Abrir menu principal

Objetivismo (Ayn Rand)

filosofia desenvolvida por Ayn Rand
Disambig grey.svg Nota: Filosofia objetivista redireciona para este artigo. Para Objetividade em filosofia, veja Objetividade (filosofia).

Objetivismo (AO 1945: Objectivismo) é a filosofia identificada pela autora e filósofa russa-americana Ayn Rand. Rand originalmente expressou suas ideias filosóficas em romances Quem é John Galt? (conhecido também por "A Revolta de Atlas"), A Nascente e livros de não-ficção como Capitalismo: O Ideal Desconhecido, A Virtude do Egoísmo, entre outros.[1] Leonard Peikoff, um filósofo profissional e herdeiro intelectual designado da Rand,[2][3] mais tarde, deu-lhe uma estrutura mais formal. Rand descreveu o objetivismo como "o conceito do homem como um ser heroico, com sua própria felicidade como o propósito moral de sua vida, com a realização produtiva como sua atividade mais nobre e a razão como seu único absoluto".[4] Peikoff caracteriza o objetivismo como um "sistema fechado" que não está sujeito a mudanças.[5]

O Objetivismo afirma que a realidade existe independentemente da consciência, que o ser humano tem contato direto com a realidade através dos sentidos, que pode ter conhecimento objetivo pelo processo de formação de conceitos, da lógica dedutiva e indutiva, que o objetivo moral da vida humana é atingir a própria felicidade ou interesse racional, que o único sistema social consistente com esta moralidade é um que respeite os direitos do seres humanos à vida, liberdade, propriedade e busca à felicidade, ou seja, capitalismo laissez-faire, e que a função da arte é transformar as ideias metafísicas mais abstratas, reproduzindo seletivamente a realidade, em forma física.

Os filósofos acadêmicos ignoraram ou rejeitaram a filosofia de Rand.[6] Não obstante, o objetivismo tem sido uma influência significativa entre libertários e conservadores americanos,[7] no Brasil há também uma grande influência no libertarismo e liberais clássicos. O movimento Objetivista (Objectivist movement), fundado por Rand, tenta difundir suas ideias para o público e em ambientes acadêmicos.[8]

Índice

FilosofiaEditar

Rand originalmente expressou suas ideias filosóficas em seus romances, mais notavelmente, A Nascente e A Revolta de Atlas. Ela os elaborou em seus periódicos The Objectivist Newsletter (O Boletim Informativo Objetivista), The Objectivist (O Objetivista) e The Ayn Rand Letter (A Carta de Ayn Rand), e em livros de não-ficção, como Introduction to Objectivist Epistemology (Introdução à Epistemologia Objetivista) e a The Virtue of Selfishness (A Virtude do Egoísmo).[9]

O nome Objetivismo vem do princípio de que o conhecimento e valores humanos são objetivos: eles não são criados pelos pensamentos que alguém tem, mas determinados pela natureza da realidade, para serem descobertos pelo ser humano.[10] Rand disse que escolheu este nome porque o termo preferido para uma filosofia baseado na primazia da existênciaexistencialismo—já havia sido usado.[11]

Rand caracterizou o Objetivismo como "uma filosofia para viver na terra", fundamentada na realidade, e destinada a definir a natureza humana e a natureza do mundo em que vivemos.[9]

Minha filosofia, em essência, é o conceito do homem como um ser heroico, com sua própria felicidade como o propósito moral de sua vida, com a realização produtiva como sua atividade mais nobre e a razão como seu único absoluto.
Ayn Rand, A Revolta de Atlas[12]

Metafísica: realidade objetivaEditar

A realidade existe independentemente da observação do ser humano, dos sentimentos, desejos, esperanças ou medos.

  • A existência existe e é primária.
  • A consciência humana é consciente da realidade.
  • A é A - o que é, é - identidade.
  • Toda entidade obedece a Lei da Causalidade: causa e efeito.

