Neonacionalismo

O neonacionalismo [1][2] ou o novo nacionalismo é uma ideologia e movimento construído sobre as características do nacionalismo clássico.[3] Desenvolveu-se em sua forma final aplicando elementos com caráter reacionário gerados como reação às mudanças políticas, econômicas e socioculturais que ocorreram com a globalização durante a segunda onda de globalização no final de 1980.[4][5][6] Em suas formas extremas, poderia estar associado a várias posições, como populismo de direita, anti-globalização[7], nativismo, protecionismo, oposição à imigração, islamofobia,[8] Sinofobia, e euroceticismo, quando aplicável. Com a globalização e a ideia de uma única nação, os neo-nacionalistas veem a questão de identidade nacional ameaçada.[9][10] Eles reivindicam a proteção do patrimônio simbólico, como a arte e as tradições populares, que também são comuns ao nacionalismo cultural.[11][11] É o que constituiu a identidade coletiva das nações, que não é necessariamente exclusiva, de acordo com o desejo de pessoas de diferentes culturas de se juntar a essa nação. Expressões particularmente notáveis do novo nacionalismo incluem a votação do Brexit no referendo de adesão à União Europeia do Reino Unido de 2016 e a eleição de 2016 de Donald Trump como o 45o Presidente dos Estados Unidos .

OrigensEditar

O neo-nacionalismo é considerado um fenômeno da Europa Ocidental. Ele tem suas origens no período pós- Guerra Fria e as mudanças que a terceira fase da globalização trouxe aos estados da Europa Ocidental. A integração e o alargamento da UE deram origem a uma série de mudanças econômicas, sociais e políticas, causando incertezas em nível individual e coletivo.[12][13] O empoderamento da União Européia, ampliando seus membros e os referendos sobre a Constituição da União Europeia, formou a ideia de um quase-estado transnacional[14] e de uma nação global sob democracia liberal como a ideologia política única que governa esse estado transnacional. Depois que o referendo sobre o Tratado para estabelecer uma Constituição para a Europa foi rejeitado, a delegação de soberania nacional na União Européia foi vista pelos neo-nacionalistas como um ato estratégico que visa à acumulação de poder que compromete a soberania nacional dos Estados e seus direitos de autodeterminação .

Fatores externosEditar

Os eventos dramáticos que marcaram o mundo islâmico na década de 1980, como a Revolução no Irã, o assassinato do presidente egípcio e a morte do presidente do Paquistão, deram início ao aumento da imigração para os países da Europa Ocidental.[15] Os problemas que os imigrantes encontraram em relação à sua chegada, acomodação e integração na sociedade doméstica do Estado anfitrião motivaram a reestruturação da agenda política e os ajustes de políticas que integravam a diversidade de imigrantes. A inclusão de princípios 'estrangeiros' próximos aos elementos tradicionais que constituem o caráter do Estado anfitrião como critério de política levou ao sentimento da ameaça que o neo-nacionalista sentia. Esse processo foi enquadrado como 'islamização' e se transformou no fator explicativo para um comportamento coletivo defensivo específico, além de declarada xenofobia.[16]

Os conflitos e a violência que se seguiram após a desestabilização política em alguns dos estados islâmicos levaram à categorização do Islã como tendo um caráter antidemocrático antidemocrático que está em desacordo com a democracia liberal ocidental. Após os ataques de 11 de setembro, essa imagem do Islã se tornou dominante. O sentimento da "ameaça islâmica" às sociedades modernas e sua cultura que se espalhou pelos estados da Europa Ocidental resultou no aumento da consciência e do orgulho nacional em termos de cultura e folclore, e na necessidade de proteger a identidade cultural nacional.[17][18]

Raízes no NacionalismoEditar

O neo-nacionalismo é o sucessor do nacionalismo clássico. Tanto nacionalistas quanto neo-nacionalistas veem a nação como uma família, mas diferem nos critérios de afiliação. Nacionalista ver o estado e a nação como uma família cujos membros são indissociáveis baseada na homogeneidade étnica, racial, genético, religiosa ou cultural como critérios de pertencimento [19] Em contraste, os neo-nacionalistas tomam a associação histórica como o principal fator para a concessão de filiação à família nacional, o que a torna inclusiva e fundamentalmente diferente de seus predecessores em termos de inclusão.[20]

Em contraste com o nacionalismo clássico, o neo-nacionalismo não exige etnia e raça para estruturar uma ordem hierárquica em termos de "certo" e "errado".[21] A principal distinção que faz com que os neo-nacionalistas se afastem de seus antecessores é sua posição sobre as diferenças e a relação entre diversos grupos e comportamento. No cerne do nacionalismo romântico tradicional, reside a noção de desempenho correto da 'supremacia branca' [22] base nos princípios estabelecidos pelo Ocidente, que servem como padrão universal de condutas e modelo de aplicação universal sobre o qual as ações e colonizações missionárias tiveram êxito. recebeu justificativa no passado [21] . Em contraste, os neo-nacionalistas sustentam que o comportamento correto entre os membros da sociedade civil se baseia na reciprocidade. As diferenças não devem ser enquadradas como um problema que requer ação a ser superada. Como as diferenças são naturalmente dadas e fazem parte da identidade do indivíduo e do coletivo, elas devem ser integradas à sociedade civil com base em tolerância e respeito mútuos, sem serem hierarquicamente ordenadas, produzindo reivindicações normativas e categorizando 'bom ou ruim'.[23]

