Abrir menu principal

O Novo Calvinismo é um movimento de resgate da teologia calvinista originado nos Estados Unidos da América nas últimas décadas do século XX e primeiras décadas de século XXI. O movimento atingiu diversas denominações protestantes estadunidenses, espalhando-se por outros países, tais como o Brasil, China[1], Coreia do Sul e Indonésia[2]. É visto como um reavivamento do meio evangélico[3] e sua abrangência vai muito além das denominações que são historicamente calvinista. O principal efeito do novo calvinismo é a aproximação de igrejas batistas, pentecostais, não-denominacionais e independentes da teologia calvinista.

O movimento faz parte do Evangelicalismo, abordando assim o caráter missional. É conhecido pela ênfase nas práticas cristã em vez eclesiologia em si, sendo mais aberto ao diálogo com outros posicionamentos teológicos, pelo que diferenciaria do calvinismo convencional.[4]. É uma tentativa de resgate cultural, e é conhecido como um dos movimentos que poderão mudar o mundo na atualidade.

Em Março de 2009, a Revista Times classificou-o como uma das "10 ideias que estão mudando o mundo."[5][6][7]

Origem nos Estados UnidosEditar

Nos Estados Unidos, destacam-se como líderes do movimento os pregadores: John Piper[8], Mark Driscoll, Albert Mohler,[6], Matt Chandler[5],Mark Dever [9],CJ Mahaney e Joshua Harris[10] . Diferente do calvinismo clássico, não existem a enfase da participação de denominações reformadas ou presbiterianas nos discursos destes pregadores, mas do envolvimento de uma cosmovisão cristã na cultura e na vida diária. Um reflexo disto é a influência na música e a participação de diversas denominações, e até grupos não denominacionais, no movimento.

Em 2013 cerca de 30% dos recém-formados no seminário da Convenção Batista do Sul (a maior denominação protestante dos Estados Unidos e maior batista do mundo) se declarava calvinista.[6][10][11]

Novo Calvinismo no BrasilEditar

No Brasil, destacam-se como influenciadores do Novo Calvinismo: Augustus Nicodemus Lopes, Hernandes Dias Lopes,[12] Heber Campos Júnior (presbiterianos) Jonas Madureira, Yago Martins, Frankin Ferreira, (batistas) [13] Walter McAlister, Geremias do Couto (pentecostais/carismáticos), Paulo Júnior e Douglas Araujo do Teologueiros [14] (independentes).

Assim como nos EUA, o Novo Calvinismo afetou a produção musical. Música expressando doutrinas calvinistas emergiram a partir da década de 2010. Entre as doutrinas mais destacadas está a Depravação total (um dos Cinco pontos do calvinismo)..[7][15] A música Suas Digitais, gravada pela cantora Fernanda Brum em 2015, de autoria de Anderson Freire, ficou conhecida por ser considerada uma divulgação do calvinismo.[16][17]

Pela diversidade de líderes influenciadores, o Novo Calvinismo atinge no Brasil: batistas, metodistas, anglicanos e as Assembleias de Deus, não se limitando as Igrejas Reformadas como outrora.[6][18]

O Movimento propagou-se, principalmente, pela produção literária, conferências e mídias sociais.[6][19][20]

A crítica ao Neopentecostalismo, amplamente difundida nas igrejas pentecostais, batistas e reformadas, fez com que os diversos grupos protestantes se aproximassem. Por conta do desejo de reforma difundido por diversos pastores protestantes nas décadas de 2000 e 2010, críticas de pregadores calvinistas ao Antropocentrismo neopentecostal são apoiadas e compartilhadas por jovens evangélicos de todas as tradições.[21] Além disso, têm crescido a participação de pentecostais em conferências, congressos e simpósios de visão doutrinariamente reformada e tal participação tem influenciado ainda mais a aproximação do calvinismo do pentecostalismo clássico.[22]

Como movimento cultural de volta de valores e tradições protestantes, o Novo Calvinismo tem servido como reação ao secularismo e impulso de retorno de princípios e estilo de vida conforme a fé cristã.[23][24]

Em que pese o Novo Calvinismo seja amplamente interdenominacional, a Igreja Presbiteriana do Brasil, a maior denominação calvinista do Brasil, experimento crescimento acelerado entre 2004 e 2016. Parte deste crescimento é resultado do êxodo sobretudo de ex-pentecostais para o Presbiterianismo.[25][26][27][28][29]

