Night Trap

vídeojogo de 1992

Night Trap é um jogo eletrônico de 1992 desenvolvido pela Digital Pictures e originalmente lançado pela Sega para o Sega CD. O jogo é apresentado principalmente através do uso de full motion video (FMV). Em Night Trap, o jogador assume o papel de um agente especial encarregado de vigiar adolescentes (estrelado por Dana Plato) tendo uma festa do pijama visitando uma casa que, sem o conhecimento delas, está cheio de perigo. O jogador assiste a imagens de vigilância ao vivo da casa e aciona armadilhas para capturar qualquer pessoa vista colocando as meninas em perigo. O jogador pode alternar livremente sua visão entre diferentes câmeras para vigiar as meninas e escutar conversas para acompanhar a história e ouvir pistas. Críticas iniciais de Night Trap no Sega CD foram mistas. Ficou notável por ser o primeiro filme interativo no sistema e, portanto, foi visto como uma inovação em gênero e tecnologia.[1][2] Os críticos foram rápidos em apontar as qualidades de filme B do jogo que lembravam filmes de terror adolescentes.[3][4][2]

Em 9 de dezembro de 1993, o Congresso dos Estados Unidos iniciou audiências sobre violência em jogos eletrônicos e a comercialização de jogos violentos para crianças.[5] Night Trap estava no centro do debate.[6] Night Trap foi levado ao conhecimento do senador dos Estados Unidos Joe Lieberman, que disse: "Acaba com esta cena de ataque a esta mulher de lingerie, em seu banheiro. Eu sei que o criador do jogo disse que era para tudo ser uma sátira de Drácula; mas mesmo assim, achei que enviou a mensagem errada." A pesquisa de Lieberman concluiu que o jogador médio de jogos eletrônicos tinha entre sete e doze anos e que os publicadores estavam promovendo violência para crianças.[5] No Reino Unido, Night Trap foi discutido no parlamento. O ex-diretor de desenvolvimento da Sega Europe, Mike Brogan, observou que Night Trap trouxe publicidade à Sega e ajudou a reforçar a imagem da Sega como uma "empresa ousada com atitude".[7] Apesar do aumento das vendas, a Sega retirou Night Trap das lojas e o relançou com revisões em 1994.[8] Após as audiências no Congresso, os fabricantes de jogos se uniram em 1994 para estabelecer um sistema de classificação unificado, o Entertainment Software Rating Board.[5]

Referências

  1. «Night Trap». Sega Force (18): 64–66. Junho de 1993 
  2. a b «Night Trap». Mean Machines Sega (7): 60–63. Abril de 1993 
  3. Lesser, Hartley; Lesser, Patricia; Lesser, Kirk (julho de 1993). «The Role of Computers» (PDF). Dragon (195). 58 páginas. Cópia arquivada (PDF) em 21 de março de 2016 
  4. Camron, Marc (dezembro de 1992). «Night Trap». Electronic Games. 1 (3): 99. Consultado em 23 de março de 2015. Cópia arquivada em 8 de abril de 2015 
  5. a b c Kent, Steven L. (2001). The Ultimate History of Video Games: The Story Behind the Craze that Touched our Lives and Changed the World. Roseville, California: Prima Publishing. pp. 461–480. ISBN 0-7615-3643-4 
  6. Parish, Jeremy (16 de outubro de 2012). «20 Years Ago, Sega Gave Us the Sega CD». 1UP.com. Consultado em 11 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 15 de junho de 2013 
  7. McFerran, Damien (2012). «The Rise and Fall of Sega Enterprises». Eurogamer. Consultado em 25 de julho de 2013. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2014 
  8. Burgess, John (11 de janeiro de 1994). «Sega to Withdraw, Revise "Night Trap"». The Washington Post