Com base na tolerância e respeito entre os diversos, os neo-nacionalistas sustentam que os migrantes devem receber direitos básicos de viver de acordo com seu próprio contexto cultural, mas, ao mesmo tempo, espera-se que eles se integrem à sociedade civil doméstica adotando os princípios básicos da cultura ocidental. Fundamentalmente, o neo-nacionalismo está em forte defesa da igualdade de gênero .[20][21][23] Baseado no código islâmico que não coloca homens e mulheres em uma posição de igualdade e determina a homossexualidade como um pecado, o Neo-Nacionalismo insiste na total integração dos muçulmanos que desejam ingressar nos países da Europa Ocidental com os princípios modernos da igualdade de gênero . [24]

Visão geral e característicasEditar

Ao escrever para o Politico, Michael Hirsh descreveu o novo nacionalismo como "uma rejeição populista amarga do status quo que as elites globais impuseram ao sistema internacional desde o fim da Guerra Fria e que os eleitores de baixa renda decidiram - compreensivelmente - que são injustos". Michael Brendan Dougherty escreveu na The Week que o novo nacionalismo é uma "ampla revolta nativista " contra a política pós-Guerra Fria, "caracterizada por uma ortodoxia do livre comércio, alimentando a economia de serviços, acordos comerciais neoliberais e políticas de imigração liberalizadas".[25]

The Economist escreveu em novembro de 2016 que "novos nacionalistas estão cumprindo promessas de fechar fronteiras e restaurar as sociedades a uma homogeneidade passada".[26] Clarence Page escreveu no Las Vegas Sun que "um novo nacionalismo neo-tribal surgiu na política europeia e em menor grau nos Estados Unidos desde o colapso econômico global de 2008" e Ryan Cooper na The Week [27] e pesquisadores do Center for Economic Policy Research [28] vincularam o populismo de direita do século XXI à Grande Recessão . Segundo o teórico político de Harvard Yascha Mounk, "a estagnação econômica entre os brancos de classe média e baixa [tem sido] um dos principais fatores para a ascensão do nacionalismo em todo o mundo".[29] De acordo com o estudioso da religião Mark L. Movesian, o novo nacionalismo "coloca o Estado-nação contra regimes liberais supranacionais como a UE ou o NAFTA, e costumes e tradições locais, incluindo tradições religiosas, contra tendências estrangeiras e externas".

David Brog e Yoram Hazony escreveram na National Review que alguns conservadores veem o novo nacionalismo associado ao Brexit e Donald Trump como uma traição à ideologia conservadora, enquanto o veem como um "retorno".[30] Segundo o comentarista conservador Jonah Goldberg, o nacionalismo associado a Trump é "realmente pouco mais que um nome de marca para políticas genéricas de identidade branca".

Ao escrever para a semana, Damon Linker chamou a ideia do neo-nacionalismo de "absurdo" racista e continuou dizendo que "a tendência dos progressistas a descrevê-lo como nada além de 'racismo, islamofobia e xenofobia' - é o desejo de deslegitimar. qualquer apego particularista ou forma de solidariedade, seja nacional, linguística, religiosa, territorial ou étnica".[31]

Com relação ao novo nacionalismo, o The Economist disse que "Trump precisa entender que suas políticas se desdobram no contexto do nacionalismo ciumento de outros países" e chamou o próprio nacionalismo de "conceito escorregadio" e "fácil de manipular". Eles também contrastaram repetidamente o nacionalismo étnico e o nacionalismo cívico e implicaram que o novo nacionalismo poderia tornar-se "irado" e difícil de controlar, citando o nacionalismo chinês como exemplo.[32]

Políticos, partidos e eventos associadosEditar

BrasilEditar

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ex-partidário do Partido Social Liberal (PSL) do país, foi descrito como um novo nacionalista.[33] A ideologia e as políticas de Bolsonaro foram fortemente influenciadas por seu consultor e pensador nacionalista Olavo de Carvalho.[34][35]

ChinaEditar

O conceito de "sonho chinês" do secretário-geral do Partido Comunista Chinês , Xi Jinping, foi descrito como uma expressão do novo nacionalismo.[36] Sua forma de nacionalismo enfatiza o orgulho da civilização chinesa histórica, abraçando os ensinamentos de Confúcio e outros sábios chineses antigos e, assim, rejeitando a campanha anti-Confúcio do presidente do partido: Mao Zedong .[37]

Hong KongEditar

O nacionalismo de Hong Kong evoluiu do movimento local e enfatiza uma identidade distinta de Hong Kong, em oposição à identidade nacional chinesa promovida pelo governo chinês e sua crescente invasão na administração da cidade de seus próprios assuntos políticos, econômicos e sociais.[38][39] A retórica localista geralmente apresenta o direito à autodeterminação, posturas anti-imigração contra imigrantes e turistas do continente e preservando a identidade e a cultura local semelhantes ao novo nacionalismo ocidental.

EgitoEditar

O presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi (cargo assumido em 2014) foi descrito como um novo nacionalista.[40][41]

HungriaEditar

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán (assumiu o cargo em 2010), líder do partido governista Fidesz, foi descrito como um novo nacionalista.