Epistemologia: razãoEditar

A razão é o único meio para perceber a realidade, a única fonte de conhecimento, o único guia de ação e o meio básico de sobrevivência.

  • Como todo conhecimento é baseado nos sentidos, eles são axiomáticos.
  • Conceitos são formados omitindo medidas.
  • Lógica: a arte de não-contradição.
  • Indução: o processo mental de partir de fatos particulares e generalizá-los para formar novas ideias.
  • Dedução: o processo mental de formar conclusões a partir de premissas; do abstrato ao concreto (particular).

Ética: interesse próprioEditar

O ser humano, cada um, é um fim em si mesmo e não um meio para o fim de outros humanos. Deve existir em função de seus próprios propósitos, não se sacrificando por outros nem sacrificando outros por ele.

  • A primeira escolha de todo ser é a existência ou a não-existência e, por isto, a vida do ser humano é o seu padrão moral de vida. Sem ela, nenhum outro valor é possível.
  • A racionalidade é a maior virtude; todas as outras derivam dela.
  • Outras virtudes: produtividade, justiça, orgulho, independência, integridade, honestidade.

São sete virtudes no total.

Política: direitos individuais e capitalismoEditar

A defesa da liberdade individual da Rand integra elementos de toda a sua filosofia.[13] Uma vez que a razão é o meio do conhecimento humano, é, portanto, o meio mais fundamental de sobrevivência de cada pessoa e é necessário para a obtenção de valores.[14] O uso ou ameaça de força neutraliza o efeito prático da razão de um indivíduo, seja a força originada do Estado ou de um criminoso. Segundo Rand, "a mente do homem não funcionará na mira de uma arma".[15] Portanto, o único tipo de comportamento humano organizado consistente com a operação da razão é o da cooperação voluntária. Persuasão é o método da razão. Por sua natureza, a notoriedade irracional não pode confiar no uso da persuasão e deve, em última análise, recorrer à força para prevalecer.[16] Assim, Rand via a razão e a liberdade como correlatas, assim como via o misticismo e a força como corolários.[17] Com base nessa compreensão do papel da razão, os Objetivistas sustentam que o início da força física contra a vontade de outro é imoral,[18] como as iniciações indiretas da força através de ameaças,[19] fraude,[20] ou quebra de contrato.[21] O uso de força defensiva ou de retaliação, por outro lado, é apropriado.[22]

A liberdade, num sistema político onde os homens se tratam como negociantes livres, em trocas voluntárias, com mútuo benefício e nunca como vítimas e executores, senhores e escravos. Essa visão política é considerada precursora do Libertarismo.[23]

  • Cada pessoa sobrevive baseado na sua habilidade de exercitar e usar a razão. Para que isto seja possível, é preciso banir a iniciação de violência.
  • O governo precisa proteger os direitos do indivíduo à sua vida, liberdade, propriedade e a busca da felicidade.
  • Órgãos de um governo próprio: polícia, exército e cortes de leis.
  • O governo tem de estar separado da: economia, religião, educação e ciência.
  • Como um governo próprio financia suas atividades? Com, e somente com, doações voluntárias de seus cidadãos.

Estética: juízos de valores metafísicosEditar

A teoria objetivista da arte flui de sua epistemologia, por meio da "psico-epistemologia" (termo da Rand para o modo característico de funcionamento de um indivíduo na aquisição de conhecimento). A arte, de acordo com o objetivismo, atende a uma necessidade cognitiva humana: permite aos seres humanos apreender conceitos como se fossem percepções. O objetivismo define "arte" como uma "recriação seletiva da realidade de acordo com os juízos de valores metafísicos de um artista"—isto é, de acordo com o que o artista acredita ser, em última análise, verdadeiro e importante sobre a natureza da realidade e da humanidade. Nesse aspecto, o Objetivismo considera a arte como uma forma de apresentar concretamente abstrações, na forma perceptiva.[24]

Impacto intelectualEditar

 
Citação de Ayn Rand no The American Adventure, no Epcot do Walt Disney World. A placa diz: "Através dos séculos existiram homens que deram os primeiros passos, por novas estradas, armados com nada além de sua própria visão."

