Abrir menu principal

Vaslav Nijinski

Bailarino e coreógrafo russo
(Redirecionado de Nijinsky)
Vaslav Nijinski
Nascimento 12 de março de 1889
Kiev
Morte 8 de abril de 1950 (61 anos)
Londres
Sepultamento Cemitério de Montmartre
Cidadania Polônia, Império Russo, União Soviética
Cônjuge Romola de Pulszky
Irmão(s) Bronislava Nijinska
Alma mater Academia de Balé Russo Vaganova
Ocupação bailarino, coreógrafo, dançarino, diarista, mestre de balé
Prêmios Ordem das Palmas Acadêmicas
Causa da morte Insuficiência renal

Wacław Niżyński, em polaco; Vatslav Fomitch Nijinski, em russo - no cirílico, Вацлав Фомич Нижинский (Kiev, 12 de março de 1889Londres, 8 de abril de 1950) foi um bailarino e coreógrafo russo de origem polonesa.[1] Para os críticos, Nijinski era dotado de uma técnica extraordinária. Por isso, foi chamado por muitos como o deus da dança, a oitava maravilha do mundo e o Vestris do Norte (referência ao bailarino francês Auguste Vestris, junto ao qual seria sepultado, no cemitério de Montmartre, em Paris). Nijinski revolucionou o balé no início do século XX, conciliando sua técnica com um poder de sedução da plateia: os seus saltos pareciam desafiar a lei da gravidade.

BiografiaEditar

Viveu a dança desde muito cedo, pois era filho de bailarinos poloneses, que se apresentavam em teatros e circos. Dançando nas apresentações de seus pais, atuou desde os quatro anos de idade.

Após seu pai ter abandonado a família, mudou-se com sua mãe para São Petersburgo, na Rússia. Com dez anos de idade, iniciou seus estudos em dança na escola de balé do Teatro Imperial. Aos dezoito anos, foi o par da bailarina Anna Pavlova. No ano seguinte, em 1909, viajou para Paris com a companhia de balé de Sergei Diaghilev, na qual obteve reconhecimento internacional.[1]

Com coreografias de Fokine, dançou: Silfides, Petrushka, Sherazade, Espectro da Rosa entre outros. Como coreógrafo, Nijinski era considerado ousado e original, sendo atribuído, a ele, o início da dança moderna. Uma de suas coreografias mais polêmicas foi L'Aprés-Midi d'un Faune, com música de Debussy, vaiada em sua estreia, em 1912. Outras muito conhecidas foram A Sagração da Primavera e Till Eulenspiegel.

O relacionamento com Diaghilev ficou bastante abalado quando Nijinski se apaixonou pela bailarina Romola de Pulszki e se casou com ela, em 1913, em Buenos Aires. Por uns tempos, foi afastado do grupo, voltando a fazer parte da companhia em 1916, nos Estados Unidos.

Em 1919, aos 29 anos, acometido por distúrbio mental (esquizofrenia), abandonou os palcos. A esquizofrenia do bailarino caracterizava-se, sobretudo pela desordem de pensamento.[2] Essa marca é bastante evidente em trechos de seus diários: "Tenho uma copeira seca, porque sente. Ela pensa muito, porque foi dessecada no outro lugar onde ela serviu por muito tempo". Seu impressionante diário, escrito em 1919, foi publicado por Romola de Pulszki em 1936. Entretanto, nessa versão, Romola eliminou um terço dos textos originais, suprimindo todos os versos e vários trechos com passagens eróticas.

Nijinski passou por inúmeras clínicas psiquiátricas até completar os 60 anos. Morreu em uma clínica em Londres, em 8 de abril de 1950. Somente em 1995, uma edição integral dos originais de seu diário foi publicada na França, pela editora Actes Sud, graças ao consentimento da filha de Nijinski, Tamara.

Referências

  1. a b Larousse, Éditions. «Encyclopédie Larousse en ligne - Vaslav Fomitch Nijinski». www.larousse.fr (em francês). Consultado em 1 de abril de 2019 
  2. «Peça sobre o bailarino Nijinsky aborda os limites entre loucura e genialidade». redeglobo.globo.com. Consultado em 1 de abril de 2019 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vaslav Nijinski
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Vaslav Nijinski