Narses V Camsaracano

Narses V Camsaracano (em armênio/arménio: Ներսեհ Կամսարական; romaniz.: Nersēh Kamsarakan), chamado Narses II por Cyril Toumanoff,[1] foi príncipe da Armênia da família Camsaracano de 689 a 691.

Narses V Camsaracano
Etnia Armênio
Religião Catolicismo

VidaEditar

 
Soldo de Justiniano II (r. 685-695; 705-711)

O historiador Ananias de Siracena cita-o em sua Geografia como governador de três cidades bizantinas na Tripolitânia cerca de 654-660. Um selo bizantino de meados do século VII, apresenta-o como patrício e estratego.[2] Em 688, com a ajuda do exército bizantino, o príncipe Asócio II Bagratuni lutou contra os árabes, mas foi morto na luta. O imperador Justiniano II (r. 685-695; 705-711) continuou a luta e submete a Armênia e retorna ao Império Bizantino para nomear Narses príncipe.[3] Alguns anos depois, Simbácio VI sucede-o, mas não há indícios de que Narses morreu nesse momento e pode ser identificado com o conde, ex-cônsul e patrício homônimo mencionado no colofão de uma tradução feita em 696 da História Eclesiástica de Sócrates Escolástico.[4]

FamíliaEditar

Nenhum texto menciona diretamente sua família imediata, que teve que ser reunida por sobreposição e hipótese. Anianas indica que um ancestral do príncipe era outro Narses, filho de Archavir, um general que lutou contra os Bals em favor dos persas e que então dividiu o saque com seu irmão mais velho Isaac e seu sobrinho mais novo Afraates. Foi estabelecido que este episódio ocorreu em 614.[5] Christian Settipani considera que o general de 615 é o avô do príncipe Narses, mas ignora o nome do pai do último.[6] Uma inscrição na catedral de Talin[7] menciona "Narses, ex-cônsul, patrício, senhor de Siracena e Arsarúnia (...) marido de Susana e pai de Afraates", um personagem que Settipani identifica com o príncipe. Outra inscrição menciona um Gregório, filho de Narses.[8]

Ver tambémEditar

Precedido por
Asócio II Bagratuni
Príncipe da Armênia
688–691
Sucedido por
Simbácio VI Bagratuni

Referências

  1. Toumanoff 1990, p. 513.
  2. Settipani 2006, p. 376.
  3. Grousset 1947, p. 307-308.
  4. Settipani 2006, p. 378.
  5. Settipani 2006, p. 375.
  6. Settipani 2006, p. 383-384.
  7. Donabédian 1987, p. 581.
  8. Settipani 2006, p. 380 e 383.

BibliografiaEditar

  • Donabédian, Patrick; Thierry, Jean-Michel (1987). Les arts arméniens. Paris: Éditions Mazenod. ISBN 2-85088-017-5 
  • Grousset, René (1947). Histoire de l'Arménie: des origines à 1071. Paris: Payot 
  • Settipani, Christian (2006). Continuité des élites à Byzance durant les siècles obscurs. Les princes caucasiens et l'Empire du vie au ixe siècle. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Toumanoff, Cyril (1990). Les dynasties de la Caucasie chrétienne de l'Antiquité jusqu'au xixe siècle : Tables généalogiques et chronologiques. Roma: Edizioni Aquila