Entre as denominações mais afetadas pelo movimento estão as igrejas pentecostais, que nas últimas décadas passaram por uma mudança drástica no perfil de seus membros. Em que pese o Pentecostalismo tenha crescido sobretudo entre as pessoas de menor renda e menor escolaridade nas década de 1960-2000, nas últimas décadas isso mudou. A ascensão social de muitos pentecostais, bem como crescimento do nível de escolaridade no país, permitiu que muitos pentecostais se interessassem pelo estudo teológico. A literatura reformada supriu essa necessidade, difundindo-se amplamente entre pentecostais.[30] A CPAD, entre 2000 e 2019, publicou diversos livros de autores calvinistas, de forma de a literatura reformada atingiu muitos membros de igrejas que não são calvinistas. Muitos membros arminianos das assembleias de Deus criticaram a postura da editora.[31]

Reação nas Assembleias de DeusEditar

Embora o calvinismo tenha crescido nas Assembleias de Deus, muitos líderes assembleianos expressaram preocupação com a perda da identidade denominacional que o calvinismo poderia gerar entre os jovens. Por outro lado, muitos pastores apoiam o Novo Calvinismo, pois consideram que o semi-pelagianismo, amplamente pregado em igrejas pentecostais, é que deve ser combatido tanto pelo calvinismo quanto pelo arminianismo.

Como resposta ao crescimento calvinista, líderes assembleianos buscaram difundir o Arminianismo. A Edição 68 da revista Obreiro Aprovado, da Casa Publicadora das Assembleias de Deus, com o título Em Defesa do Arminianismo foi publicada com este propósito. Tal publicação trouxe grande debate, porque a denominação, até aquele momento, não declarava em seus documentos de fé nem a posição calvinista e nem arminiana. Propagou-se então que as Assembleias de Deus deveriam possuir uma declaração de fé quanto ao assunto.[32][33][34] Contudo, muitos cristãos evangélicos ainda tem se declarado imparciais quanto ao debate, não se considerando nem como arminianos e nem como calvinistas buscando amenizar assim o conflito teológico entre as duas correntes protestantes em prol da unidade.[35]

Muitos pastores assembleianos criticaram amplamente a presença de calvinistas em eventos de sua denominação.[12]

Consequências do Novo Calvinismo no BrasilEditar

1) o surgimento do Pentecostalismo Reformado, uma orientação que buscam convergir as tradições pentecostal e reformada, representada sobretudo pela Igreja Cristã de Nova Vida[36];

2) o surgimento, em 2017, da Convenção Batista Reformada do Brasil, que busca reunir os batistas calvinistas[37];

3) o surgimento, em 2009, da Igreja Anglicana Reformada do Brasil, criada por calvinistas anglicanos [38];

4) o crescimento acelerado da Igreja Presbiteriana do Brasil entre 2004 e 2016, que, conforme estatísticas da denominação, cresceu mais de 37% entre os anos, enquanto a população brasileira cresceu 10,5% [39] e

5) a criação de uma Declaração de Fé pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil em 2017, que declara o arminianismo como doutrina oficial e combate o calvinismo[40].

Desenvolvimento na ChinaEditar

Na China o novo calvinismo emergiu de forma independente e sem influência do movimento estadunidense a partir da década de 1990. O movimento no continente asiático desenvolveu-se de forma completamente diferente do restante do mundo, sobretudo na China, em que foi provocado pela grande quantidade de pessoas com alta escolaridade que se converteram ao Protestantismo, como uma forma de combater os erros doutrinários divulgados por seitas no pais e construir uma igreja nacional ortodoxa.[41][42]

A enfase do calvinismo chinês é voltada a eclesiologia e o envolvimento do Cristianismo com o Estado e a sociedade. Um dos meios de difusão do calvinismo no país é a literatura e a tradução de obras de autores reformados. Diferente do novo calvinismo nas Américas, o movimento chinês, busca afastar-se completamente da influência carismática, tornando-se assim mais próximo de denominações como as igrejas presbiterianas, sobretudo pela influência das missões da Coreia do Sul, o país com o maior número de presbiterianos do mundo, no país. Além disso o perfil dos calvinistas chineses é mais escolarizado e mais jovem que os demais protestantes chineses. Embora esteja presente na igreja oficial chinesa Movimento Patriótico das Três Autonomias, os calvinistas têm se desenvolvido, sobretudo, nos movimentos de igrejas domésticas.[43][44]

Um dos reflexos da aproximação da República Popular da China com o capitalismo é a sua ampliação das liberdades individuais e liberdade religiosa. Desde então o interesse pelo calvinismo tem crescido no pais.[45]