De acordo com um biógrafo da Rand, a maioria das pessoas primeiro leu as obras da Rand em seus "anos de formação".[25] O ex-pupilo da Rand, Nathaniel Branden, se referiu ao "apelo especialmente poderoso da Rand aos jovens".[26] Enquanto Onkar Ghate, do Instituto Ayn ​​Rand, disse que Rand "apela ao idealismo da juventude".[27] Este apelo tem alarmado uma série de críticos da filosofia.[28] Muitos desses jovens mais tarde abandonam sua visão positiva da Rand e dizem que "superaram" suas ideias.[29] Os defensores do trabalho da Rand reconhecem o fenômeno, mas atribuem isso à perda do idealismo juvenil e à incapacidade de resistir às pressões sociais para a conformidade intelectual.[27][29] Em contraste, a historiadora Jennifer Burns, escrevendo em Goddess of the Market (Deusa do Mercado) (2009), diz que alguns críticos "rejeitam Rand como uma pensadora superficial apelando apenas aos adolescentes", embora ela ache que os críticos "sentem falta de seu significado" como uma "droga de entrada" para políticas de direita.[30]

Os filósofos acadêmicos geralmente rejeitaram o objetivismo desde que Rand o apresentou pela primeira vez.[6] O objetivismo tem sido chamado de "ferozmente antiacadêmico" por causa da crítica da Rand aos intelectuais contemporâneos.[3] David Sidorsky, professor de filosofia moral e política da Universidade de Columbia, diz que o trabalho da Rand está "fora do mainstream" e é mais um movimento ideológico do que uma filosofia bem fundamentada.[31] O filósofo britânico Ted Honderich observa que ele excluiu deliberadamente um artigo sobre Rand de The Oxford Companion to Philosophy (Rand é, no entanto, mencionado no artigo sobre filosofia popular de Anthony Quinton).[32] Rand é o assunto de entradas na Stanford Encyclopedia of Philosophy,[1] The Dictionary of Modern American Philosophers,[33] a Internet Encyclopedia of Philosophy,[34] The Routledge Dictionary of Twentieth-Century Political Thinkers ,[35] e The Penguin Dictionary of Philosophy.[36] Uma listagem da Rand também aparece na Routledge Encyclopedia of Philosophy (Enciclopédia Routledge de Filosofia), apresentando a avaliação, "A influência das ideias da Rand foi mais forte entre os estudantes universitários nos EUA, mas atraiu pouca atenção dos filósofos acadêmicos. Sua defesa franca do capitalismo em obras como Capitalismo: O Ideal Desconhecido (1967), e sua caracterização de sua posição como uma defesa da "virtude do egoísmo" em sua coleção de ensaios do mesmo título publicada em 1964, também trouxe notoriedade, mas manteve-a fora do mainstream intelectual".[37]