ÍndiaEditar

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi (assumiu o cargo em 2014) e seu Partido Bharatiya Janata (BJP) foram referidos como novos nacionalistas.[40] Modi é membro da Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), uma organização paramilitar de direita [42] alinhada com o BJP, que também se diz defender uma nova ideologia nacionalista.[43] As campanhas nacionalistas de Modi foram dirigidas pelo estrategista do BJP Amit Shah, que atualmente atua como ministro do Interior da Índia (escritório assumido em 2019), e foi apontado como um potencial sucessor de Modi como primeiro-ministro.[44]

Yogi Adityanath, ministro-chefe do estado indiano de Uttar Pradesh (escritório assumido em 2017) também foi identificado como um novo nacionalista.[45] Ele também foi apontado como um futuro primeiro ministro do país.[46]

IsraelEditar

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (assumido o cargo em 2009), líder do partido Likud, foi descrito como promovedor um novo nacionalismo [47] e como perseguidor de uma política externa de laços estreitos com outros novos líderes nacionalistas, incluindo Trump, Orbán., Salvini, Putin, Modi, Bolsonaro, Duterte e Sisi.[48][49][50][51][52]

Em 2019, Netanyahu estabeleceu uma aliança política com a União ultranacionalista dos Partidos de Direita.[53]

ItáliaEditar

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte (assumiu o cargo em 2018), chefe da coalizão populista Government of Change [54] e em particular o ex-vice-primeiro-ministro e ministro do Interior e o líder da Liga, Matteo Salvini (2018-2019), eram frequentemente descritos como novos nacionalistas.[55][56][57] Enquanto estava no cargo, Salvini foi descrito por alguns meios de comunicação como o político mais poderoso do país e um "primeiro ministro de fato".[58][59][60]

Giorgia Meloni, líder dos Irmãos da Itália, um partido que apoiou o governo caso a caso,[61] também foi descrita como um novo nacionalista.[62][63]

Em agosto de 2019, Salvini apresentou uma moção de desconfiança no governo de coalizão, pedindo que novas eleições tomassem "plenos poderes",[64] porém Conte formou um novo governo entre o Movimento Cinco Estrelas (M5S) e o Partido Democrata (PD).[65] À frente deste novo gabinete, Conte atenuou sua retórica neo-nacionalista.[66]

JapãoEditar

O 63º e atual primeiro-ministro Shinzō Abe (assumido cargo em 2012), membro da organização de direita Nippon Kaigi, promoveu idéias de novo nacionalismo, assim como o Partido Liberal Democrático do Japão, que ele lidera.[67]

MéxicoEditar

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador (assumiu o cargo em 2018) foi descrito como neo-nacionalista e frequentemente apelidado como "mexicano Donald Trump" pela mídia.[68][69]

FilipinasEditar

O presidente filipino Rodrigo Duterte (assumido o cargo em 2016) foi descrito como um novo nacionalista.[70]

PolôniaEditar

O sexto e atual presidente da Polônia, Andrzej Duda (que assumiu o cargo em agosto de 2015) é regularmente citado como uma figura de liderança no novo movimento nacionalista na Polônia.[71] Além disso, o partido governista Law and Justice e sua aliança United Right, liderada por Jarosław Kaczyński, promoveram visões nacionalistas para ganhar uma maioria absoluta nas eleições nacionais de 2015 (um feito nunca antes realizado).[72] Apesar de não ter um cargo no governo, Kaczyński foi descrito como a figura que faz a "chamada final" em todas as principais questões políticas na Polônia.[73]

RússiaEditar

O presidente da Rússia, Vladimir Putin (segundo presidente da Rússia de 2000 a 2008 e quarto presidente da Rússia de 2012) foi classificado como sendo um novo nacionalista. Putin foi descrito por Hirsh como "o prenúncio deste novo nacionalismo global". Charles Clover, chefe do departamento financeiro de Moscou do Financial Times de 2008 a 2013, escreveu um livro em 2016 intitulado Vento negro, neve branca: a ascensão do novo nacionalismo da Rússia .[74] O pensador nacionalista russo Aleksandr Dugin, em particular, teve influência sobre o Kremlin, servindo como consultor para os principais membros do partido governante Rússia Unida, incluindo agora o diretor do SVR, Sergey Naryshkin .[75]

A Rússia foi acusada de apoiar novos movimentos nacionalistas na Europa e nos Estados Unidos.[76]

Arábia SauditaEditar

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman (assumiu o cargo em 2017), foi descrito por Kristin Diwan, do Instituto Árabe dos Estados do Golfo, como sendo apegada a um "forte novo nacionalismo".[77] O "novo nacionalismo saudita" foi usado para reforçar o apoio às políticas econômicas e externas do Reino e representa um afastamento da dependência anterior do Reino de legitimidade pela religião.[78] Muitas das ações de política externa do país a partir de 2017, como o bloqueio do Catar e a disputa diplomática com o Canadá, foram descritas como motivadas por esse nacionalismo.[79] As políticas do governo de Mohammad bin Salman foram fortemente influenciadas por seu conselheiro Saud al-Qahtani, que foi descrito como um "ideólogo nacionalista" e cujo papel foi comparado ao de Steve Bannon .[80][81]

TurquiaEditar

Em 2014, Mustafa Akyol escreveu sobre uma nova "marca do neonacionalismo turco" promovida pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), partido governante do país, cujo líder é o presidente Recep Tayyip Erdoğan (escritório assumido em 2014).[82] O "novo nacionalismo" turco substitui o caráter secular das formas tradicionais do nacionalismo turco por uma identidade "assertivamente muçulmana".[83]

Devlet Bahçeli, líder do Partido do Movimento Nacionalista (MHP), foi descrito como criando uma "nova frente nacionalista" ao formar a Aliança do Povo com o AKP de Erdoğan em 2018.[84] O MHP é afiliado à organização paramilitar Grey Wolves, pela qual Erdoğan também expressou apoio.[85]

