Nikos Zachariádis

político grego

Nikos Zachariádis, em grego, Νίκος Ζαχαριάδης (Edirne, Grécia, 27 de abril de 1903Surgut, Sibéria, 8 de agosto de 1973), foi um político grego, secretário-geral do Partido Comunista da Grécia (KKE), entre 1931 e 1956. De 7 de Fevereiro de 1949 a 3 de Abril de 1949, na última fase da Guerra Civil da Grécia, Zachariádis sucedeu a Markos Vafiadis como primeiro-ministro do chamado Governo Democrático Provisório, formado pelos comunistas, que controlavam grande parte do país - não incluída a capital, Atenas. Proclamado em dezembro de 1947, esse governo provisório foi dissolvido pelos monarquistas, apoiados pelo Reino Unido e pelos Estados Unidos, em 28 de agosto de 1949.

Nikos Zachariádis
Nascimento 27 de abril de 1903
Adrianópoles, Império Otomano
Morte 8 de agosto de 1973 (70 anos)
Surgut, União Soviética
Nacionalidade Grego
Profissão Político
Filiação Partido Comunista da Grécia (KKE)
Cargo Secretário-Geral do Partido Comunista Grego

Após o cessar-fogo que marcou o fim da guerra civil, em 16 de outubro de 1949, Zachariádis, assim como toda a liderança do KKE e os membros remanescentes do partido, partiram para o exílio em países do bloco comunista. Zachariádis ainda se manteve como Secretário-Geral do KKE até a morte de Joseph Stalin, em 1953, quando caiu em desgraça diante da nova liderança soviética.

Em maio de 1956, durante a 6ª Assembleia Geral do Comitê Central do KKE, por interferência do Partido Comunista da União Soviética, foi destituído do cargo de Secretário-Geral, apesar de contar com o apoio de um grande número de membros do seu partido. Em fevereiro de 1957 foi também expulso do KKE, juntamente com grande parte daqueles que o apoiavam.

Nikos Zachariádis passou o resto de sua vida na Rússia asiática, inicialmente em Iacútia e depois fugiu pra Surgut. Tentou inutilmente obter permissão pra voltar e tentou fugir para à Grécia, recorrendo inclusive a uma greve de fome. Foi encontrado, em 1973, enforcado, na casa onde vivia. Segundo a KGB, cometera suicídio,embora fosse óbvio que era um assassinato da KGB e que esta não o faria sem a permissão de Nikita Khrushchov. Os arquivos do estado russo referentes às circunstâncias da sua morte permanecem secretos.[1]

Em dezembro de 1991, poucos dias depois do colapso da União Soviética, o corpo de Zachariádis retornou à Grécia, onde se realizaram os funerais.[2]

Em 2 de outubro de 2011, o Partido Comunista da Grécia oficialmente reabilitou e reintegrou Nikos Zachariádis[3]

"Há uma necessidade de reabilitar Nikos Zachariádis, que foi removido como chefe do KPD e expulso do partido, como resultado de desleais, falsas acusações do partido de que ele impôs uma linha sectária, dogmática e aventureira. Essa acusação foi o resultado da dominação do oportunismo no movimento comunista internacional, o Partido Comunista e outros partidos no governo, que levou à sua posição dominante no CPG ", - disse em seu discurso 14/12/2011 a Secretária Geral do Partido Comunista da Grécia Aleka Papariga.[4]

Referências

  1. Entrevista de Natalia Tomilina, Diretora do Arquivo Russo de História Recente, em Tessalônica, 2000, publicada no livro de Lefteris Apostolou, Nikos Zachariadis, Filistor, Atenas, 2000.
  2. Nikos Zachariádis: Figura histórica do movimento comunista. Artigo alusivo aos 30 anos da morte de Nikos Zachariádis. Rizospastis, 3 de agosto de 2003 (em grego).
  3. http://krasnoe.tv/node/11489
  4. http://ru.kke.gr/news/news2012/2012-01-26-history/

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.