Nas últimas décadas, os trabalhos da Rand são mais prováveis ​​de serem encontrados em sala de aula.[3] A Ayn Rand Society (Sociedade Ayn Rand), dedicada a fomentar o estudo acadêmico do Objetivismo, é afiliada à Divisão Leste da Associação Filosófica Americana.[38] O estudioso de Aristóteles e Objetivista Allan Gotthelf, presidente da Sociedade, e seus colegas defenderam um estudo mais acadêmico do Objetivismo, considerando a filosofia como uma defesa única e intelectualmente interessante do liberalismo clássico que vale a pena debater.[39] Em 1999, um referenciado Journal of Ayn Rand Studies (Jornal de Estudos da Ayn Rand) começou.[40] Em 2006, a Universidade de Pittsburgh realizou uma conferência com foco no Objetivismo.[41] Programas e bolsas para o estudo do Objetivismo foram apoiados na Universidade de Pittsburgh, Universidade do Texas em Austin e Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.[42]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Badhwar & Long 2012
  2. Contemporary Authors Online, s.v. "Leonard Peikoff".
  3. a b c McLemee, Scott (Setembro de 1999). «The Heirs Of Ayn Rand: Has Objectivism Gone Subjective?». Lingua Franca. 9 (6). pp. 45–55 
  4. "About the Author" in Rand 1992, pp. 1170–71
  5. Peikoff, Leonard (18 de maio de 1989). «Fact and Value». The Intellectual Activist. 5 (1) 
  6. a b Sciabarra 2013, p. 1; Badhwar & Long 2012; Gotthelf 2000, p. 1; Machan 2000, p. 9; Gladstein 1999, p. 2; Heyl 1995, p. 223; Den Uyl & Rasmussen 1984, p. 36
  7. Burns 2009, p. 4; Gladstein 2009, pp. 107–08, 124
  8. Sciabarra 1995, pp. 1–2
  9. a b Rubin, Harriet (15 de setembro de 2007). «Ayn Rand's Literature of Capitalism». The New York Times. Consultado em 18 de setembro de 2007. 
  10. Rand 1967, p. 23
  11. Peikoff 1991, p. 36
  12. "About the Author" in Rand 1992, pp. 1170–71
  13. Peikoff 1991, p. 354; Sciabarra 1995, p. 274
  14. Bernstein 2009, pp. 25–31
  15. Rand 1967, p. 141
  16. Peikoff 1991, pp. 310–13
  17. Rand 1982, p. 66
  18. Rand 1964, p. 36; Peikoff 1991, p. 310; Smith 1997, pp. 143–47
  19. Smith 1997, pp. 150–55
  20. Peikoff 1991, pp. 319
  21. Rand 1964, pp. 129–30
  22. Rand 1964, p. 126; Peikoff 1991, p. 320
  23. «Objetivismo - Portal Libertarianismo». Portal Libertarianismo 
  24. Peikoff 1991, p. 417
  25. Heller, Anne C. (2009). Ayn Rand and the World She Made. New York: Doubleday. p. xii. ISBN 978-0-385-51399-9 
  26. Branden, Nathaniel (outono de 1984). «The Benefits and Hazards of the Philosophy of Ayn Rand: A Personal Statement». Journal of Humanistic Psychology. 24 (4): 29–64. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 
  27. a b Ghate, Onkar (2 de fevereiro de 2008). «The Appeal of Ayn Rand». Capitalism Magazine. Consultado em 22 de abril de 2014. 
  28. Gladstein 1999, p. 111
  29. a b Doherty, Brian (2007). Radicals for Capitalism: A Freewheeling History of the Modern American Libertarian Movement. New York: Public Affairs. p. 544. ISBN 1-58648-350-1 
  30. Burns 2009, p. 4
  31. Harvey, Benjamin (15 de maio de 2005). «Ayn Rand at 100: An 'ism' struts its stuff». Rutland Herald. Consultado em 20 de julho de 2007. 
  32. Honderich 2005, pp. x, 740
  33. Salmieri & Gotthelf 2005
  34. Hicks 2005
  35. Stevens 1998
  36. Mautner, Thomas. The Penguin Dictionary of Philosophy. Penguin Books, 2000, p. 469.
  37. Kukathas 1998
  38. Sciabarra 1995, p. 386n.7
  39. Uyl (1998). «On Rand as Philosopher» (PDF). Reason Papers. 23: 70–71 
  40. Sharlet, Jeff (9 de abril de 1999). «Ayn Rand has finally caught the attention of scholars: New books and research projects involve philosophy, political theory, literary criticism, and feminism». The Chronicle of Higher Education. 45 (31): 17–18 
  41. «Concepts and Objectivity: Knowledge, Science, and Values» (PDF) 
  42. Gladstein 2009, pp. 116–17; Burns 2009, p. 297

Trabalhos citadosEditar

Leitura adicionalEditar

Ligações externasEditar