Abrir menu principal


Norsk Hydro
Atividade Alumínio
Energia
Fundação 1905
Sede Oslo,  Noruega
Website oficial www.hydro.com

Norsk Hydro ASA é um conglomerado industrial norueguês com empresas ativas no campo da produção de alumínio e de energia renovável. Sua sede fica em Oslo. Hydro é uma das maiores empresas de alumínio em todo o mundo.[1] Possui operações em cerca de 50 países ao redor do mundo e é ativa em todos os continentes. O estado norueguês detém uma participação de 34,3 por cento na companhia, que emprega cerca de 12.500 pessoas. [2]

Desde 2009 seu CEO ("presidente") é  Svein Richard Brandtzæg.

Índice

Pará, BrasilEditar

Em 2010 a Hydro comprou os ativos referentes à produção de bauxita, alumina e alumínio da Vale S.A. (antiga Vale do Rio Doce), ex-estatal brasileira, mineradora internacional de sede no Brasil.

Estas reservas localizam-se no estado do Pará, na região norte do país, com reservas (minas) sendo exploradas nas regiões dos municípios de Paragominas, Trombetas, Barcarena.

BelémEditar

A empresa já possuía escritórios comerciais nas capitais de Rio de Janeiro e São Paulo (sudeste brasileiro), e somente em 2016 a Hydro inaugurou seu escritório em Belém, capital do estado do Pará, com 233 funcionários, responsáveis locais pelo gerenciamento da produção e exportação da bauxita e alumina ali produzidos. [3]

TrombetasEditar

Através da empresa Mineração Rio do Norte (MRN) em Trombetas, na região oeste do Pará, é realizada uma produção anual de 18 milhões de toneladas métricas de bauxita com aproximadamente 1.300 trabalhadores permanentes.

A matéria prima é transportada por navio para a Hydro Alunorte, em Barcarena. A Hydro conta com 5 % de participação na MRN, mas a empresa tem um acordo de assumir 40 por cento da bauxita da Vale destas operações. A MRN começou a extrair bauxita em 1979.[4]

ParagominasEditar

A Hydro lavra bauxita de sua própria jazida em Paragominas, onde tem uma capacidade de lavra de aproximadamente 10 milhões de toneladas métricas anuais. A bauxita lavrada é triturada e transportada através de um duto de 244 quilômetros até a cidade de Barcarena, onde é refinada em alumínio pela Hydro Alunorte e, a seguir, destinada a produtores de alumínio no Brasil e em outras partes do mundo.

As atividades de lavra em Paragominas começaram em 2007 e, hoje, a empresa emprega cerca de 1.300 empregados próprios e 350 contratados. A Hydro detém 67,9 % das ações da empresa; os demais 32,1 % das ações são de propriedade da empresa brasileira Vale.  [5]

As jazidas atuais ficam a aproximadamente 70 km do município de Paragominas, no nordeste do Pará, no Platô Miltônia 3, e tem uma vida útil estimada de 41 anos (aprox. 2048).[5]

No dia 13 de agosto de 1979 o primeiro navio desatracou de Porto Trombetas carregado de bauxita, então numa parceria entre empresas privadas internacionais e o governo militar brasileiro.

Importante ativo Brasileiro e ParaenseEditar

Poucos belenenses se dão conta de que a 100 quilômetros da sua capital, no município de Barcarena, funciona a maior fábrica de alumina do mundo, (produto intermediário entre o minério, a bauxita, e o metal, o alumínio). A Alunorte, em operação há 21 anos, ao lado daquela que devia ser sua irmã gêmea, a Albrás, está entre as 10 maiores metalúrgicas de alumínio do mundo e é a maior do continente sul-americano.

Quando ela começou, em meados dos anos 1990, a produção nacional de alumina não chegava a 500 mil toneladas por ano, equivalente a 1% da produção mundial. Hoje, o Brasil (com maior destaque o Pará) é responsável por 12% da produção mundial, sendo o terceiro do ranking internacional. Só a Alunorte responde por mais da metade da produção brasileira. O país é também o 3º maior produtor de bauxita do mundo, com 26 milhões de toneladas.

A Alunorte contribui com um bilhão de dólares anuais para o país, exportando 5,5 milhões de toneladas, e além de proporcionar divisas, a Alunorte também contribui para que o Brasil deixe de gastar outro bilhão de dólares ao fornecer 870 mil toneladas por ano para a Albrás transformar em metal, sem precisar importar alumina.

Referências

  1. Norsk Hydro vê melhor perspectiva para alumínio em anos - EXAME.com
  2. Hydro in figures 2013
  3. «Hydro Belém». www.hydro.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  4. «Mineração Rio do Norte S.A.». www.hydro.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  5. a b «Hydro Paragominas». www.hydro.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 

LigaçõesEditar