OTI 1972

O Festival da OTI 1972 (em castelhano: Festival OTI de la Canción 1972) foi o 1º Festival da OTI e teve lugar a 25 de novembro de 1972, em Madrid, Espanha, no Palácio dos Congressos e das Exposições. Os apresentadores foram Raúl Matas e Rosa María Mateo. Claudia Regina e Tobias, representando o Brasil, foram os grandes vencedores da primeira edição do certame iberoamericano, com a canção "Diálogo", composta pelo renomeado guitarrista de bossa nova Baden Powell.[1][2]

Festival OTI da Canção 1972
 Espanha
Edições
1° edição
Datas
Final 25 de novembro de 1972
Anfitrião
Local Palácio dos Congressos e das Exposições, Madrid
Apresentador(es) Chile Raúl Matas
Estado espanhol Rosa María Mateo
Estação anfitriã Logo de TVE (1960'-1991).svg Televisión Española
Atuações
Atuações de abertura Introdução pela orquestra presente na sala do espetáculo
Atuações nos intervalos Medley de canções de Augusto Algueró
Participantes
Número de entradas 13 países
Países estreantes Argentina Argentina
Brasil Brasil
Bolívia Bolivia
Chile Chile
Colômbia Colombia
República Dominicana República Dominicana
Espanha Espanha
Panamá Panamá
Peru Peru
Portugal Portugal
Porto Rico Porto Rico
Uruguai Uruguai
Venezuela Venezuela
Países de saída México México (desclassificado)
Mapa dos países participantes

     Países confirmados que já escolheram o seu artista e/ou canção     Países que não se classificaram para a final     Países que participaram no passado mas não em 1972

Votação
Sistema de
voto
Cada país teve um júri composto por 5 membros, onde cada membro votava numa única canção, sendo proibido votar no próprio país.
Vencedor(a)  Brasil
[[Claudia Regina e Tobias]]
"Diálogo"
Cronologia
         Wiki Eurovision Heart (Infobox).svg     Fleche-defaut-droite-gris-50.png  

O primeiro festival da OTI foi transmitido em 20 países da América, em Espanha e Portugal, sendo até aquele momento, o maior certame musical em termos de transmissão direta e de audiência possível. Foi composta especialmente para este festival um hino, tal como na Eurovisão existe o Te Deum de Charpentier; neste caso, existe a "Melodía iberoamericana" de Ernesto Halffter.

Nesta edição, que foi transmitida a cores em vários países membros da OTI, destacaram-se as participações do panamense Basilio, que anos mais tarde haveria de ter um êxito estrondoso com o tema "Cisne cuello negro"; o cantautor argentino Víctor Heredia, a peruana Betty Missiego, que apesar do último lugar alcançado nesta edição, veria a ter um grande carreira em Espanha, chegando inclusive a obter o segundo lugar no Festival Eurovisão da Canção 1979 com a canção "Su canción" representando a Espanha; a portuguesa Tonicha, que no ano anterior representara Portugal com a canção "Menina do alto da serra"; este ano representou o seu país com "Glória, glória, aleluia", da autoria de José Cid, que também viria a participar no Festival da OTI em 1979 e em 1981, e no Festival Eurovisão da Canção 1980; e a espanhola Marisol, que havia alcançado um enorme sucesso e popularidade pelas suas músicas no princípio dos anos 60.

O festival, apesar de ser a sua primeira edição, não ficou livre de polémicas, ao ser desclassificado o tema representante do México, "Yo no voy a la guerra", por ser considerada politicamente incorreta, atendendo ao entorno político da cidade do festival desse ano (a Espanha de Franco). Além disso, uma ação judicial de última hora foi apresentada pelo autor da canção representante de Espanha, Manuel Alejandro, vendo modificado seu arranjo musical pelo diretor orquestra oficial do Festival, Augusto Algueró; apesar disso, a ação não foi levada avante, interpretando Marisol o tema com arranjos musicais de Algueró. Brasil obteve o primeiro lugar com o tema "Diálogo" obra do destacado guitarrista de bossa nova Baden Powell, seguido do Panamá, em segundo, e em terceiro lugar a anfitriã Espanha.

HistóriaEditar

O Festival da OTI foi baseado no Festival Eurovisão da Canção e em seu antecessor o Festival da Canção Latina , que aconteceu na Cidade do México. Em 1969 e 1970, houve dois Festivais da Canção Latina, ambos no Teatro Ferrocarrilero da Cidade do México, vencidos, respetivamente, pelo Porto Rico e pelo Brasil. Durante as dez primeiras edições, entre 1972 e 1981, a votação era por via telefónica, mediante jurados em cada país, tal como na Eurovisão. A partir de 1982, um só jurado de sala avaliava as canções, o que originou diversas polémicas. Ao longo das suas edições, alcançou o máximo de 25 países participantes.

