Abrir menu principal
Um banco público neo-futurista

O Neo-futurismo é um movimento do final do século XX até início do século XXI nas artes, design e arquitetura. Pode ser visto como um desvio da atitude do pós-modernismo e representa uma crença idealista em um futuro melhor e "uma necessidade de periodizar o relacionamento moderno com o tecnológico".[1]

Este movimento de vanguarda[2] é um repensar futurista da estética e funcionalidade de cidades em rápido crescimento. A industrialização que começou em todo o mundo após o fim da Segunda Guerra Mundial deu origem a novas correntes de pensamento na vida, na arte e na arquitetura, levando ao pós-modernismo, ao neo-modernismo e ao neo-futurismo.[3]

Nos países ocidentais, a arquitetura futurista evoluiu para o Art Deco, o movimento Googie, a arquitetura de alta tecnologia, e finalmente para o neo-futurismo.[4]

Índice

OrigensEditar

Pioneiro no final dos anos 1960 e início dos anos 70 pelos arquitetos americanos Buckminster Fuller[5] e John C. Portman, Jr.;[6][7][8] O arquiteto e designer industrial finlandês-americano Eero Saarinen,[9][10] Archigram, um grupo arquitetônico de vanguarda britânico (Peter Cook, Warren Chalk, Ron Herron, Dennis Crompton, Michael Webb e David Greene), sediado na Architectural Association, em Londres; O grupo arquitetônico de vanguarda americano ArchiGO, centrado em torno do Illinois Institute of Technology; O arquiteto dinamarquês Henning Larsen; Arquiteto tcheco Jan Kaplický;[11][12][13] Escultor italiano de luz Marco Lodola;[14][15][16] Artista conceitual americano Syd Mead;[17] Roteirista de teatro americano Greg Allen[18] e poetas russos Andrei Voznesensky, Serge Segay e Rea Nikonova.[19]

Embora nunca tenha sido construído, o Fun Palace (1961) interpretado pelo arquiteto Cedric Price como uma "gigantesca máquina neo-futurista"[20][21] influenciou outros arquitetos, notavelmente Richard Rogers e Renzo Piano, cujo Centro Pompidou ampliou muitas das idéias de Price.

DefiniçãoEditar

O neo-futurismo foi relançado em 2007 após a divulgação do "Manifesto da cidade neo-futurista"[22][23][24]incluído na candidatura apresentada ao Bureau of International Expositions (BIE)[25] e escrito pelo designer de inovação Vito Di Bari,[26][27][28] ex-diretor executivo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO),[29]para delinear sua visão para a cidade de Milão na época da Exposição Universal de 2015. Di Bari definiu sua visão neo-futurista como a "polinização cruzada da arte, tecnologias de ponta e valores éticos combinados para criar uma qualidade de vida incrivelmente superior ";[30] ele referenciou o quarto pilar da teoria do desenvolvimento sustentável[31] e informou que o nome tinha sido inspirado pelo relatório das Nações Unidas, Nosso Futuro Comum.[32]

Jean-Louis Cohen definiu o neo-futurismo[33][34] como "um corolário da tecnologia, sendo as estruturas construídas hoje subprodutos de novos materiais para criar formas antes impossíveis". Etan J. Ilfeld escreveu que na estética neo-futurista contemporânea "a máquina se torna um elemento integral do próprio processo criativo e gera o surgimento de modos artísticos que seriam impossíveis antes da tecnologia de computadores".[35] A definição de "une architecture autre" de Reyner Banham é uma chamada para uma arquitetura que supera tecnologicamente todas as arquiteturas anteriores, mas que possui uma forma expressiva,[36] como Banham declarou sobre a neo-futurista "Archigram's Plug-in Computerized City, a forma não precisa seguir a função para o esquecimento".[37]

Pessoas notáveisEditar

O relançamento do neo-futurismo no século XXI foi inspirado de forma criativa pela arquiteta vencedora do Prêmio Pritzker de Arquitetura Iraquiano-Britânica Zaha Hadid,[38][39][40] Arquiteto espanhol Santiago Calatrava[41][42][43] e por Vito DiBari.[44][45][46]

