Nabonido

Nabonido (em acádio: 𒀭𒀝𒉎𒌇; romaniz.: dNabû-naʾid, Nabonidus , lit. "Nabu é elogiado") foi o último rei da Babilônia, governando entre 556 e 539 a.C. e tendo reinado em algum momento junto com seu filho Belsazar. De acordo com vários historiadores, Labineto, citado por Heródoto, é uma forma corrompida de Nabonido.[Nota 1][2]

Nabonido
Rei da Babilônia
Rei da Suméria e Acádia
Rei dos Quatro Cantos do Mundo
Rei do Universo
Nabonido na Estela de Harã
Reinado 25 de Maio de 556 a.C. – 13 de Outubro de 539 a.C.
Antecessor(a) Labasi-Marduque
Sucessor(a) Ciro, o Grande
Cônjuge Uma filha de Nabucodonosor II, possivelmente Nitócris (?)
Dinastia caldeia
(por meio do casamento) (?)
Nascimento 620–615 a.C.
  Harã
Morte possivelmente depois de 522 a.C. [1]
  Carmânia (?)
Filho(s)
Pai Nabubalassuiquibi
Mãe Adagupi
Religião antiga religião mesopotâmica

Últimos reisEditar

Os últimos reis do Império Neobabilônico foram Nabucodonosor II (morreu em 562 a.C.), seguido por seu filho Evil-Merodaque, que reinou por dois anos, seguido de Neriglissar (r. 560–556 a.C.) e, finalmente, por Nabonido em cujo reinado a Babilônia foi conquistada por Ciro, o Grande.[3]

BiografiaEditar

Labineto, da Babilônia, e Sienésis I, da Cilícia, foram os reis que garantiram a paz entre Ciaxares, rei dos medos, e Alíates, rei da Lídia, após uma guerra de seis anos que terminou quando a batalha de Hális foi interrompida por um eclipse solar.[4] Labineto ainda era o rei da Babilônia quando Creso, rei da Lídia,[Nota 2] guerreou contra Ciro, o Grande, e era um dos aliados do lídio.[5]

Ele foi casado com Nitócris, filha de Nabucodonosor e viúva de Neriglissar, com quem teve Belsazar, seu filho mais velho.[6] De acordo com Heródoto, Labineto e Nitócris tiveram um filho de nome Labineto, que foi o último rei da Babilônia, derrotado por Ciro.[7][8][9]

Na lista de reis da Babilônia e de Uruque, Nabonido foi o sucessor de Labasi-Marduque, e acredita-se que reinou por dezessete anos, mas a citação na lista está quebrada e não se pode ver exatamente o tempo do seu reinado. Na lista mostra que foi sucedido por Ciro, o Grande.[10]

 
Cilindro de Nabonido com escrita cuneiforme

Em diversos prismas, Nabonido associa consigo seu filho primogênito, Belsazar, nas suas orações ao deus-lua. Uma inscrição mostra que no seu terceiro ano, antes de sair numa campanha que resultou na conquista de Taima, na Arábia, Nabonido designou Belsazar para o reinado em Babilônia. O mesmo texto indica que Nabonido ofendeu o povo do seu império por concentrar a adoração no deus-lua e por deixar de estar em Babilônia para celebrar a festividade do Ano-novo. Um documento, conhecido como Crônica de Nabonido, declara que no 7º, 9º, 10º e 11º ano do seu reinado, Nabonido estava na cidade de Taima, e em cada caso faz-se a declaração:

“O rei não veio a Babilônia [para as cerimônias do mês de nisanu]; a (imagem do) deus Nebo não veio a Babilônia, a (imagem do) deus Bel não saiu (de Esagila em procissão), a fest[ividade do Ano-novo foi omitida].” Devido à condição mutilada do texto, o registro dos outros anos é incompleto. Isso nos mostra que Belsazar não iniciou o seu governo no mesmo período que o seu pai.[11]

CronologiaEditar

  • 556 a.C. Torna-se rei após um golpe de estado que destrona Labasi-Marduque
  • Reformas religiosas: a tríade mesopotâmica Sim, Samas e Istar (Lua, Sol e Vênus), venerada em Harã, é propagada; conflito com o estabelecimento religioso babilônico
  • 553 a.C. Outra campanha para Cilícia e Edom
  • 549 a.C. Nabonido está em Taima
  • 547 a.C. Nabonido está em Taima; Adagupi morre; Ciro está perto de Arbela
  • 546 a.C. Nabonido está em Taima
  • 545 a.C. Nabonido está em Taima
  • 540 a.C. Reparos no zigarute de Ur
  • 539 a.C.

° 12 de outubro: ele é derrotado por Ciro perto de Ópis

° 29 de outubro: Ciro entra na Babilônia; Nabonido é preso[12]

Na cultura popularEditar

Notas e referências

Notas

  1. Ver, por exemplo, James Ussher, The Annals of the World [em linha]. Ussher, escrevendo no século XVII, muito antes da decifração da escrita cuneiforme, identifica Nabonido, citado por Beroso, com Labineto (Labynetos), citado por Heródoto, com Mabanidoco, citado por Abideno e com Belsazar, do livro de Daniel. Textos cuneiformes mostraram que Belsazar era o filho de Nabonido.
  2. Creso era filho de Alíates e cunhado de Astíages, rei dos Medos derrotado por Ciro.

Referências