a namorada de Conway, Tina Durkin, entrou como tecladista.[7] Nessa época, Conway, por sugestão de Shields, contatou Gavin Friday, o vocalista da banda pós-punk Virgin Prunes. De acordo com Shields, Conway abordou Friday em Finglas, pediu-lhe um conselho e foi dito para "sair de Dublin."[11]

Shields concordou com o conselho, comentando em janeiro de 1991 que "não havia lugar para nós" na Irlanda; Ó Cíosóig explicou que a cena musical irlandesa não era receptiva ao seu estilo.[12] Friday forneceu à banda contatos que garantiram a eles um show em Tilburg, Países Baixos. A banda mudou-se para o país após o show e morou lá por mais nove meses, abrindo para o R.E.M. em uma ocasião em 8 de abril de 1984. Devido à falta de oportunidades e de documentação correta,[7] a banda se mudou para Berlim Ocidental, Alemanha no final de 1984 e gravou seu primeiro mini-álbum, This Is Your Bloody Valentine (1985). O álbum não recebeu muita atenção e a banda voltou temporariamente para os Países Baixos, antes de se estabelecer em Londres, Reino Unido, no meio de 1985.[13][14]

1985–1986: Lançamentos independentesEditar

Após sua mudança para Londres em 1985, os membros do My Bloody Valentine perderam o contato uns com os outros enquanto procuravam acomodação, e Tina Durkin, não confiante em suas habilidades como tecladista, deixou a banda. Quando os três membros restantes recuperaram o contato uns com os outros, a banda decidiu fazer um teste para baixistas, pois eles não tinham um baixista regular desde sua formação. Shields adquiriu o número de telefone de Debbie Googe de um contato em Londres, convidou-a para uma audição e, posteriormente, a recrutou como baixista. Googe conseguiu assistir aos ensaios, que eram centrados em seu trabalho diário. As sessões de ensaio eram realizadas regularmente no Salem Studios, que era conectado à gravadora independente Fever Records. O empresário da gravadora ficou impressionado com a banda e concordou em lançar um extended play (EP), desde que a banda financiasse as sessões de gravação. Lançado em dezembro de 1985, Geek! não atingiu as expectativas da banda; no entanto, logo após seu lançamento, My Bloody Valentine estava se apresentando no circuito de shows de Londres, ao lado de bandas como Eight Living Lags, Kill Ugly Pop e The Stingrays.[10]

Devido ao lento progresso da banda, Shields pensou em se mudar para Nova Iorque, onde membros de sua família moravam na época. No entanto, o co-fundador da Creation Records, Joe Foster, decidiu estabelecer sua própria gravadora, a Kaleidoscope Sound, e persuadiu My Bloody Valentine a gravar e lançar um EP. The New Record by My Bloody Valentine, produzido por Foster, foi lançado em outubro de 1986 e chegou ao número 22 na UK Indie Chart após seu lançamento.[15] A partir de então, a banda começou a fazer shows mais frequentes, mais tarde desenvolvendo um pequeno grupo de seguidores e viajando para fora de Londres para apresentações ao vivo, apoiando e abrindo para bandas como a The Membranes.[10]

1987: Lazy Records e recrutamento de ButcherEditar

 
Bilinda Butcher se apresentando em 1989

No início de 1987, My Bloody Valentine assinou com a Lazy Records, outra gravadora independente, que foi fundada pela banda de indie pop The Primitives e seu empresário, Wayne Morris. O primeiro lançamento de My Bloody Valentine através selo foi o single "Sunny Sundae Smile", lançado em fevereiro de 1987. Ele alcançou a posição 6 na UK Indie Singles Chart[16] e a banda saiu em turnê após seu lançamento. Depois de uma série de apresentações em todo o Reino Unido, o grupo conseguiu garantir uma vaga de suporte com os Soup Dragons. Em março de 1987, durante a turnê com esta banda, David Conway anunciou sua decisão de deixar My Bloody Valentine, devido a uma doença gástrica, desilusão com a música e ambições de se tornar um escritor.[13] A saída de Conway deixou My Bloody Valentine sem um vocalista principal — uma situação que Shields, Ó Cíosóig e Googe decidiram corrigir colocando anúncios na imprensa musical local. O processo de audição, que Shields descreveu como "desastroso e excruciante", foi malsucedido porque Shields "mencionou The Smiths, porque [ele] gostava de suas melodias", o que atraiu vários vocalistas que ele chamou de "bolas de frutas".[10]

