Abrir menu principal

Wikipédia β

O Povo da Liberdade

O Povo da Liberdade (PdL; em italiano: Il Popolo della Libertà) foi um partido político italiano de centro-direita. Foi dissolvido no fim de 2013 e seus membros distribuíram-se no grupo de Força Itália e do neopartido Novo Centro-direita.

O Povo da Liberdade
Il Popolo della Libertà
Líder Dennis Verdini (2009-2013)
Sandro Bondi
(2009-2013)
Ignazio La Russa (2009-2012)
Presidente Silvio Berlusconi (2009-2013)
Secretário Angelino Alfano (2011-2013)
Porta-voz Daniele Capezzone (2009-2013)
Fundação 27 de março de 2009
Dissolução 16 de novembro de 2013
Sede Roma,  Itália
Ideologia Liberalismo
Conservadorismo
Democracia cristã
Espectro político Centro-direita
Antecessor Força Itália
Aliança Nacional[1]
Sucessor Força Itália
Afiliação europeia Partido Popular Europeu
Grupo no Parlamento Europeu Partido Popular Europeu
Cores
  Azul
Silvio Berlusconi, presidente do Povo da Liberdade.

Nasceu da união dos dois principais partidos de centro-direita italianos, ativos nos anos 1990: Forza Italia, de tendência liberal-conservadora, e Aliança Nacional, partido pós-fascista transformando-se em uma força conservadora de âmbito europeu. A estes se juntaram diversos partidos menores de diferentes extrações, muitos dos quais fizeram parte da Casa delle Libertà a partir de 2001. Em geral, os membros do PdL provêm principalmente de três partidos da Primeira República: a Democracia Cristã, o Movimento Social Italiano e o Partido Socialista Italiano.

Lançado durante um comício por Silvio Berlusconi wm 18 de novembro de 2007 em Milão na Piazza San Babila, o PdL constituiu-se como uma federação de partidos políticos em 27 de fevereiro de 2008 e realizou seu congresso constitutivo em março de 2009. No âmbito europeu, o partido faz parte do Partido Popular Europeu, que reúne democratas cristãos mas que recentemente se abriu a forças mais laicas e liberais e outras mais conservadoras.

Nas eleições italianas de 2008, o PdL tornou-se a principal formação política italiana em número de sufrágios (37,4% dos votos) firmando uma aliança com a Liga Norte, no centro-norte do país, e com o Movimento pelas Autonomias, no sul, com os quais formou o quarto governo Berlusconi.

Ligações externasEditar