Para a maioria dos estudiosos, o foco é sobre as implicações culturais e políticos dessa tendência, um foco apropriado, dado que grande parte desse crescimento recente tem sido impulsionado pelos intelectuais no interior da China que são atraídos para o potencial de transformação do modelo Kuyperiano (de Abraham Kuyper) de engajamento cultural para contemporânea a sociedade chinesa. Para um número menor de estudantes, o interesse pela teologia reformada reflete um interesse mais amplo em explorar o potencial das identidades confessionais reforçados para permitir a igreja na China para política, social e legalmente chegar a um acordo com a variedade teológica que é percebidos como na raiz de grande parte dos conflitos dirigida para e crescendo dentro da igreja chinesa hoje.[46]

CríticasEditar

Segundo Peter Master, o movimento não tem bons resultados, principalmente pelo fato de permitir uma maior flexibilidade confessional, e assim negligenciar uma vida consagrada. Além disso, as opiniões quanto ao quarto mandamento seriam controvérsias entre os participantes do movimento..[47]. A leitura da opinião de Master revela, todavia, que sua crítica é centrada quase que exclusivamente nos gêneros musicais utilizados pelos jovens adeptos do movimento. Tais estilos musicais, por serem modernos (a exemplo do hip-hop), seriam considerados "mundanos". O autor não chega, portanto, a apresentar informações ou dados acerca de um eventual impacto do novo calvinismo na vida cotidiana desses jovens, limitando-se a inferir um suposto "mundanismo" com base no uso de determinados gêneros musicais. O pano de fundo da crítica, na verdade, parece ser a defesa de uma aplicação extrema do chamado "Princípio Regulador do Culto" (Capítulo XXI da Confissão de Fé de Westminster [48]), com base no qual algumas igrejas calvinistas proíbem, inclusive, a utilização de quaisquer instrumentos musicais[49] Ressalte-se que a aplicação do mencionado princípio nesses termos foi rechaçado pela Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB).[50]

Outros líderes consideram que o movimento possa ser passageiro, e por isso seus reflexos não seriam notados continuamente na sociedade.[51]

Pelo fato dos principais líderes do movimento serem pastores batistas e não denominacionais, em geral são contra o batismo infantil e continuista no que se refere aos dons apostólicos.[52] Por isso alguns apontam, principalmente líderes de denominações historicamente calvinistas, que o movimento não seria realmente calvinista. Outros indicam a propagação do movimento é uma forma de sincretismo entre denominações cristãs e que prejudicaria a identidade denominacional e acarrete na superficialidade teológica.[53]