LegadoEditar

My Bloody Valentine são considerados por alguns como os pioneiros do subgênero de rock alternativo conhecido como shoegaze,[17] um termo criado por jornalistas da Sounds em 1990 para descrever o "estilo de atuação imóvel, em que ficavam no palco olhando para o chão".[18][19] Os lançamentos da banda na Creation Records influenciaram atos de shoegaze, incluindo Slowdive, Ride e Lush, e são considerados como uma plataforma que permitiram que as bandas fossem conhecidas.[20] Após o lançamento de Loveless (1991), My Bloody Valentine estava "pronto para uma descoberta popular", embora nunca tenha alcançado o sucesso mainstream. No entanto, a banda é conhecida por ter sido "profundamente influente na direção do rock alternativo dos anos 90", de acordo com o AllMusic.[21] Em 2017, um estudo do banco de dados do AllMusic indicou My Bloody Valentine como sua 26ª influência mais citada em outros artistas.[22]

Várias bandas de rock alternativo citaram My Bloody Valentine como uma influência. O vocalista de The Smashing Pumpkins, Billy Corgan, foi influenciado por Isn't Anything em seu lançamento e tentou recriar seu som no álbum de estreia da banda, Gish (1991), particularmente a faixa de encerramento "Daydream", que Corgan descreveu como "uma cópia completa do som de My Bloody Valentine". Dois álbuns de estúdio sucessivos de The Smashing Pumpkins, Siamese Dream (1993) e Mellon Collie and the Infinite Sadness (1995), também foram influenciados pela banda.[23] Courtney Love citou a banda como uma influência em Celebrity Skin (1998), o terceiro álbum de estúdio da banda Hole.[24]

Isn't Anything foi incluído numa lista de "1000 álbuns para ouvir antes de morrer" da The Guardian[25] e listado no número 22 na lista de 100 melhores álbuns dos anos 80 da Pitchfork.[26] Loveless foi eleito o melhor álbum dos anos 1990 pela Pitchfork em 1999[27] e, na revisão de 2020 da lista dos "500 melhores álbuns de todos os tempos da Rolling Stone, ficou na posição 73.[28] Em 2008, ambos os álbuns foram incluídos na lista de 40 melhores álbuns irlandeses de todos os tempos da The Irish Times, onde Isn't Anything ficou em 27º lugar e Loveless no número 1.[29] Em 2013, Loveless ficou em terceiro lugar na lista dos 30 melhores álbuns irlandeses de todos os tempos da Irish Independent.[30] Em diversas ocasiões, Loveless foi citado como o melhor álbum de shoegaze de todos os tempos,[31][32][33] e foi citado como o segundo melhor álbum de dream pop de todos os tempos pela Paste.[34]