Emirados Árabes UnidosEditar

Os Emirados Árabes Unidos, sob a liderança do príncipe herdeiro de Abu Dhabi Mohammed bin Zayed (assumiu em 2004), foram descritos como propagando um "novo nacionalismo árabe", que substitui a forma esquerdista mais antiga da ideologia nacionalista árabe por uma de forma mais conservadora, através de seu forte apoio à ascensão dos respectivos novos líderes do Egito e da Arábia Saudita, Abdel Fattah el-Sisi e o príncipe Mohammad bin Salman, como forma de combater a influência iraniana e turca nos estados árabes.[86]

Reino UnidoEditar

O referendo de 23 de junho de 2016 no Reino Unido para deixar a União Europeia ("Brexit") foi descrito como um marco do novo nacionalismo.[87][88] Owen Matthews observou semelhanças nos motivos de apoio ao movimento Brexit e Trump. Ele escreveu na Newsweek que os apoiadores de ambos são motivados por "um desejo de controlar a imigração, reverter a globalização e restaurar a grandeza nacional ao se desvencilhar do mundo amplo e ameaçador".[89]

Matt O'Brien escreveu sobre o Brexit como "o sucesso mais chocante para o novo nacionalismo que varre o mundo ocidental".[90] Líderes da campanha do Brexit, como Nigel Farage, ex-líder do eurocéptico UK Independence Party (agora do Brexit Party ); Prefeito de Londres (agora primeiro ministro e líder do Partido Conservador) Boris Johnson ; O co-organizador de votação deixa Michael Gove ; o ex- secretário do Brexit David Davis ; e Jacob Rees-Mogg, presidente do Grupo Europeu de Pesquisa, foram chamados de "novos nacionalistas".[91]

Estados UnidosEditar

A ascensão de Donald Trump à candidatura republicana foi amplamente descrita como um sinal do crescente novo nacionalismo nos Estados Unidos. Um editorial do Chicago Sun-Times no dia da inauguração de Donald Trump o chamou de "nosso novo presidente nacionalista".[92] A nomeação de Steve Bannon, executivo do Breitbart News (mais tarde cofundador do Movimento ), como estrategista-chefe da Casa Branca, foi descrita por um analista como excitação de uma "nova ordem mundial, impulsionada pelo patriotismo e um desejo feroz de cuidar de seu próprio país", um neo-nacionalismo que ataca incessantemente os muçulmanos (e outros estrangeiros) e se esforça para voltar o relógio ao comércio livre e à globalização, um mundo em que os militares podem contar muito mais do que diplomacia e compromisso".[93]

Após a eleição de Trump, o senador norte-americano Marco Rubio pediu que o Partido Republicano adotasse um "novo nacionalismo" para se opor ao "elitismo econômico que substituiu um compromisso com a dignidade do trabalho com uma fé cega nos mercados financeiros e que vê os EUA simplesmente como uma economia em vez de uma nação".[94]

PessoasEditar

Os seguintes políticos foram todos descritos de alguma forma como novos nacionalistas:

ÁfricaEditar
AméricasEditar
Ásia-PacíficoEditar
EuropaEditar
Oriente MédioEditar

PartidosEditar

Os seguintes partidos foram todos descritos de alguma forma como novos partidos nacionalistas:

