Abrir menu principal
O Sheik de Ipanema
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 minutos aprox.
Criador(es) Sérgio Jockyman
País de origem Brasil Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Luís Gallon
Elenco Luiz Gustavo
Ana Rosa
John Herbert
Newton Prado
Laerte Morrone
(ver mais)
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Tupi
Transmissão original 16 de abril de 1975 - 9 de agosto de 1975
N.º de episódios 99
Cronologia
O Machão
Vila do Arco

O Sheik de Ipanema foi uma telenovela brasileira que foi produzida e exibida pela extinta Rede Tupi, de 16 de abril a 9 de agosto de 1975, às 20h30[1].

Foi escrita por Sérgio Jockyman e dirigida por Luís Gallon.

SinopseEditar

A vida estava muito dura para os amigos Carlos Alberto e Dino, que tinham um bom plano na cabeça para salvar a companhia de teatro, mas precisavam de muito dinheiro. Aí, deu camelo no jogo do bicho e a sorte mudou totalmente. É quando Carlos Alberto incorpora o Sheik de Ipanema e começa a badalação na caçada internacional aos petrodólares. Ele topa se passar por sheik mas, com o passar do tempo e as possibilidades de dinheiro fácil, os bons sentimentos dele já não são mais os mesmos. Isso revolta Dino. O deslumbrado sheik também não conservará seu amor por Gigi, uma bondosa vedete de teatro rebolado.

A história apresenta outros tipos curiosos. Rocão, um bicheiro com tendência ao gangsterismo, sentimental e meio patético nas atitudes. Dodô, um aristrocata arruinado cuja mulher, a pantera Leonor, o usa como pode para que se infiltrarem nas altas rodas. Bobby, um ex-galã de cinema que está querendo construir um super-hotel rotativo na restinga de Marambaia. E outros.

ElencoEditar

CuriosidadesEditar

 
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Lançada com o slogan "uma novela das Arábias", a intenção da Tupi era prosseguir com o sucesso de O Machão, novela que a precedeu. Para isso utilizou as formas e a produziu com quase a mesma equipe. Mas o resultado não foi satisfatório, e sua vida foi encurtada.
  • O ator Luiz Gustavo, que interpretou o protagonista da novela, continuava a lembrar o Beto Rockfeller, e nada acrescentou.
  • Destaque para a atuação de Laerte Morrone, que interpretou o bicheiro Rocão, salvando a novela de um desastre total.
  • O diretor Henrique Martins e o ator Edgard Franco participaram dos dois últimos capítulos como eles mesmos, quando Sheik, de Luiz Gustavo, vai à TV Tupi procurar emprego.
  • Um desenho animado de um camelo finalizava cada capítulo da novela com uma frase engraçada.
  • A canção "The Old Fun City", de autoria do compositor norte-americano Burt Bacharach, fazia o "Tema de Abertura" da novela.

Referências

  1. «O Sheik de Ipanema». Teledramaturgia. Consultado em 23 de abril de 2016 

Ligações externasEditar