MembrosEditar

Linha do tempoEditar

DiscografiaEditar

Notas e referências

Notas

  1. Uma fonte diz que era um torneio de caratê,[6] outra diz que era um torneio de kung fu.[5]

Referências

  1. Sutherland, Mark (13 de março de 2013). «My Bloody Valentine Bring the Noise in London». Rolling Stone. Consultado em 7 de janeiro de 2018 
  2. Reynolds, Simon (1 de dezembro de 1991), «Pop View; 'Dream-Pop' Bands Define the Times in Britain», The New York Times Company, The New York Times, consultado em 7 de março de 2010 
  3. Goddard, Michael, with Benjamin Halligan and Nicola Spellman (2013). Resonances: Noise and Contemporary Music. [S.l.]: Bloomsbury Publishing. p. 70. ISBN 978-1441159373. The more contemporary Anglo-Irish experimental rock band My Bloody Valentine were notorious for employing loud volumes in live performances; their reunion concerts in 2008 and 2009 were noteworthy for the controversy around the extreme loudness, with earplugs on offer at the doors and some audience members leaving because they felt 'physically distressed' by the noise. 
  4. a b McGonial 2007, p. 21.
  5. a b Uncut 2018, p. 60.
  6. a b North, Aaron; Kevin Shields (19 de janeiro de 2005). «Kevin Shields: The Buddyhead Interview» (PDF). Buddyhead (entrevista). Nova Iorque. Consultado em 28 de junho de 2013 
  7. a b c Britton 2011, p. 134.
  8. Murphy, Peter (2004). «Lost in Transmution: Kevin Shields». Osnovina. Hot Press (May 2004) 
  9. «Kevin Shields of My Bloody Valentine: Interview on AOL». AOL. 7 de fevereiro de 1997. Consultado em 25 de dezembro de 2012 
  10. a b c d Brown, Nick (fevereiro de 1991). «My Bloody Valentine». Spiral Scratch 
  11. Shields, Kevin (2000). The Lost Albums: Loveless (TV). Dublin: @lastTV. Em cena em 00:51–04:47 
  12. Stubbs, David (26 de janeiro de 1991). «My Bloody Valentine: All Hail the Future!». Melody Maker 
  13. a b Booth, Vachel (1989). «My Bloody Valentine: Weep For You». Underground (February 1989): 25 
  14. McGonial 2007, p. 23.
  15. Lazell 1997, p. 155.
  16. Lazell 1997, p. 157.
  17. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome sgz
  18. McGonial 2007, p. 31.
  19. Larkin, Colin (1992). The Guinness Who's Who of Indie and New Wave Music. [S.l.]: Guinness World Records. p. 188. ISBN 978-0-8511-2579-4 
  20. Strong, Martin C. (1999). The Great Alternative & Indie Discography. [S.l.]: Canongate. p. 427. ISBN 0-86241-913-1. (pede registo (ajuda)) 
  21. Erlewine, Stephen Thomas. «My Bloody Valentine – Music Biography, Credits and Discography». AllMusic. All Media Network. Consultado em 21 de março de 2011 
  22. Kopf, Dan; Wong, Amy X. (7 de outubro de 2017). «A definitive list of the musicians who influenced our lives most». Quartz 
  23. Corgan, Billy (2011). Smashing Pumpkins Webisode #1 – Daydream (Online). Em cena em 00:16–02:12 
  24. Love, Courtney (1998). «Celebrity Skin: The Interview; CD» (entrevista) . Faixa 3.
  25. «Series: 1000 Albums to Hear Before You Die – Artists beginning with M (Part 3)». The Guardian. Guardian Media Groupcanon. 21 de novembro de 2007. Consultado em 28 de junho de 2013 
  26. «Staff Lists: Top 100 Albums of the 1980s | Features». Pitchfork. 20 de novembro de 2002. Consultado em 28 de junho de 2013 
  27. DiCrescenzo, Brent. «Top 100 Albums of the 1990s: Loveless». Pitchfork. Consultado em 28 de junho de 2013. Arquivado do original em 14 de setembro de 2005 
  28. «The 500 Greatest Albums of All Time». Rolling Stone (em inglês). 22 de setembro de 2020. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  29. «The Top 40 Irish Albums». The Irish Times. Irish Times Trust. 2 de fevereiro de 2009. Consultado em 28 de junho de 2013. (pede subscrição (ajuda)) 
  30. Meagher, John (19 de abril de 2013). «Day & Night: The Top 30 Irish Albums of All Time». Irish Independent. Independent News & Media. Consultado em 28 de junho de 2013 
  31. «The 50 Best Shoegaze Albums of All Time». Pitchfork (em inglês). 24 de outubro de 2016. p. 5. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  32. Wu, Carly (9 de julho de 2019). «The 50 best shoegaze albums of all time». Far Out Magazine (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2020 
  33. Beaumont, Mark (6 de janeiro de 2017). «The 10 best shoegaze albums ever». New Musical Express (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2020 
  34. «The 25 Best Dream Pop Albums of All Time». Paste Magazine (em inglês). 21 de agosto de 2020. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  35. «Daydream believers». the Guardian (em inglês). 18 de maio de 2008. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  36. «Bringing Their Sonic Psychedelia To Chicago, My Bloody Valentine Throw Riviera Fans Into A Swirl Of Emotions». beintheloopchicago.com. Consultado em 21 de setembro de 2020 
Bibliografia

Ligações externasEditar