Ásia-PacíficoEditar
EuropaEditar

ReferênciasEditar

  1. «Neo-Nationalism: The Rise of Nativist Populism». Palgrave Macmillan 
  2. «Trump's Neo-Nationalists». The Wall Street Journal 
  3. Banks, Marcus, (1996). Ethnicity : anthropological constructions. Routledge. London: [s.n.] ISBN 0-203-41793-3. OCLC 229923551 
  4. Holston. «Cities and Citizenship». Public Culture. 8: 187–204. ISSN 0899-2363. doi:10.1215/08992363-8-2-187 
  5. Beck, Ulrich. Sopp, Peter. (1997). Individualisierung und Integration : Neue Konfliktlinien und neuer Integrationsmodus. Leske + Budrich. [S.l.: s.n.] ISBN 3-8100-1848-1. OCLC 472507579 
  6. Hannerz, U. (1996). Transactional connections : culture, people, places. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 0-415-14309-8. OCLC 849306953 
  7. «Analysis: Europe's far-right anger is moving mainstream». Chicago Tribune 
  8. Bangstad, Sindre (2018). «The New Nationalism and its Relationship to Islam». Diversity and Contestations over Nationalism in Europe and Canada. Palgrave Macmillan UK. London: [s.n.] pp. 285–311. ISBN 978-1-137-58986-6. doi:10.1057/978-1-137-58987-3_11 
  9. JENKINS, RICHARD (1952). SOCIAL IDENTITY. Taylor & Francis. Abingdon, UK: [s.n.] ISBN 978-0-203-29299-0 
  10. Macdonald, Sharon. (1993). Inside European identities : ethnography in Western Europe. Berg. [S.l.: s.n.] ISBN 0-85496-723-0. OCLC 25831986 
  11. a b Hutchinson. «Cultural Nationalism». Oxford Handbooks Online. doi:10.1093/oxfordhb/9780199209194.013.0005 
  12. McDonald, Maryon. (1989). "We are not French!" : language, culture, and identity in Brittany. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 0-415-00632-5. OCLC 19922545 
  13. Seiser, Gertraud. On the importance of being the last one : iheritance and marriage in an Austrian peasant community. [S.l.: s.n.] OCLC 610993126 
  14. DeBardeleben, Joan 1950- Hurrelmann, Achim 1974- (2011). Transnational Europe : promise, paradox, limits. Palgrave Macmillan. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-230-30637-0. OCLC 903291338 
  15. Indra de Soysa and Ragnhild Nordås (December de 2007). Replication data for: ISLAM’S BLOODY INNARDS?. Indra de Soysa and Ragnhild Nordås. [S.l.: s.n.] OCLC 729701975  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. Rath, Jan; Sunier, Thijl; Meyer, Astrid (1999), «Der Islam in den Niederlanden: Zur Bedeutung islamischer Institutionen in einer entsäulten Gesellschaft», ISBN 978-3-8100-2500-5, VS Verlag für Sozialwissenschaften, Fundamentalismusverdacht: 74–84, consultado em 29 de abril de 2020 
  17. Praag, Carlo van. (2000). Multicultureel drama voor uitverkochte zaal : op zoek naar de genzen van multicultureel Nederland. [S.l.: s.n.] OCLC 775376190 
  18. Huinder, Chris (M.C.), 1950- Schnabel, Paul, 1948- Gowricharn, Ruben S. (Ruben Sewpersad), 1952- Mok, Ineke (Regina Johanna Maria), 1959- (2000). De multiculturele illusie. FORUM. [S.l.: s.n.] ISBN 90-5714-069-1. OCLC 67730422 
  19. Walzer, Michael. (1993). Spheres of justice : a defence of pluralism and equality. Blackwell. [S.l.: s.n.] ISBN 0-631-14063-8. OCLC 439795521 
  20. a b Warmenbol. «Gingrich, Andre, and Marcus Banks (eds.): Neo-Nationalism in Europe and Beyond». Anthropos. 103: 593–594. ISSN 0257-9774. doi:10.5771/0257-9774-2008-2-593 
  21. a b c Banks, Marcus (1996). Ethnicity. Taylor & Francis. Abingdon, UK: [s.n.] ISBN 978-0-203-30997-1 
  22. Phoenix, Ann (1998), «Representing New Identities: 'Whiteness' as Contested Identity in Young People's Accounts», ISBN 978-0-333-72321-0, Palgrave Macmillan UK, The New Migration in Europe: 109–123, consultado em 29 de abril de 2020 
  23. a b Schiffauer, Werner, 1951- (2006). Civil enculturation : nation-state, schools and ethnic difference in four European countries. Berghahn Books. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-57181-594-1. OCLC 475626631 
  24. Grillo. «Grammars of identity/alterity: a structural approach - Baumann, Gerd & Andre Gingrich». Journal of the Royal Anthropological Institute. 12: 261–262. ISSN 1359-0987. doi:10.1111/j.1467-9655.2006.00289_39.x 
  25. «A new nationalism is rising. Don't let Donald Trump destroy it.». The Week 
  26. «League of nationalists». The Economist 
  27. Ryan Cooper. «The Great Recession clearly gave rise to right-wing populism». The Week 
  28. Moritz Schularick. «The political aftermath of financial crises: Going to extremes». Voxeu.org 
  29. «From 'Brexit' To Trump, Nationalist Movements Gain Momentum Around World». NPR 
  30. «The Nationalist Spirit of 2016: A Conservative Spring». National Review 
  31. «Liberals keep denigrating the new nationalism as racist. This is nonsense.». Theweek.com 
  32. «The new nationalism». Economist.com 
  33. a b «La nouvelle Internationale planétaire des nationalistes». Slate.fr 
  34. a b Cook. «Right-wing movements merge as Bolsonaro visits Trump». Politico  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  35. Dom Phillips. «'Same rhetoric': Bolsonaro's US visit to showcase populist alliance with Trump». The Guardian 
  36. «The New Nationalism: 'Make My Country Great Again'». The Diplomat 
  37. «Xi Jinping Thought Explained: A New Ideology for a New Era». New York Times 
  38. «Hong Kong suffers identity crisis as China's influence grows». The Guardian 
  39. «Localism: Why is support for the political perspective growing - and who's behind it?». Timeout.com.hk. [4 March 2016 Cópia arquivada em https://web.archive.org/web/20160304190314/http://www.timeout.com.hk/big-smog/features/73236/localism-why-is-support-for-the-political-perspective-growing-and-whos-behind-it.html] Verifique valor |arquivourl= (ajuda)  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  40. a b «League of nationalists». Economist.com 