Referências

  1. «Seminário sobre denografia do calvinismo na Indonésia». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  2. «Seminário sobre demografia do calvinismo na Indonésia». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  3. «Reavivamento do Novo Calvinismo». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  4. «Cópia arquivada». Consultado em 13 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 13 de novembro de 2012 
  5. a b «Times: 10 Ideas Changing the World Right Now». Consultado em 15 de junho de 2015 
  6. a b c d e «Tede Mackenzie: Uma análise do chamado Novo Calvinismo, de seu relacionamento com o Calvinismo e de seu potencial para diálogo com a contemporaneidade» (PDF). Consultado em 15 de junho de 2015 [ligação inativa]
  7. a b «Pastor Claybom:O Novo Calvinismo». Consultado em 15 de junho de 2015 
  8. «"New Calvinism - The Merger of Calvinism with Worldliness"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  9. «"Christian faith: Calvinism is back"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  10. a b «Cristianity Today: Young, Restless, Reformed». Consultado em 15 de junho de 2015 
  11. «Huff Post: How Calvinism Is Dividing The Southern Baptist Convention». Consultado em 15 de junho de 2015 
  12. a b «pastor assembleiano Altair Germano critica a presença de pastores calvinistas em evento da Assembleia de Deus». Consultado em 6 de agosto de 2019 
  13. «pastores comentam cancelamento de evento no qual Augustus Nicodemus pregaria». Consultado em 6 de agosto de 2019 
  14. «encontro reuniu comunicadores cristãos para trocar experiências». Consultado em 10 de setembro de 2019 
  15. «Igreja Batista Redenção: O Novo Calvinismo». Consultado em 15 de junho de 2015 
  16. «"Gospel 10:Fernanda Brum gravou música calvinista?"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  17. «Top Music Gospel: Fernanda Brum Calvinista?». Consultado em 15 de junho de 2015. Arquivado do original em 22 de maio de 2015 
  18. «Baptist Link: Os Batistas Brasileiros são historicamente Calvinistas» (PDF). Consultado em 15 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 23 de setembro de 2015 
  19. «"Os Obreiros: Uma palavra aos jovens calvinistas que tem zombado de arminianos e pentecostais nas redes sociais. Por: Renato Vargens». Consultado em 15 de junho de 2015. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2014 
  20. «Maicon Custódio: O que é Novo Calvinismo?"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  21. «Christian Post, Entrevista: Autor de 'Eu quero uma Igreja – Nova Reforma Protestante' expõe suas frustações com a igreja evangélica». Consultado em 15 de junho de 2015 
  22. «Genizah. Onda Calvinista no Brasil». Consultado em 5 de outubro de 2015. Arquivado do original em 8 de outubro de 2015 
  23. «Minha Simples Vida: Teólogos debatem o Novo Calvinismo». Consultado em 15 de junho de 2015 
  24. Warren Nozaki (3 de novembro de 2010). «Ressurgimento da Teologia Reformada». Consultado em 11 de maio de 2019 
  25. «O silencioso crescimento da Igreja Presbiteriana do Brasil na região sul». Consultado em 15 de junho de 2015 
  26. «"Pulpito Cristão: Convulsão Calvinista"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  27. «Estatísticas da Igreja Presbiteriana do Brasil 2004-2016». Consultado em 6 de agosto de 2019 
  28. «Augustus Nicodemus fala sobre êxodo de pentecostais para igrejas reformadas». Consultado em 6 de agosto de 2019 
  29. «Augustus Nicodemos alerta para "êxodo petencostal" às igrejas reformadas». Consultado em 6 de agosto de 2019 
  30. «Ultimato. Os Pentecostais estão descobrindo o Calvinismo». Consultado em 5 de outubro de 2015 
  31. «Arminianismo.com. CPAD publica livros de autores calvinistas». Consultado em 5 de outubro de 2015 
  32. «"Teologia Pentecostal: A reação arminiana ao crescimento do Novo Calvinismo"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  33. «CPAD News. Pastor Silas Daniel sobre o artigo: Em Defesa do Arminianismo». Consultado em 5 de outubro de 2015 
  34. «Gutierre Fernandes: Calvinismo e Arminianismo nas Assembleias de Deus». Consultado em 5 de outubro de 2015. Arquivado do original em 6 de outubro de 2015 
  35. «CPAD News. Ciro Sanches Ziborti declara que não é 100% arminiano e nem 0% calvinismo». Consultado em 5 de outubro de 2015 
  36. «O Pentecostalismo Reformado». Consultado em 11 de maio de 2019 
  37. «Convenção Batista Reformada do Brasil». Consultado em 11 de maio de 2019 
  38. «Igreja Anglicana Reformada do Brasil». Consultado em 11 de maio de 2019 
  39. «Estatísticas da Igreja Presbiteriana do Brasil». Consultado em 11 de maio de 2019 
  40. «Declaração de Fé da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil» (PDF). Consultado em 11 de maio de 2019 
  41. «Teologia Calvinista na China Urbana Hoje». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  42. «Cristianismo chinês é mais do que Calvinista». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  43. «Perfil do Calvinismo Chinês». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  44. «Teologia Reformada e Igreja urbana da China». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  45. «Crescimento do interesse pelo Calvinismo na China» (PDF). Consultado em 27 de setembro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 29 de dezembro de 2009 
  46. «Calvinismo no chão da China». Consultado em 27 de setembro de 2016 
  47. «"Sola Scriptura: A fusão do Calvinismo com o Mundanismo"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  48. «Confissão de Fé de Westminster». www.monergismo.com. Consultado em 1 de novembro de 2016 
  49. http://www.iphr.org.br/2008/09/por-que-nossa-igreja-nao-tem-louvorzao-nem-instrumentos-solos-conjuntos-e-corais/
  50. «CE-SC/IPB - 2008 – Doc. CXCIII» (PDF) 
  51. «"Voltemos ao Evangelho:Evangélicos Encontram-se no Meio de um Avivamento Calvinista – Mark Oppenheimer (The New York Times)"». Consultado em 15 de junho de 2015 
  52. «Cópia arquivada». Consultado em 21 de maio de 2015. Arquivado do original em 4 de novembro de 2011 
  53. «"Monergismo: Novo Calvinismo ou é apenas no Calvinismo de que precisamos?"». Consultado em 15 de junho de 2015. Arquivado do original em 27 de junho de 2011