Em 2000, precisamente no sua última edição, o festival contou pela primeira vez com um país africano, a Guiné Equatorial. O objetivo seria abrir o festival, a partir dos anos seguintes, aos países africanos de língua portuguesa.

Espanha e México foram os países com maior número de vitórias, concretamente seis cada um. Argentina ganhou quatro vezes e o Brasil três vezes.

VotaçãoEditar

O sistema de votação do Festival da OTI 1972, estabelecia que cada país podia dar num máximo de 5 votos o pontos. Todos os países participantes votaram via via satélite, excepto a Bolívia e a República Dominicana que, por falta de infraestrutura adequada, divulgaram os seus votos através de jurados substitutos presente no Palácio dos Congressos e das Exposições.

LocalEditar

O Festival OTI 1972 ocorreu em Madrid, em Espanha. Madrid é a capital e a maior cidade em Espanha, tal como no município de Madrid e na Comunidade autónoma de Madrid. A cidade foi edificada nas margens do rio Manzanares, no centro do país. Devido à sua localização geográfica e histórica, é juntamente com Lisboa o centro financeiro e político da Península Ibérica.

No seguimento da restauração da democracia, em 1976, e a adesão à CEE, em 1985, a cidade de Madrid tem vindo a desempenhar um papel importante na economia europeia, tornando-se num dos principais focos financeiros do Sul da Europa. O gentílico da cidade de Madrid é madrilenho (madrileños).

O festival em si, ocorreu no Palácio dos Congressos e das Exposições. Possui uma área total de cerca de 40.000 metro quadrados e destina-se à realização de uma grande diversidade de eventos. Foi construído a partir de um concurso do Ministério da Informação e Turismo realizado em 1964. O edifício foi concluído em 1970 pelo arquiteto Pablo Pintado y Riba .[3].

Participações individuaisEditar

Logo na primeira edição, cada país escolheu o seu representante de forma diferente e especifica. Nos artigos da "caixa" em baixo, pode se ler mais sobre o estilo de selecção de cada país, e os concorrentes que concorreram nas selecções nacionais.

ParticipantesEditar

País Título original da Canção Artista Processo Data da Selecção
Tradução em Português Idiomas de Interpretação
  Argentina "Sabes que aquí estamos, América" Víctor Heredia Argentina no Festival da OTI 1972 -
Sabes que aqui estamos, América Castelhano
  Bolívia "No volveré a passar por allí" Arturo Quesada Bolívia no Festival da OTI 1972 -
Não voltarei a passar por ali Castelhano
  Brasil "Diálogo" Claudia Regina e Tobias Brasil no Festival da OTI 1972 -
Diálogo Português
  Chile "Una vez, otra vez" Guillermo Basterrechea Chile no Festival da OTI 1972 -
Uma vez, outra vez Castelhano
  Colômbia "Volverás a mis brazos" Christopher Colômbia no Festival da OTI 1972 -
Voltarás para os meus braços Castelhano
  Espanha "Niña" Marisol Espanha no Festival da OTI 1972 -
Menina Castelhano
  Panamá "Oh, Señor" Basilio Panamá no Festival da OTI 1972 -
Oh, Senhor Castelhano
  Peru "Recuerdos de un adiós" Betty Missiego Peru no Festival da OTI 1972 -
Recordações de um adeus Castelhano
  Porto Rico "Por ti" Chucho Avellanet Porto Rico no Festival da OTI 1972 -
Por ti Castelhano
  Portugal "Glória, glória, aleluia" Tonicha Portugal no Festival da OTI 1972 -
Glória, glória, aleluia Português
  República Dominicana "Siempre habrá en la luna una sonrisa" Fernando Casado República Dominicana no Festival da OTI 1972 -
Sempre haverá na lua um sorriso Castelhano
  Uruguai "Busco mi destino" Roña Uruguai no Festival da OTI 1972 -
Procuro o meu destino Castelhano
  Venezuela "Sueños de cristal" Mirla Castellanos Venezuela no Festival da OTI 1972 -
Sonhos de cristal Castelhano

FestivalEditar

A abertura da competição consistiu na música "Melodía iberoamericana", de Ernesto Halffter, tocada pela orquestra presente na sala, tendo a música intercalado com imagens de Madrid.

A orquestra, dirigida por Augusto Algueró, situava-se à direita do palco, com o quadro de votações à esquerda.

Os apresentadores foram Raúl Matas e Rosa María Mateo do festival, que falaram aos espetadores em castelhano e em português.

No intervalo, antes das votações, Augusto Algueró e a orquestra ligeira da Televisión Española tocaram um medley de canções do próprio.

# País Idioma Artista Canção Tradução para Português Posição Pontuação
  Bolívia Castelhano Arturo Quesada "No volveré a passar por allí" Não voltarei a passar por ali 3
  Chile Castelhano Guillermo Basterrechea "Una vez, otra vez" Uma vez, outra vez 4
  Porto Rico Castelhano Chucho Avellanet "Por ti" Por ti 6
  Espanha Castelhano Marisol "Niña" Menina 7
  Colômbia Castelhano Christopher "Volverás a mis brazos" Voltarás para os meus braços 3
  Peru Castelhano Betty Missiego "Recuerdos de un adiós" Recordações de um adeus 3
  Uruguai Castelhano Roña "Busco mi destino" Procuro o meu destino 3
  Argentina Castelhano Víctor Heredia "Sabes que aquí estamos, América" Sabes que aqui estamos, América 3
  Portugal Português Tonicha "Glória, glória, aleluia" Glória, glória, aleluia 5
10º   Venezuela Castelhano Mirla Castellanos "Sueños de cristal" Sonhos de cristal 6
11º   Brasil Português Claudia Regina e Tobias "Diálogo" Diálogo 10
12º   Panamá Castelhano Basilio "Oh, Señor" Oh, Senhor 8
13º   República Dominicana Castelhano Fernando Casado "Siempre habrá en la luna una sonrisa" Sempre haverá na lua um sorriso 4

ResultadosEditar

Cada país teve um júri composto por 5 membros, onde cada membro votava numa única canção, sendo proibido votar no próprio país:

Países Votantes Países Pontuados
                         
  Bolívia 1 1 1 2
  Chile 1 1 1 1 2
  Porto Rico 1 1 1 1
  Estado espanhol 1 1 1 1 1
  Colômbia 1 2 1 1
  Peru 1 1 1 1 1
  Uruguai 1 1 1 1 1
  Argentina 1 4
  Portugal 2 1 1 1
  Venezuela 5
  Brasil 1 1 2 1
  Panamá 1 1 1 1 1
  República Dominicana 1 2 2
Lugar 3 4 6 7 3 3 3 3 5 6 10 8 4
Total
Países Votantes                          
Países Pontuados
Resultados acumulados
Países Votantes Países Pontuados
                         
  Bolívia 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 2
  Chile 0 0 0 1 1 1 1 0 0 1 1 3 2
  Porto Rico 0 0 0 2 2 1 2 0 1 1 1 3 3
  Estado espanhol 0 0 1 2 3 1 2 1 1 1 2 3 3
  Colômbia 1 0 3 3 3 1 2 1 1 2 2 3 3
  Peru 2 0 4 3 3 1 2 2 2 2 3 3 3
  Uruguai 2 0 4 4 3 1 2 3 2 3 4 4 3
  Argentina 2 0 4 5 3 1 2 3 2 3 4 8 3
  Portugal 2 2 4 6 3 2 2 3 2 3 5 8 3
  Venezuela 2 2 4 6 3 2 2 3 2 3 10 8 3
  Brasil 2 3 4 6 3 3 2 3 4 4 10 8 3
  Panamá 2 4 4 7 3 3 3 3 5 4 10 8 4
  República Dominicana 3 4 6 7 3 3 3 3 5 6 10 8 4
Total
Países Votantes                          
Países Pontuados

MaestrosEditar

Em baixo encontra-se a lista de maestros que conduziram a orquestra, na respectiva actuação de cada país concorrente. Os maestros estão organizados pela ordem de apresentação das músicas de cada país.

País Maestro
  Bolívia Eddy Guerin
  Chile Eddy Guerin
  Porto Rico Pedro Rivera Toledo
  Espanha Augusto Algueró
  Colômbia Armando Velázquez
  Peru Román Alis
  Uruguai Augusto Algueró
  Argentina Augusto Algueró
  Portugal Augusto Algueró
  Venezuela Eduardo Cabrera
  Brasil Carlos Monteiro de Souza
  Panamá Augusto Algueró
  República Dominicana Augusto Algueró

Referências

Ligações externasEditar