  41. «Army chief Sisi, Egypt's new nationalist icon - Middle East Institute». www.mei.edu 
  42. McLeod, John (2002). The history of India. Greenwood Publishing Group. [S.l.: s.n.] pp. 209–. ISBN 978-0-313-31459-9. [24 April 2017 Cópia arquivada em https://web.archive.org/web/20170424015646/https://books.google.com/books?id=DAwmUphO6eAC&pg=PA209] Verifique valor |arquivourl= (ajuda)  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  43. «The RSS and BJP's blueprint of a new nationalism for 2019». www.dailyo.in 
  44. «The Man Stoking Nationalism in India Could Succeed Modi One Day». Bloomberg 
  45. «Patriotism Vs Jingoism» 
  46. Suhasini Raj. «Firebrand Hindu Cleric Ascends India's Political Ladder». The New York Times 
  47. «The unraveling of Israeli democracy». Times of Israel 
  48. «Nationalists of the World, Unite!». Foreign Policy 
  49. «Is Netanyahu making deals with the devil?». Jewish News Syndicate 
  50. «New world disorder: Trump's nationalist axis has upended global politics». Middle East Eye 
  51. «Netanyahu's Negotiating With Neo-Fascists for a 'Consensus View' of the Holocaust». The Daily Beast 
  52. «Bibi Was Right». The Atlantic 
  53. «Top Posts for Merging With Kahanists: Netanyahu, Far-right Party Reach Deal». Haaretz 
  54. «Market turmoil hits Conte's road to Rome». Financial Times 
  55. «Salvini tra Russia, nazionalismo e fascismo padano». Huff Post 
  56. «Blog - Salvini con Casapound: ma la nuova Lega nazionalista aspira davvero a governare? - Il Fatto Quotidiano». Ilfattoquotidiano.it 
  57. «La svolta a destra di Salvini. Errori e contraddizioni del programma economico della nuova Lega». Ilfoglio.it 
  58. «Combative Salvini Seizes Control of Italy's Political Agenda». Financial Times 
  59. «How Matteo Salvini is Dominating Italian Politics». The Economist 
  60. «Matteo Salvini backed by politician 'with links to mafia'». the Guardian 
  61. "Meloni: «Astensione sulla fiducia, ma voteremo i provvedimenti buoni»".
  62. Wolfram Nordsieck (2013). «Parties and Elections in Europe – Italy» 
  63. Binnie. «Leading lady of Italy's right campaigns for a baby boom»  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  64. «Matteo Salvini calls confidence vote in Italian PM». POLITICO 
  65. «Consultazioni, Mattarella convoca Conte per giovedì mattina: il premier al Colle alle 09:30». Tgcom24. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2019 
  66. Juncker loda la metamorfosi di Conte e la rivendica: “È come con Tsipras”
  67. «Is Shinzo Abe's 'new nationalism' a throwback to Japanese imperialism?». The Guardian 
  68. a b Andrés Martinez. «Andrés Manuel López Obrador and Trump Make an Odd Pair». The Atlantic 
  69. Jones. «Mexico's new president is a nationalist, but he's not anti-American». The Washington Post  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  70. «How Neo-Nationalism Went Global». U.S. News & World Report 
  71. a b c «The new nationalism: Eastern Europe turns right». Prospect 
  72. «The Problem With Poland's New Nationalism». Foreign Policy 
  73. «Jarosław Kaczyński». Politico.eu 
  74. Clover, Charles (2016). Black Wind, White Snow: The Rise of Russia's New Nationalism. Yale University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9780300120707 
  75. «Aleksandr Dugin Wants to See a Return to Russian Imperialism». Vice Media 
  76. «Russia's plot against the West». Politico 
  77. «Lebanon the next battlefield as Saudis escalate bitter struggle with Iran». Sydney Morning Herald 
  78. «Saudi Royals Turn to Flag Waving and Fireworks to Marshal Support». Wall Street Journal 
  79. «Saudi Arabia picks a pointless fight with Canada». The Economist 
  80. «Spotlight: Inside the stricken court of crown prince Mohammed Bin Salman». GQ 
  81. «Saudi 'Mr. Hashtag' becomes fall guy in Khashoggi case, but is he really down?». France 24 
  82. «AKP pushes its own brand of Turkish neonationalism». Al-Monitor 
  83. «Is Turkey Experiencing a New Nationalism?». Center for American Progress 
  84. «Turkey: Toward a third 'Nationalist Front' government». Hürriyet Daily News 
  85. Stevenson. «'Our bodies are Turkish, our souls Islamic!' The rise of Turkey's ultra-nationalists». Middle East Eye  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  86. «The UAE Is Helping America By Propagating A Warped Form Of Arab Nationalism». Oriental Review 
  87. «Brexit: Europe's new nationalism is here to stay». The Sydney Morning Herald 
  88. «Brexit: Rise of neo-nationalism and protectionism?». The Daily Star 
  89. «Beyond Brexit: Europe's Populist Backlash Against Immigration and Globalization». Newsweek 
  90. «The world's losers are revolting, and Brexit is only the beginning». The Washington Post 
  91. Collins. «Britain's new Gaullists». Prospect  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  92. «Editorial: Our new nationalist president». Chicago Sun-Times 
  93. «First we take the White House: The rise and rise of Steve Bannon». Middle East Eye 
  94. «Rubio Goes Nationalist». The Weekly Standard 
  95. «Hamid Chabat: from union activist to leader of Morocco's Istiqlal». The North Africa Post 
  96. «NIGERIA Buhari returns from sick leave to raging battles on economic policy - Blog Post - Africa Confidential». Africa-confidential.com 
  97. «WATCH: Maimane wants soldiers to help secure SA's borders - IOL News» 
  98. «Herman Mashaba is South Africa's Donald Trump – Nehanda Radio» 
