Abrir menu principal

Narcisa Tamborindeguy

Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2017). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Narcisa Tamborindeguy
Nome completo Narciza Cláudia Saldanha Tamborindeguy
Nascimento 25 de outubro de 1967 (52 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Residência Copacabana, Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileira
Ocupação Socialite, advogada, jornalista e escritora
Página oficial
www.narcisa.com.br

Narciza Claudia Saldanha Tamborindeguy (Rio de Janeiro, 25 de outubro de 1967) é uma socialite, advogada, escritora e jornalista brasileira, e ativista no empreendedorismo social em prol de crianças carentes.

BiografiaEditar

Narcisa Tamborindeguy é a filha caçula de Mário Tamborindeguy (1907-1978), engenheiro, empresário, industrial, empreiteiro e político, que foi deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro por quatro mandatos; e de Alice Maria de Souza Saldanha (1919-2014). Seu pai construiu diversas estradas pelo Brasil — especialmente na região Sudeste — e a Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ). Era dono também de postos de gasolina e de uma fábrica de engrenagens.[1][2][3] Sua única irmã é a política e também advogada Alice Tamborindeguy, deputada estadual do Rio de Janeiro, estando no sexto mandato. Descendente de bascos e portugueses, Narcisa vem a ser descendente de famílias tradicionais do estado do Rio Grande do Sul. Seu bisavô materno, coronel Olavo Alves Saldanha, foi prefeito de Quaraí (RS), de 1904 a 1905, e de 1907 a 1908. Narcisa tem ascendência na aristocracia portuguesa, descendendo, por via de sua mãe, de três almirantes portugueses, que são seus trisavôs e tataravôs.[4] Seu bisavô materno, coronel Olavo Alves Saldanha, foi um pioneiro na prospecção de petróleo em Campos dos Goytacazes (RJ), na Fazenda Boa Vista — que fora adquirida por ele, de Benedita Brazilina Pinheiro Machado, viúva do senador Pinheiro Machado, também gaúcho.[5][6] Após uma explosão do equipamento, o sócio de Saldanha, o poderoso industrial Henrique Lage, impôs ao fazendeiro que lhe cedesse o subsolo da fazenda. Desentenderam-se, e o poço acabou sendo lacrado.[7] Entre os amigos próximos de seu pai, destaca-se o famoso médico pediatra, Dr. Rinaldo de Lamare. Seus avós paternos foram Cássio Tamborindeguy e Narcisa Pojo Tamborindeguy.[8][9] A família de seu pai era proprietária da Fazenda Tamborindeguy, em Itatiaia (RJ), e a família de sua mãe era proprietária da Fazenda Boa Vista, em Campos dos Goytacazes (RJ). A Fazenda Boa Vista, propriedade de sua família materna, tinha 30 quilômetros de praia, desde Barra do Açu, no município de São João da Barra (RJ), até Barra do Furado, no município de Quissamã (RJ); englobando todo o litoral do município de Campos dos Goytacazes (RJ).[10]

Depois de concluir o ensino médio no Rio de Janeiro, Narcisa foi matriculada no Instituto Le Mesnil (em francês Institut Le Mesnil), em Montreux, na Suíça, para aprender boas maneiras e melhorar o seu francês e inglês. Era uma escola somente para mulheres, mas ela acabou sendo expulsa, por não respeitar as regras, ditas "extremamente rígidas", da instituição. Entre as ex-alunas do Instituto Le Mesnil, destaca-se Ana Maria, Rainha da Grécia (1946), nascida princesa da Dinamarca, como filha do rei Frederico IX da Dinamarca e da rainha Ingrid da Dinamarca, esta última nascida princesa da Suécia.

Formou-se em Direito pela Universidade Cândido Mendes, e estudou jornalismo na UniverCidade, em Ipanema, na zona sul da capital fluminense. Tendo estudado, também, inglês e negócios na Universidade de Nova York.

Casamentos e filhasEditar

De 15 de maio de 1983 até 20 de novembro de 1986, Narcisa foi casada com José Bonifácio Brasil de Oliveira, conhecido como Boninho, com quem teve sua filha mais velha, Marianna Tamborindeguy de Oliveira. Eles se conheceram em Nova York, enquanto Narcisa e sua irmã Alice estudavam inglês e negócios na Universidade de Nova York.

O segundo marido de Narcisa foi o empresário Carlos Johannpeter, conhecido como Caco, o filho mais velho de Jorge Gerdau Johannpeter, presidente do conselho de administração do Grupo Gerdau. Eles se conheceram em 1988, durante um jantar. Ela e seu segundo marido foram morar em Cambridge, uma pequena cidade interiorana do Canadá, próxima de Toronto. Tiveram uma filha, Catharina Tamborindeguy Johannpeter , em novembro de 1990. Em 1992, Narcisa arrumou trabalho no escritório de advocacia canadense Tory Tory DesLauries & Binninton, mas teve que deixar essa profissão para acompanhar o marido Caco em suas viagens.

Trabalho e caridadeEditar

A socialite carioca também já trabalhou em uma das mais poderosas empresas de advocacia do Canadá, mas atualmente trabalha como jornalista, escritora e DJ para festas de luxo. Além disso, é madrinha da instituição de caridade "Lar de Narcisa", que ajuda a manter através de doações próprias e de amigos.

ControvérsiasEditar

No carnaval de 2008 do hotel Copacabana Palace protagonizou mais uma de suas aparições típicas, dessa vez no programa do Amaury Jr. O vídeo foi parar no YouTube e se tornou um dos mais acessados na época do carnaval.

Há algum tempo foi protagonista de um vídeo viral filmado no apartamento do ex-vice-presidente da TV Globo José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, conhecido como Boni, onde atira ovos de galinha pela janela juntamente com os demais convidados, incluindo o filho do Boni, Bruno Boni de Oliveira (que filmou o ato), João Eduardo Brizola (neto de Leonel Brizola), Luíza Jobim (filha de Tom Jobim), e o Boninho, filho de Boni e diretor do famoso programa de reality show Big Brother Brasil, da Rede Globo.

LivrosEditar

Em 2000, lançou o livro Ai, que loucura!, pela Editora Caras, em que conta principalmente histórias antológicas do jet set carioca. Lançou outro livro, Ai, que absurdo!, pela Editora Matrix, no qual discorre sobre os absurdos do mundo e do cotidiano, com pequenos conselhos como dicas de viagens, conhecimento e cultura. Participou também de uma série de programas do apresentador Amaury Jr., em que fazia entrevista com celebridades.

Festas e Edifício ChopinEditar

Narcisa é moradora do Edifício Chopin, na Avenida Atlântica, em Copacabana, um dos endereços mais nobres do Rio de Janeiro, conhecido por suas luxuosas e animadas festas. Narcisa frequentemente realiza, em seu espaçoso apartamento, recepções para até 200 convidados, dentre os quais estão príncipes, nobres, personalidades, artistas, membros do jet set internacional e diversos membros da alta sociedade carioca. Como o Chopin localiza-se ao lado do famoso hotel Copacabana Palace, Narcisa costuma infernizar os hóspedes do hotel com seu famoso megafone, dentre as vítimas preferidas da socialite estão Madonna e Jô Soares.

FilmografiaEditar

Trabalhos na televisãoEditar

Ano Programa Personagem
1995 O Mandarim
1998 Você Decide Ela mesma
2001 Mike Bassett: England Manager
O Clone
Estrela-Guia
2003 Celebridade
2007 Paraíso Tropical
2012 Mulheres Ricas
Muito + Apresentadora especial
Saturday Night Live Ela mesma (episódio 09)
2013 Mulheres Ricas 2 Ela mesma
Vai que Cola
Programa Eliana
2015 Malhação
Ferdinando Show
2016 Programa do Gugu
Hora do Faro
Ridículos MTV
2018 O Outro Lado do Paraíso

Referências

  1. Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «TAMBORINDEGUY, MARIO | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 17 de março de 2018 
  2. «O Rio perde a grande Alice Tamborindeguy». revistaepoca.globo.com 
  3. «Revista Crescer - EDT MATERIA IMPRIMIR - Mais uma loucura de Narcisa». revistacrescer.globo.com. Consultado em 17 de março de 2018 
  4. Tamborindeguy, Narcisa (27 de dezembro de 2010). Ai, que absurdo. [S.l.]: Matrix Editora. ISBN 9788582300107 
  5. Conselho Nacional do Petróleo - 62ª Sessão Ordinária, 30 de novembro de 1939 - DOU 5 de dezembro de 1939.
  6. Olavo Saldanha utilizava uma torre de madeira com pequenos motores movidos a óleo cru para mover a broca. O empreendimento foi orientado pelas pesquisas do geólogo Lamego Filho, e dirigido pelo engenheiro Maurício Morand. Consta que, depois de perfurar 500 metros, durante um dia inteiro, o equipamento voou pelos ares seguido de uma violenta explosão. Ver Novas descobertas remetem ao passado da Petrobras. Jornal Primeira Hora, 3 de dezembro de 2008.
  7. Getúlio Vargas e Lula com as mãos sujas, pelo ouro negro. Jornal Primeira Hora, 25 de abril de 2006.
  8. Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «TAMBORINDEGUY, MARIO | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 14 de março de 2018 
  9. Petroucic, Roberto. «Mário Tamborindeguy (1907-< 2016) » Petroucic Genealogy » Genealogie Online». Genealogie Online (em inglês). Consultado em 14 de março de 2018 
  10. Tamborindeguy, Narcisa (27 de dezembro de 2010). Ai, que absurdo. [S.l.]: Matrix Editora. ISBN 9788582300107 

Ligações externasEditar