Nebulosa da Coruja

A Nebulosa da Coruja (também conhecida como Messier 97 ou NGC 3587) é uma nebulosa planetária localizada na constelação de Ursa Major. Foi descoberta por Pierre Méchain em 1781.

Nebulosa da Coruja
M97
M97
Dados observacionais (J2000)
Constelação Ursa Major
Asc. reta 11h 14,8m
Declinação +55° 01′
Magnit. apar. +9,9
Distância 2 600 anos-luz
Dimensões 3,4 × 3,3 minutos de arco
Características físicas
Raio 1,5 anos-luz
Características notáveis "olhos" de coruja, visível através de telescópios grandes
Outras denominações
M97, NGC 3587
Nebulosa da Coruja
Ursa Major constellation map.png

É considerada uma das mais complexas nebulosas planetárias. A estrela central de magnitude 16 tem cerca de 0,7 massas solares e a nebulosa em si cerca de 0,15 massas solares. A nebulosa foi formada cerca de 6 000 anos atrás.

A Nebulosa da Coruja recebeu o seu nome devido aos seus "olhos" parecidos com o de uma coruja quando vista através de um telescópio (> 200 mm) grande sob um céu escuro com o auxílio de um "filtro de nebulosa". Os "olhos" são também facilmente visíveis através de fotografias tiradas da nebulosa.

Descoberta e visualizaçãoEditar

 
Imagem de Messier 97 tirada com o Telescópio Faulkes Norte.

A nebulosa planetária foi descoberta pelo astrônomo francês Pierre Méchain em 26 de fevereiro de 1781. Ao descrever o objeto, Charles Messier também mencionou outros dois objetos nebulosos que não foram adicionados a última versão de seu catálogo, de 1781, que viriam a ser os objetos Messier 108 e Messier 109. William Henry Smyth foi o primeiro a classificá-la como uma nebulosa planetária em 1944. William Huggins, por meio da espectroscopia, reconheceu a natureza gasosa do objeto.[1]

CaracterísticasEditar

É um dos objetos de menor brilho do catálogo Messier e também é um das quatro nebulosas planetárias do catálogo. É uma das mais complexas nebulosas planetárias conhecidas: estima-se que sua forma seja semelhante a um toro e que as regiões pobres em matéria, os "olhos da coruja" sejam o espaço vazio ao longo do eixo do toro. A nebulosa é envolvida por uma nebulosa mais fraca, com pouca ionização. Sua massa foi estimada em 0,15 massas solares, enquanto que sua estrela central de magnitude aparente 16 tenha uma massa equivalente a 0,7 massas solares. Sua idade foi estimada em 6 000 anos.[1]

Como quaquer outra nebulosa planetária, é mais brilhante visualmente, com uma magnitude aparente em 9,9, do que em astrofotografias, com magnitude em 12. Isto se explica devido à emissão quase exclusiva de radiação eletromagnética no comprimento de onda na faixa do verde (luz verde), a cor mais sensível aos olhos humanos, mas que não consegue impressionar na mesma magnitude chapas fotográficas ou câmeras CCD.[1]

Sua distância em relação à Terra é incerta: as estimativas variam entre 1 300 anos-luz, segundo o Sky Catalogue 2000.0, a 12 000 anos-luz.[1]

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d Hartmut Frommert e Christine Kronberg (21 de agosto de 2007). «Messier Object 97» (em inglês). SEDS. Consultado em 29 de maio de 2012 
     NGC 3585  •  NGC 3586  •  NGC 3587  •  NGC 3588  •  NGC 3589   
  Este artigo sobre nebulosas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Coordenadas:   11h 14.8m 00s, +55° 01′ 00″