  99. https://www.bbc.com/news/world-africa-34670983
  100. Blair. «Paraguay election: Mario Abdo Benítez victory recalls brutal dictatorship». the Guardian  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  101. «Elecciones en Bolivia: Chi Hyun Chung, el Bolsonaro boliviano que busca destronar a Evo Morales» 
  102. «A 'Mad Max' Candidate Offers a Far-Right Jolt to the Canadian Election». New York Times 
  103. Melissa Vida. «El Salvador's Trump Takes Office». Foreignpolicy.com 
  104. «Paraguay elects controversial president Horacio Cartes». www.irishtimes.com 
  105. «Chile president-elect reveals hardline cabinet with ties to Pinochet». The Guardian 
  106. «Honduran President Begins Second Term amid Scandal, Unrest». Geopolitical Monitor 
  107. «José Antonio Kast lanza su movimiento Acción Republicana "para despertar a la gran mayoría silenciosa"». La Tercera 
  108. «Midway through their mandate, embattled Quebec Liberals ride an airplane high». Montreal Gazette 
  109. «Did France put an end to the new nationalism?». Troy Media 
  110. Turley. «Ivan Duque Wins! Colombia Turns to the Populist Right!!!». Turley Talks  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  111. «In Guatemala, anti-establishment presidential candidate benefits from corruption scandals». The Tico Times 
  112. «Alejandro Giammattei: La educación es el mejor anticonceptivo – Prensa Libre» (em espanhol) 
  113. http://www.washingtontimes.com. «Fabricio Alvarado, evangelical Christian, Costa Rica's presidential front-runner»  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  114. «A Trump in the Tropics? Why a Demagogue became the Leading Contender in Costa Rica's Upcoming Election - OxPol». OxPol (em inglês). 9 de janeiro de 2018. Consultado em 8 de março de 2018 
  115. Hirsh. «Why the New Nationalists Are Taking Over». Politico.com  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  116. «Brexit: Europe's new nationalism is here to stay». Smh.com.au 
  117. «First we take the White House: The rise and rise of Steve Bannon». Middle East Eye 
  118. Ruse. «Social Conservatism and the New Nationalism». Crisis Magazine  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  119. «The Nationalists Take Washington». The Atlantic 
  120. «'Team Australia': a nationalism framed in terms of external threats». Sbs.com.au 
  121. Wang. «The New Nationalism: 'Make My Country Great Again'». The Diplomat  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  122. «Kim Jong Un's New Year's Day Speech: Understanding 'Sovereignty' Is the Key». The National Interest 
  123. «Machine guns are child's play during Thai National Children's Day». RT 
  124. Ndhlovu, Finex (2018). Language, Vernacular Discourse and Nationalisms. Springer. [S.l.: s.n.] 
  125. «New Leader Promises Reforms at Korean Film Council». Variety 
  126. «Meet the South Korean Presidential Candidate Who Wants Trump to Give Him Nukes». Weekly Standard 
  127. a b «League of nationalists - Global politics». The Economist 
  128. Simon Tisdall. «Is Shinzo Abe's 'new nationalism' a throwback to Japanese imperialism?». The Guardian 
  129. «Pakistan's Populist Triumph». The Atlantic 
  130. https://www.usnews.com/news/best-countries/articles/2017-03-15/a-look-at-global-neo-nationalism-after-brexit-and-donald-trumps-election
  131. Pearlman. «Jacinda Ardern, 37, finds out she is New Zealand's prime minister from TV as kingmaker says 'voters deserved to know first'» – via www.telegraph.co.uk  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  132. «Trump's hosting of Malaysia's prime minister marks another setback for the rule of law». Washington Post 
  133. «Hun Sen flirts with dictatorship». Japan Times 
  134. Bourchier, David (2014). Illiberal Democracy in Indonesia. Routledge. [S.l.: s.n.] 
  135. «'Questionable USD1 mln in Yameen's bank account not held by ACC' – Mihaaru». en.mihaaru.com (em inglês) 
  136. Gulati, Sumegha (Oct 17, 2015). «An 'anti-Dalai Lama' atheist may steal the thunder in Tibetan polls this weekend (but lose)». Scroll  Verifique data em: |data= (ajuda)
  137. Students for Lukar Jam (23 de abril de 2017). «Are Lukar Jam's critics trying to damage his reputation?». Tibet Sun 
  138. «Austria heads for a new, conservative-nationalist government». The Economist 
  139. «Can Europe's new xenophobes reshape the continent?». The Guardian 
  140. «Who is Vlaams Belang leader Van Grieken?». vrtnws.be 
  141. Cas Mudde. «Why 'good populism' is the wrong strategy to fight 'bad populism'». The Guardian 
  142. Liphshiz. «A Jewish lawyer is Steve Bannon's main ally in uniting Europe's right». The Times of Israel  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  143. Stojic, Marko (2017). Party Responses to the EU in the Western Balkans. Springer. [S.l.: s.n.] 
  144. «EU warily welcomes Boyko Borisov's embrace». Financial Times 
  145. «Borissov appoints nationalist deputies to his third cabinet». Euractiv 
  146. Rick Lyman. «In Bulgaria, a Businessman Who Talks (and Acts) Like Trump». The New York Times 
  147. «Czech Republic elects billionaire nationalist skeptical of the EU, immigration». Theweek.com 
  148. Rapoza. «Europe's New Political Equation: Anti-Open Borders Plus Tax Cuts Equals Winning». Forbes.com  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  149. Simon Tisdall. «Danish rightwinger Kristian Thulesen Dahl rides high on populist tide». The Guardian 
  150. «Estonia joins the far-right club». Politico 
  151. «Jussi Halla-aho, quiet hardliner behind Finland's populist uproar». =Euractiv.com 
