Objeto do céu profundo

Um objeto do céu profundo (OCP) é qualquer objeto astronômico que não seja uma estrela individual ou objeto do Sistema Solar (como Sol, Lua, planeta, cometa, etc.).[1][2] A classificação é usada na maior parte por astrônomos amadores para denotar visualmente observados a olho nu e objetos telescópicos, como aglomerados de estrelas, nebulosas e galáxias. Esta distinção é prática e técnica, implicando uma variedade de instrumentos e técnicas adequadas à observação, e não distingue a natureza do objeto em si.

Várias nebulosas na constelação de Órion comumente chamadas de objetos do céu profundo

Origens e classificaçãoEditar

A classificação de objetos astronômicos não estelares começou logo após a invenção do telescópio.[3] Uma das primeiras listas abrangentes foi o catálogo Messier de 1774 de Charles Messier, que incluía 103 "nebulosas" e outros objetos difusos e tênues que ele considerava um incômodo, pois podiam ser confundidos com cometas, os objetos que ele estava realmente procurando.[3] À medida que os telescópios melhoravam, essas nebulosas fracas seriam divididas em classificações científicas mais descritivas, como nuvens interestelares, aglomerados de estrelas e galáxias.

"Objeto de céu profundo", como classificação astronômica para esses objetos, tem suas origens no campo moderno da astronomia amadora. A origem do termo é desconhecida, mas foi popularizado pela coluna "Deep-Sky Wonders" da revista Sky & Telescope magazine's "Deep-Sky Wonders", que estreou em sua primeira edição em 1941.[4] As colunas de Houston, e posteriores compilações de livros dessas colunas, ajudaram a popularizar o termo,[5] cada mês dando ao leitor uma visita guiada a uma pequena parte do céu destacando objetos conhecidos e menos conhecidos para binóculos e pequenos telescópios.

Referências

  1. Fred Schaaf (1998). 40 Nights to Knowing the Sky: A Night-by-Night Sky-Watching Primer. [S.l.]: Henry Holt and Company. p. 113. ISBN 978-0-8050-4668-7 
  2. Ian Ridpath (2001). The Illustrated Encyclopedia of the Universe. [S.l.]: Watson-Guptill Publications. p. 273. ISBN 978-0-8230-2512-1 
  3. a b Edward W. Kolb; Rocky Kolb (1999). Blind Watchers of the Sky: The People and Ideas that Shaped Our View of the Universe. [S.l.]: Oxford University Press. p. 174. ISBN 978-0-19-286203-7 
  4. Charles Anthony Federer (1942). Sky and Telescope. [S.l.]: Sky Publishing Corporation 
  5. Fred Schaaf (1998). 40 Nights to Knowing the Sky: A Night-by-Night Sky-Watching Primer. [S.l.]: Henry Holt and Company. p. 13. ISBN 978-0-8050-4668-7 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar