Oclusiva glotal

A oclusiva glotal (também conhecida como plosiva glotal surda) é um tipo de som consonantal utilizado em diversos idiomas. No português o fonema não está presente; no inglês ele é representado pelo hífen na expressão coloquial uh-oh!, pelo apóstrofo ou ʻokina em Hawaiʻi (na pronúncia autêntica do nome) e pela letra T, como, por exemplo, nas palavras button e bitten. Em outras variantes regionais da língua inglesa, o som da letra T, normalmente no meio das palavras, é completamente substituído por esse fonema.

Oclusiva glotal
ʔ
IPA 113
Codificação
Entidade (decimal) ʔ
Unicode (hex) U+0294
X-SAMPA ?
Kirshenbaum ?
Som

O símbolo que representa este som no alfabeto fonético internacional é ʔ. É chamado de oclusiva glotal porque o termo técnico para o espaço entre as dobras vocais, que são fechadas durante a produção deste som, é chamada de glote.

Como pronunciarEditar

  1. Umas das formas de pronunciar esse fonema é pela frase em inglês (o som só é pronunciado no inglês britânico) "A little bottle of water" em que alguns dialetos da Inglaterra o ''t'' não é pronunciado, e no lugar dele a oclusiva glotal é pronunciada.[1]
  2. Outra forma é repetir ''oh-oh'', no segundo ''oh'' a oclusiva glotal deve ser pronunciada.[1]

O último método pode ser usado com qualquer outra vogal.

CaracterísticasEditar

  • Sua forma de articulação é oclusiva, ou seja, produzida pela obstrução do fluxo de ar no trato vocal.
  • Como a consoante também é oral, sem saída nasal, o fluxo de ar é totalmente bloqueado e a consoante é uma plosiva.
  • Seu local de articulação é glótico, o que significa que é articulado nas e pelas cordas vocais (pregas vocais).
  • Não tem fonação, pois não há fluxo de ar pela glote.[2]
  • Não tem voz, no entanto, no sentido de que é produzido sem vibração das cordas vocais.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • Como o som não é produzido com fluxo de ar sobre a língua, a dicotomia centro-lateral não se aplica.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

EscritaEditar

Na romanização tradicional de muitas línguas, como o árabe, a parada glótica é transcrita com um apóstrofo, ⟨ʼ⟩, que é a fonte do caractere IPA ⟨ʔ⟩. Em muitas línguas polinésias que usam o alfabeto latino, no entanto, a parada glótica é escrita com um apóstrofo invertido, ⟨ʻ⟩ (chamado 'okina em havaiano e samoano), que é comumente usado para transcrever o ayin árabe também (também ⟨ʽ⟩) E é a fonte do caráter IPA para a fricativa faríngea sonora ⟨ʕ⟩. Em malaio, a parada glótica é representada pela letra ⟨k⟩, em võro e em maltês por ⟨q⟩.

Outras escritas também têm letras usadas para representar a parada glótica, como a letra hebraica aleph ⟨א⟩ e a letra cirílica palochka ⟨Ӏ⟩, usadas em várias línguas caucasianas. Os alfabetos latinos modernos para várias línguas indígenas do Cáucaso usam a letra heng ('Ꜧ ꜧ'). Na Tundra Nenets, é representado pelas letras apóstrofo ⟨ʼ⟩ e apóstrofo duplo ⟨ˮ⟩. Em japonês, as paradas glóticas ocorrem no final de interjeições de surpresa ou raiva e são representadas pelo personagem ⟨っ⟩.

