Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mapa étnico de Angola em 1970 (Área dos Nyaneka-Nkhumbi marcada a azul claro

O termo Nhaneca-Humbe é utilizado para designar um conjunto de etnias agropastoras do sudoeste de Angola.

Localizadas na sua maior parte na Província da Huíla, estas etnias combinam a criação de gado bovino com uma agricultura geralmente destinada mais à auto-subsistência do que à comercialização[1]. Cada etnia (muíla, handa, etc.) tem a sua identidade social e suas características culturais e linguísticas próprias, e elas não se consideram como fazendo parte de um conjunto abrangente.[2]

A maior parte dos nhanecas e humbes aderiu ao cristianismo, predominantemente à Igreja Católica, no decorrer do período colonial. A escolarização fez progressos lentos e continua a baixo da média nacional. Uma parte significativa passou a viver nas vilas e cidades, abandonando, completamente ou em parte, o seu modo de vida tradicional.

O cortejo anual do Boi Sagrado praticado em partes mais tradicionais da região, tem de acordo com algumas fontes a sua origem no culto ao boi Ápis da mitologia egípcia.[carece de fontes?]

Referências

  1. Carlos Estermann (1956). Etnografia do Sudoeste de Angola. 3. A fonte básica continua a ser este livro. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar 
  2. Rosa Melo, "Nyaneka-Nkhumbi": uma carapuça que não serve aos Handa, nem aos Nyaneka, nem aos Nkhumbi, Cadernos de Estudos Africanos (Lisboa), 7/8, 2004/2005, pp. 157 - 177. A autora é Handa.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre etnologia ou sobre um(a) etnólogo(a) é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.