  152. Alex Pearson. «The AfD's Alexander Gauland: From conservative to nationalist». DW 
  153. «AfD: Meet the far-right bosses». DW 
  154. Dagmar Breitenbach. «AfD′s Alice Weidel: The pride of the populists, a mystery to everyone else». DW 
  155. «In Greece, the line between conservative journalism and political campaigns blurs». Columbia Journalism Review (em inglês) 
  156. «For Trump adviser at center of Russia probe, a rapid rise and dramatic fall in his ancestral land». Washington Post 
  157. «Georgios Karatzaferis», Wikipedia (em inglês), 29 de dezembro de 2019, consultado em 24 de maio de 2020 
  158. «ΘΕΣΕΙΣ». ELLHNES.net (em inglês) 
  159. «ΘΕΣΕΙΣ • ΕΛΑΣΥΝ». ΕΛΑΣΥΝ (em grego) 
  160. Andy Dabilis. «Profile Of A Greek Extremist: Nikolaos Michaloliakos | GreekReporter.com» (em inglês) 
  161. «Small Euroskeptic, far-right Greek Solution party may squeeze into Euro Parliament». ekathimerini.com 
  162. «Greek minister denies 'dark' anti-Semitic past». Arutz Sheva 
  163. «Ex-aide to former PM forms far-right party». ekathimerini.com 
  164. «Merkel And Former Communists Versus Orban And The New Nationalists». Forbes.com 
  165. «Panama Papers: Iceland's prime minister had offshore holdings in collapsed banks». Irish Times 
  166. «Salvini tra Russia, nazionalismo e fascismo padano». Huffingtonpost.it 
  167. «Leading lady of Italy's right campaigns for a baby boom» – via www.reuters.com 
  168. «Post». Ģimene Tauta Valsts 
  169. «Defiant impeached former Lithuanian President launches campaign to restore litas». Bnn-news.com 
  170. «Montenegro Opposition Leader to Join Steve Bannon 'Movement'» 
  171. «How the Suave New Dutch Far Right Nearly Won an Election». Bloomberg 
  172. «Siv Jensen Promises a Far Tougher FRP against Immigration for the Next Election in Norway». Tnp.no 
  173. Adam Zamoyski. «The Problem With Poland's New Nationalism». Foreignpolicy.com 
  174. «The new nationalism: Eastern Europe turns right». Prospect Magazine 
  175. «The Kremlin's Influence Reaches Warsaw». Visegradinsight.eu 
  176. «Romania Bucks Nationalist Wave With Election Shock». Bloomberg 
  177. «The new nationalism - Trump's world». Economist.com 
  178. «Serbia's Brand of Reconciliation: Embracing Old War Criminals». New York Times 
  179. Pirro, Andrea L. P. (5 de junho de 2015). The Populist Radical Right in Central and Eastern Europe: Ideology, impact, and electoral performance. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317557111 
  180. «Slovenia's President Wins Second Term in Runoff Election». New York Times 
  181. «Leader of Spanish populist party aims to become 'new Trump'». Voice of Europe 
  182. «Who is Jimmie Åkesson, the architect of Sweden's rising far-right?». Thelocal.se 
  183. «The Trump Before Trump». The American Interest 
  184. «UKIP aiming to be 'radical, populist' party - Gerard Batten». BBC News 
  185. «Moqtada al-Sadr: In Iraq, a fiery cleric redefines himself as nationalist patriot». Christian Science Monitor 
  186. «The unraveling of Israeli democracy». Blogs.timesofisrael.com 
  187. «Israel's Bennett and Shaked announce 'New Right' political party». Al Jazeera 
  188. «Khalifa Haftar: Libya's military strongman». Deutsche Welle 
  189. «A Renewed Sense of Nationalism Takes Root in Qatar». Stratfor 
  190. Mustafa Akyol. «AKP pushes its own brand of Turkish neonationalism». Al-monitor.com 
  191. «Lebanon the next battlefield as Saudis escalate bitter struggle with Iran». Smh.com.au 
  192. «Crown prince Mohammed Bin Salman: Inside the stricken court». Gq-magazine.co.uk 
  193. «Turkey: Toward a third 'Nationalist Front' government». Hurriyetdailynews.com 
  194. «The UAE Is Helping America By Propagating A Warped Form Of Arab Nationalism». Orientalreview.org 
  195. Teller, Neville (13 de outubro de 2020). «Is Mohammed Dahlan the next Palestinian president in waiting?». The Jerusalem Post. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  196. Balousha, Hazem (3 de janeiro de 2016). «Dismissed Fatah leader Dahlan says Abbas, Hamas lack 'serious nationalism'». Al-Monitor. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  197. Keddie, Amanda (2017). Supporting and Educating Young Muslim Women. Taylor & Francis. [S.l.: s.n.] 
  198. «The New Star of Germany's Far-Right». The New Yorker. This article appears in other versions of the October 3, 2016, issue, with the headline “Germany’s New Nationalists.” 
  199. Kosmin, Barry A. (2007). Secularism & Secularity: Contemporary International Perspectives. ISSSC. [S.l.: s.n.] 
  200. «Brexit: Europe's New Nationalism Is Here to Stay». Alternet 
  201. «Europe's populists are waltzing into the mainstream». The Economist 
  202. Flamm, Lazlo (2012), The Crisis and Eurosceptism in Central and Eastern Europe, International Centre for European Studies, p. 312 
  203. Pakulski, Jan (2016). The Visegrad Countries in Crisis (PDF). Collegium Civitas. [S.l.: s.n.] [19 September 2018 Cópia arquivada em https://web.archive.org/web/20180919025234/https://www.civitas.edu.pl/collegium/wp-content/uploads/2016/03/The-Visegrad-Countries-in-Crisis--ed.-J.-Pakulski-2016_final_final.pdf] Verifique valor |arquivourl= (ajuda)  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  204. Teitelbaum, Benjamin (2017), Lions of the North: Sounds of the New Nordic Radical Nationalism, OUP 
  205. «Wer hat Platz in diesem Land?». Frankfurter Allgemeine Zeitung 
  206. «Nationalism the big winner in Bulgarian election». Reuters.com 
  207. «Portugal election result cements modest gains for Europe's centre-left». The Guardian