Na representação gráfica da maioria das línguas filipinas, a parada glótica não tem uma simbolização consistente. Na maioria dos casos, no entanto, uma palavra que começa com uma letra-vogal (por exemplo, Tagalog aso, "cachorro") é sempre pronunciada com uma parada glótica não representada antes dessa vogal (como no alemão moderno e no hauçá). Algumas ortografias usam um hífen em vez do apóstrofo reverso se a parada glótica ocorre no meio da palavra (por exemplo, Tagalog pag-ibig, "amor"; ou Visayan gabi-i, "noite"). Se ocorrer no final de uma palavra, a última vogal será escrita com um acento circunflexo (conhecido como pakupyâ) se tanto uma tônica quanto uma parada glótica ocorrerem na vogal final (por exemplo, basâ, "molhado") ou um acento grave (conhecido como paiwà) se a parada glótica ocorre na vogal final, mas o acento ocorre na penúltima sílaba (por exemplo, batà, "criança").[3][4][5]

Algumas línguas indígenas canadenses, especialmente algumas das línguas salishanas, adotaram o próprio símbolo fonético ʔ como parte de suas ortografias. Em alguns deles, ocorre como um par de caracteres maiúsculos e minúsculos, Ɂ e ɂ.[6] O numeral 7 ou ponto de interrogação às vezes é substituído por ʔ e é preferido em alguns idiomas como o Squamish. SENĆOŦEN - cujo alfabeto é principalmente exclusivo de outras línguas Salish - contrastantemente usa a vírgula ⟨,⟩ para representar a parada glótica, embora seja opcional.

Em 2015, duas mulheres nos Territórios do Noroeste desafiaram o governo territorial sobre sua recusa em permitir que usassem o caractere ʔ nos nomes de suas filhas: Sahaiʔa, um nome Chipewyan, e Sakaeʔah, um nome Slavey (os dois nomes são na verdade cognatos) . O território argumentou que os documentos de identidade territorial e federal não foram capazes de acomodar o personagem. As mulheres registraram os nomes com hífens em vez de ʔ, enquanto continuavam a desafiar a política.[7]

O uso da parada glótica é uma característica distinta dos dialetos do sul do continente Argyll do gaélico escocês. Em tal dialeto, a frase gaélica padrão Tha Gàidhlig agam ("Eu falo gaélico"), seria traduzida como Tha Gàidhlig a'am.[2]

OcorrênciaEditar

Em inglês, a parada glótica ocorre como uma junção aberta (por exemplo, entre os sons das vogais em uh-oh ![8]) e alofonicamente em t-glotalização. No inglês britânico, a parada glótica é mais familiar na pronúncia cockney de "manteiga" como "bu'er". Além disso, existe a parada glótica como um início nulo para o inglês, ou seja, é a parada glótica não fonêmica ocorrendo antes das vogais isoladas ou iniciais (por exemplo, representando uh-oh!, [ˈɅʔoʊ] e [ˈʔʌʔoʊ] são fonemicamente idêntico a /ˈʌ.oʊ/).

Línguas Palavra AFI Significado Notas
Abcaz аи/ai [ʔaj] Não
Adigue ӏэ/'ė [ʔa] Braço
Árabe Padrão moderno[9] أغاني‎/'a'ġani [ʔaˈɣaːniː] Músicas Hamza.
Dialetos egípcio e levantino.[10] شقة‎/ša''a [ˈʃæʔʔæ] Apartamento Dialetos egípcio e levantino.[10] Corresponde a /q/ ou [g] em outros dialetos.
Fez eTlemceniano[11] قال‎/'al [ˈʔaːl] Ele falou Dialetos de Fez e Tlemcem. Corresponde a /q/ ou [g] em outros dialetos.
Assírio neoaramaico ܣܥܬ‎/s'aṭ [sʔɐt] Relógio
Azeri ər [ʔær] Marido
Bikol bàgo [ˈbaːʔɡo] Novo
Búlgaro ъ-ъ/ŭ-ŭ [ˈɤʔɤ] Não
Birmanês မြစ်များ/rcī mya: [mjiʔ mjà] Rios
Cebuano tubò [ˈtuboʔ] Crescer
Chamorro halu'u [həluʔu] Tubarão
Inguche кхоъ / qoʼ [qoʔ] Três
Chinês Cantonês 愛/oi3 [ʔɔːi˧] Amor
Wu 一级了/yi ji le [ʔiɪʔ.tɕiɪʔ.ʔləʔ] Soberbo
Cook Islands Māori taʻi [taʔi] Um
Tcheco používat [poʔuʒiːvat] Usar
Dahalo Água
Dinamarquês hånd [ˈhʌ̹nʔ] Mão Uma das realizações possíveis de stød. Dependendo do dialeto e do estilo de fala, pode ser realizado como uma laringização do som precedente.
Holandês[12] beamen [bəʔˈaːmə(n)] Confirmar
Inglês RP uh-oh [ˈɐʔəʊ] uh-oh
Americano  ? [ˈʌʔoʊ]
Australiano cat [kʰæʔ(t)] Gato Alofone de /t/.
Americano geral
Estuary [kʰæʔ]
Cockney[13] [kʰɛ̝ʔ]
Escocês [kʰäʔ]
Norte da inglaterra the [ʔ] O
RP[14] e GA button  ? [ˈbɐʔn̩] Botão
Finlandês sadeaamu [ˈsɑdeʔˌɑ:mu] Manhã chuvosa [15]
Alemão Do norte Beamter [bəˈʔamtɐ] Servidor civil
Guaraní avañe' [ãʋ̃ãɲẽˈʔẽ] Guaraní Ocorre apenas entre vogais.
Havaiano[16] ʻeleʻele [ˈʔɛlɛˈʔɛlɛ] Preto
Hebraico מַאֲמָר‎/ma'amar [maʔămar] Artigo Frequentemente omitido em um discurso casual.
Islandês en [ʔɛn] Mas Usado apenas de acordo com a ênfase, nunca ocorrendo em pares mínimos.
Iloko nalab-ay [nalabˈʔaj] Degustação suave Hífen quando ocorre dentro da palavra.
Indonésio bakso [ˌbäʔˈso] Bola de carne Alofone de /k/ ou /ɡ/ no coda da sílaba.
Japonês Kagoshima 学校gakō [gaʔkoː] Escola Marcado por 'っ' em Hiragana e por 'ッ' em Katakana.
Javanês[17] anak [änäʔ] Criança Alofone de /k/ na posição morfema-final.
Jedek[2] [wɛ̃ʔ] Lado esquerdo
Cabardiano ӏэ/'ė [ʔa] Braço ou mão
Kagayanen[18] saag [saˈʔaɡ] Piso
Khasi lyoh [lʔɔːʔ] Nuvem
Coreano /il [ʔil] Um Em variação livre sem parada glotal. Ocorre apenas na posição inicial de uma palavra.
Malaio tidak [ˈtidäʔ] Não Alofone do /k/ final na coda da sílaba, pronunciado antes das consoantes ou no final da palavra.
Maltês qattus [ˈʔattus] Gato
Māori Taranaki, Whanganui wahine [waʔinɛ] Mulher
Minangkabau waʼang [wäʔäŋ] Você Às vezes escrito sem apóstrofo.
Mutsun tawkaʼli [tawkaʔli] Groselha preta Ribes divaricatum
Mingreliano ჸოროფა/ʔoropha [ʔɔrɔpʰɑ] Amor
Nauátle tahtli  ? [taʔtɬi] Pai Muitas vezes não escrito.
Nez Perce yáakaʔ [ˈjaːkaʔ] Urso preto
Nheengatu[19] ai [aˈʔi] Bicho-preguiça
Oquinauano /utu [ʔutu] Som
Persa معنی‎/ma'ni [maʔni] Significado A transcrição (ou ausência dela) varia.
Polonês era [ʔɛra] Na maioria das vezes ocorre como anlaut de uma vogal inicial (Ala -> [Ɂala]).
Pirarrã baíxi [ˈmàí̯ʔì] Pai
Português[20] Vernáculo brasileiro ê-ê[21] [ˌʔe̞ˈʔeː] ê-ê[22] Som marginal. Não ocorre antes ou depois de uma consoante. No discurso casual brasileiro, há pelo menos um par mínimo de [ʔ] –comprimento de vogal – acento de altura (triplamente incomum, os ideofones curtos ih vs. longos ih).
Alguns falantes à aula [ˈa ˈʔawlɐ] À aula
Rotumano[23] ʻusu [ʔusu] Encaixar
Samoano maʻi [maʔi] Doença
Sardo[24] Alguns dialetos de Barbagia unu pacu [ˈuːnu paʔu] Um pouco Alofone intervocálico de /n, k, l/.
Alguns dialetos de Sarrabus sa luna [sa ʔuʔa] A lua
Servo-Croata[25] i onda [iː ʔô̞n̪d̪a̠] E então Opcionalmente inserido entre vogais através dos limites das palavras.[25]
Seri he [ʔɛ] Eu
Somali ba' [baʔ] Calamidade Embora /ʔ/ ocorra antes de todas as vogais, ele é escrito apenas medialmente e finalmente.[26]
Espanhol Nicaraguano[27] s alto [ˈma ˈʔal̻t̻o̞] Mais alto Som marginal ou alofone de / s / entre vogais em palavras diferentes. Não ocorre antes ou depois de uma consoante.
Yucateco[28] cuatro años [ˈkwatɾo̞ ˈʔãɲo̞s] Quatro anos
Tagalo oo [oʔo] Sim
Taitiano puaʻa [puaʔa] Porco
Tailandês า/'ā [ʔaː] Tio/tia (irmão mais novo do pai)
Tonganês tuʻu [tuʔu] Ficar de pé
Tundra Nenets выʼ/vy' [wɨʔ] Tundra
Vietnamita[29] oi [ʔɔj˧] Abafado Em variação livre sem parada glotal.
Võro piniq [ˈpinʲiʔ] Cachorros "q" é marcador plural em võro (maa, kala, "terra", "peixe"; maaq, kalaq, "terras", "peixes").
Wagimano jamh [t̠ʲʌmʔ] Comer
Welayta 7írTi [ʔirʈa] Molhado
Wallisiano maʻuli [maʔuli] Vida

Frequentemente, uma parada glótica ocorre no início da fonação das vogais após um silêncio.[30]

Embora este segmento não seja um fonema em inglês, ele ocorre foneticamente em quase todos os dialetos do inglês, como um alofone de /t/ na coda da sílaba. Falantes de cockney, inglês escocês e vários outros dialetos britânicos também pronunciam um /t/ intervocálico entre as vogais como em city. Na pronúncia recebida, uma parada glotal é inserida antes de uma parada surda tautosilábica: stoʼp, thaʼt, knoʼck, waʼtch, também leaʼp, soaʼk, helʼp, pinʼch.[31][32]

Em muitas línguas que não permitem uma sequência de vogais, como o persa, a parada glótica pode ser usada para interromper tal hiato. Existem intrincadas interações entre o tom descendente e a parada glótica nas histórias de línguas como o dinamarquês (ver stød), o chinês e o tailandês.

Em muitas línguas, o alofone intervocálico átono da oclusiva glótica é uma aproximação glótica de voz rangente. É conhecido por ser contrastivo em apenas um idioma, Gimi, no qual é o equivalente sonoro da parada.

BibliografiaEditar

  • Blevins, Juliette (1994), «The Bimoraic Foot in Rotuman Phonology and Morphology», Oceanic Linguistics, 33(2): 491–516 
  • Gussenhoven, Carlos (1992), «Dutch», Journal of the International Phonetic Association, 22 (2): 45–47 
  • Ladefoged, Peter (2005). Vowels and Consonants Second ed. [S.l.]: Blackwell 
  • Roach, Peter (2004), «British English: Received Pronunciation», Journal of the International Phonetic Association, 34 (2): 239–245 
  • Schane, Sanford A (1968), French Phonology and Morphology, Boston, Mass.: M.I.T. Press 
  • Sivertsen, Eva (1960), Cockney Phonology, Oslo: University of Oslo 
  • Thelwall, Robin (1990), «Illustrations of the IPA: Arabic», Journal of the International Phonetic Association, 20 (2): 37–41 
  • Watson, Janet (2002), The Phonology and Morphology of Arabic, New York: Oxford University Press 

Veja tambémEditar


ReferênciasEditar

  1. a b «The glottal stop /ʔ/ and how to make it» 
  2. a b c Catford, J. C. (1990). Glottal consonants ... another view. [S.l.]: Journal of the International Phonetic Association  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":0" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. Morrow, Paul (2011). "The basics of Filipino pronunciation: Part 2 of 3 • accent marks". [S.l.]: Pilipino Express 
  4. Nolasco, Ricardo M.D. Grammar notes on the national language. [S.l.: s.n.] 
  5. Schoellner; Heinle, Joan; Beverly D. (2007). Tagalog Reading Booklet Simon & Schister's Pimsleur. pp. [S.l.: s.n.] pp. 5–6 
  6. "Proposal to add LATIN SMALL LETTER GLOTTAL STOP to the UCS". [S.l.: s.n.] 
  7. Browne, Rachel (2015). "What's in a name? A Chipewyan's battle over her native tongue". [S.l.: s.n.] 
  8. Mastering Hebrew. [S.l.: s.n.] 1988 
  9. Thelwall (1990):37
  10. a b Watson (2002):17
  11. Dendane, Zoubir. (2013). THE STIGMATISATION OF THE GLOTTAL STOP IN TLEMCEN SPEECH COMMUNITY: AN INDICATOR OF DIALECT SHIFT. The International Journal of Linguistics and Literature. Volume 2. [1]
  12. Gussenhoven (1992):45
  13. Sivertsen (1960):111
  14. Roach (2004):240
  15. Collinder, Björn (1941). Lärobok i finska språket för krigsmakten. [S.l.]: Ivar Häggström. p. 7 
  16. Ladefoged (2005):139
  17. Clark, Yallop & Fletcher (2007):105
  18. Olson et al. (2010):206–207
  19. Fonologia e Gramática do Nheengatu – A língua geral falada pelos povos Baré, Warekena e Baniwa Arquivado em 2014-03-07 no Wayback Machine. Em Português
  20. João Veloso & Pedro Tiago Martins (2013). O Arquivo Dialetal do CLUP: disponibilização on-line de um corpus dialetal do português
  21. Phonetic symbols for Portuguese phonetic transcription Arquivado em 2014-11-08 no Wayback Machine. In European Portuguese, the "é é" interjection usually employs an epenthetic /i/, being pronounced [e̞ˈje̞] instead.
  22. It may be used mostly as a general call of attention for disapproval, disagreement or inconsistency, but also serves as a synonym of the multiuse expression "eu, hein!". Em Português How to say 'eu, hein' in English – Adir Ferreira Idiomas Arquivado em 2013-07-08 no Wayback Machine.
  23. Blevins (1994):492
  24. Su sardu limba de Sardigna et limba de Europa, Lucia Grimaldi & Guido Mensching, 2004, CUEC, pp.110-111
  25. a b Landau et al. (1999):67
  26. Edmondson, J.A., Esling, J.H., & Harris, J.G. (2003). Supraglottal cavity shape, linguistic register, and other phonetic features of Somali.
  27. The hypo-hyperarticulation continuum in Nicaraguan Spanish
  28. Voiceless stop aspiration in Yucatán Spanish: a sociolinguistic analysis
  29. Thompson (1959):458–461
  30. Umeda, N. (1978). "Occurrence of glottal stops in fluent speech", J. Acoust. Soc. Am., vol. 64. [S.l.: s.n.] pp. 88–94 
  31. Brown, Gillian (1977). Listening to spoken English. London: Longman. [S.l.: s.n.] 
  32. Kortlandt, Frederik (1993). "General Linguistics & Indo-European Reconstruction". [S.l.: s.n.]