O Cardeal

filme de 1963 dirigido por Otto Preminger

The Cardinal (no Brasil[1] e em Portugal[2], O Cardeal) é um filme estadunidense de 1963, do gênero drama, com produção independente e dirigido por Otto Preminger para a distribuição da Columbia Pictures. O roteiro é uma adaptação do romance homônimo de Henry Morton Robinson de 1950.

O Cardeal
The Cardinal
 Estados Unidos
1963 •  cor (technicolor) •  175 min 
Direção Otto Preminger
Produção Martin C. Schute
Roteiro Robert Dozier
Elenco Tom Tryon
Romy Schneider
Carol Lynley
Jill Haworth
Gênero drama
Música Jerome Moross
Idioma inglês

O romance de Robinson foi baseado na vida de Cardeal Francis Spellman, que fora Arcebispo de Nova Iorque. O oficial de ligação com o Vaticano foi Joseph Ratzinger,[3] que se tornaria mais tarde o Papa Benedito XVI. A história toca em vários temas sociais tais como casamento inter-religioso, sexo fora do casamento, aborto, racismo, crescimento do fascismo e guerra.

As locações foram em Boston, Bridgeport (Connecticut), Roma e Viena. O filme foi a última aparição de Dorothy Gish bem como a última produção em maior escala de Maggie McNamara.

ElencoEditar

SinopseEditar

O recém-ordenado padre católico norte-americano de descendência irlandesa Stephen Fermoyle retorna ao seu lar em Boston em 1917. Sua família está orgulhosa dele mas enfrenta um problema quando a irmã Mona começa a namorar um jovem judeu, Benny Rampell. As famílias não aceitam o casamento inter-religioso e Stephen aconselha a irmã a desistir. Mona foge da família e a situação acaba em tragédia, fazendo com que Stephen pense em desistir do sacerdócio. O arcebispo Glennon que a princípio não gostava dele tenta convencê-lo a continuar e ocupar um cargo no Vaticano. Stephen recebe uma licença para que reflita sobre sua verdadeira vocação e vai para Viena lecionar, quando acaba se apaixonando por uma de suas alunas, a jovem Annemarie, que lhe retribui o sentimento. Ao final do período de afastamento, Stephen resolve continuar como sacerdote para decepção de Annemarie. Continuando em seu caminho, enfrentará o racismo na Geórgia, sofrido pelo padre Gillis, e o crescimento do nazismo na Europa [4], voltando a se encontrar com Annemarie em Viena quando Hitler patrocina um plebiscito para anexar a Áustria a Alemanha.

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Oscar 1964 (EUA)

Globo de Ouro 1964 (EUA)

  • Venceu na categoria de melhor filme - drama e melhor ator coadjuvante (John Huston).

Referências

Ligações externasEditar