Arquitetos, designers e artistas neo-futuristas são o arquiteto francês Denis Laming,[47][48][49] Artistas americanos Josh Hadar, Erin Sparler,[50] Marlow Rodale,[51] Studio-X Lawrie Masson;[52] Panayiotis Terzis,[53] e Miguel Ovalle;[54] artista de ruído urbano Joseph Young;[55] Designer francês Patrick Jouin[56] Artista britânica Olivia Peake;[57] Designer japonês Yuima Nakazato,[58][59] Artista sueco Simon Stålenhag,[60] Artista italiano Luca Bestetti e o artista grego Charis Tsevis.[61][62][63] O neo-futurismo absorveu alguns dos temas e ideias da arquitetura de alta tecnologia, incorporando elementos da indústria de alta tecnologia e tecnologia na construção de projetos:[64] tecnologia e contexto é o foco de alguns arquitetos desse movimento, como Buckminster Fuller, Norman Foster,[65][66] Kenzo Tange, Renzo Piano, Richard Rogers, Frei Otto, e Santiago Calatrava.[42][67]

GaleriaEditar

Referências

  1. Hal Foster, Annals of the Architectural Association School of Architecture, Edições 14-16, publicado por The Architectural Association, Londres, 1987
  2. «Avant-Garde / Neo-Avant-Garde (Avant-Garde Critical Studies 17): Dietrich Scheunemann: 9789042019256: Amazon.com: Books». Amazon.com. 24 de outubro de 2005. Consultado em 17 de janeiro de 2014 
  3. «10 of the Most Unusual Architectural Structures in Europe». TheRichest. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  4. «futurism - A Steampunk Opera (The Dolls Of New Albion)». Steampunkopera.wordpress.com. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  5. Jacob R. «Architecture 350 > Campagnol > Flashcards > Arch 350 - Exam 4 - StudyBlue». StudyBlue. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  6. Kristi York Wooten. «How 1980s Atlanta Became the Backdrop for the Future». The Atlantic 
  7. «John portman News, Videos, Reviews and Gossip - io9». io9 
  8. «Silver Screen: Meet John Portman, the Architect Behind the Dystopian Backdrops of The Walking Dead and The Hunger Games». Yahoo News. 6 de abril de 2015 
  9. «City Realty Weekly Market Snapshot» (PDF). Cityrealty.com. 13 de agosto de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  10. «Big dreams and angry protests swirl at abandoned Athens airport». Uk.reuters.com. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  11. «"Jan Kaplický" Video - Buildings and Interviews». OVGuide 
  12. «If Famous Buildings And Paintings Made Babies, They'd Look Like This». Co.Design. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  13. Christie Chu (14 de setembro de 2014). «Imagining the Artist-Architect Collabos That Never Were». artnet News. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  14. «Amstel Art Gallery London Archivio Marco Lodola Pop Art Design». Amstel Art Gallery London Archivio Marco Lodola Pop Art Design. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  15. «ASIA CONTEMPORARY ART - Amstel Art Gallery». Asiacontemporaryart.com. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 22 de outubro de 2014 
  16. «In Brief - Fiera Milano News». Fieramilanonews.it. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  17. «Reality Ahead of Schedule - The Work of Syd Mead». Pinterest. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  18. «About Neo-Futurism». The Neo-Futurists. 13 de janeiro de 2014. Consultado em 17 de janeiro de 2014 
  19. «Interview with Alex Cigale: Part II». asymptotejournal.com 
  20. Anthony Vidler (2008). «Histories of the immediate present: inventing architectural modernism» (PDF). MIT Press, Massachusetts Institute of Technology. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  21. Erskine Design. «Frieze Magazine - Archive - The Enclosure Business». Frieze.com. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 22 de outubro de 2014 
  22. «Archived copy». Consultado em 7 de novembro de 2014. Arquivado do original em 17 de outubro de 2014 
  23. «Archived copy». Consultado em 7 de novembro de 2014. Arquivado do original em 7 de novembro de 2014 
  24. «From Manifesto to Futurist Architecture». Worldarchitecture.org. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  25. «BIE - Bureau International des Expositions». bie-paris.org 
  26. «Futurist architecture». a64.net 
  27. «MoreArtCulture Messenger: Vito Di Bari on Wednesday and Your Week in Arts + Culture». constantcontact.com 
  28. «The economic renaissance led by the Internet of Things». I-cioc.om. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  29. «Agreement between UNESCO and the City of Milan concerning the International Multimedia Institute (IMI) - Appointment of Executive Director - UNESCO Archives ICA AtoM catalogue». Atom.archives.unesco.org. 8 de outubro de 1998. Consultado em 17 de janeiro de 2014 
  30. Manifesto of Neo-Futuristic City in www.neofuturistic.com
  31. «The Concept Of "Sustainable Development" And The Challenges Of Economic Growth And Development In Nigeria». Katsina-Ala Multidisciplinary Journal. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  32. World Commission on Environment and Development (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press. p. 27. ISBN 019282080X
  33. «The Future of Architecture Since 1889». Cool Hunting. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 22 de outubro de 2014 
  34. «Blume Library Mobile». Library.stmarytx.edu. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  35. «Beyond Contemporary Art: Amazon.co.uk: Etan Ilfeld: Books». Amazon.co.uk. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  36. Reyner Banham: Historian of the Immediate Future (Cambridge: MIT Press, 2002)
  37. Reyner Banham, "A Clip-on Architecture," Architectural Design 35, no. 11
  38. «AweSomeness ...». Shifhana.blogspot.it. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 9 de novembro de 2014 
  39. «ឯកសារសំខាន់! ស្វែងយល់ពីស្ថាបត្យករអង់គ្លេសដើមកំណើតអ៉ីរ៉ាក់ លោកស្រី Zaha Hadid (មាន Video Clip)». Village of Wonder. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 18 de maio de 2014 
  40. «a flâneur speaks : Cavemen of tomorrow». A Flâneur in Korea. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  41. «Spotlight: Santiago Calatrava». ArchDaily. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  42. a b «Santiago Calatrava». Mediander. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 30 de junho de 2017 
  43. «In Art and Architecture: Neo-Futurism». burkayaydin. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  44. Lino Bianco. «LECTURE 10: NEOMODERN AND NEOFUTURIST ARCHITECTURE». academia.edu 
  45. «Vito di Bari: The Internet of Things». Financial Times - Reshaping ICT. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2014 
  46. «burkayaydin». burkayaydin. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  47. «Denis Laming Architectes». laming.fr 
  48. «Archived copy». Consultado em 17 de março de 2015. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  49. Nicola Williams; Virginie Boone (2002). The Loire. [S.l.]: Lonely Planet. pp. 47–. ISBN 978-1-86450-358-6 
  50. «Neo-Futurism by Erin Sparler: Arts & Photography | Blurb Books». Blurb.com. Consultado em 17 de janeiro de 2014 
  51. «Neofuturism series part 1 « Marlow Rodale». Marlowrodale.com. 3 de maio de 2012. Consultado em 17 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2014 
  52. «iTunes - Music - Neo-Futurism by Studio-X». Itunes.apple.com. 1 de janeiro de 2001. Consultado em 17 de janeiro de 2014 
  53. «Trapper Keeper :: Panayiotis Terzis». Peopleofprint.com. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  54. «Writings». Barbara Calderón-Douglass. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  55. «Neo Futurist Collective». Neofuturist.org. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  56. «King of good times». Indiatoday.intoday.in. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  57. «Future Rocker». Future-rocker.blogspot.com. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  58. «Japanese Fashion Designer Literally Flexes Muscles with 3D Printing». Stratasys Blog. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  59. «Yuima Nakazato creates neo-futuristic sportswear with an Objet500 Connex multi-material 3D Printer [7559] - Prototyp». Netcommunity.se. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  60. «Swedish seventies neoretrofuturism: the paintings of Simon Stålenhag». Boingboing.net. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  61. «Archived copy». Consultado em 7 de novembro de 2014. Arquivado do original em 7 de novembro de 2014 
  62. Paul Caridad. «Neofuturistic Vectors and Vibrant Mosaics». Visual News 
  63. «Tsevis Visual Design». Tsevis.soup.io. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  64. «Tokyo». Triposo.com. Consultado em 22 de outubro de 2014. Arquivado do original em 18 de agosto de 2014 
  65. «Lord Norman Foster». Encyclopædia Britannica. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  66. «My Gallery Space 『・・・・ノ、セカイ』». Geocities.jp. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  67. «ARCH 350 Final». Quizlet.com. Consultado em 22 de outubro de 2014 

Leitura adicionalEditar