Obelisco Negro

obelisco feito de calcário do rei assírio Salmanaser III

Obelisco Negro de Salmanaser III é um artefato assírio que o arqueólogo Henry Layard encontrou, na antiga cidade de Nínive, o assim chamado um dos mais antigos artefatos arqueológicos a se referir a um personagem bíblico: Jeú (r. 842–814 a.C.) de Israel.[1] Data de 841 a.C. e se encontra atualmente no Museu Britânico de Londres.[2][3]

Obelisco Negro de Salmanaser III
Obelisco Negro de Salmanaser III no Museu Britânico.
Material Calcário
Criado (a) c. 841 a.C.
Descoberto (a) Ninrude
Exposto (a) atualmente Museu Britânico

Sobre o obeliscoEditar

 
Delegação judaica a Salmanaser III no Obelisco Negro criada em c. 840 a.C..
 
Obelisco Negro desenhado em quatro faces.

No obelisco negro mostra Jeú ajoelhado perante a Salmanaser III (r. 858–824 a.C.) da Assíria, tendo atrás de si os serviçais com as dádivas e por cima, em cuneiforme, que dizia:

"mJa-ú-a mar mHu-um-ri-i" ("Jeú, filho de Onri").

Pelo que se parece, os assírios não sabiam e não consideraram importante a mudança de trono ocorrida em Israel. Então, eles o chamava de "filho de Onri" como se nada houvesse acontecido.[4]

Além disso, o rei israelita ofereceu ao rei assírio prata, ouro, caneca de ouro, taças de ouro, vasilhas de ouro, chumbo, proteção para a mão do rei e dardos. O motivo foi quando Salmanaser decidiu fazer uma visita ao ocidente, permitindo que Hazael (r. 843/842–796 a.C.) de Arã-Damasco saísse um pouco do controle, mas logo foi subjugado. Então, os reis de Israel, Tiro e Sidom acharam por bem pagar o tributo ao rei da Assíria.[5]

Ver tambémEditar

Referências

BibliografiaEditar

  • Donner, Herbert (1997). História de Israel e dos povos vizinhos. 2. São Leopoldo: Sinodal. ISBN 978-8562865244 
  • Thompson, John A. (2007). A Bíblia e a Arqueologia. [S.l.]: Arte Editorial. ISBN 978-8598172125 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.