Oclusiva palatal sonora

A oclusiva palatal sonora é um tipo de som consonantal em algumas línguas faladas. O símbolo no Alfabeto Fonético Internacional que representa esse som é ⟨ɟ⟩, um ⟨j⟩ barrado sem ponto que foi inicialmente criado girando o tipo de uma letra minúscula ⟨f⟩. O símbolo X-SAMPA equivalente é J\.

Oclusiva palatal sonora
ɟ
IPA 108
Codificação
Entidade (decimal) ɟ
Unicode (hex) U+025F
X-SAMPA J\
Kirshenbaum J
Som

Se a distinção for necessária, a oclusiva alvéolo-palatal expressa pode ser transcrita ⟨ɟ̟⟩, ⟨ɟ˖⟩ (ambos os símbolos denotam um ⟨ɟ⟩ avançado) ou ⟨d̠ʲ⟩ (retraído e palatalizado ⟨d⟩), mas eles são essencialmente equivalente, pois o contato inclui a lâmina e o corpo (mas não a ponta) da língua. Os símbolos X-SAMPA equivalentes são J\_+ e d_-' ou d_-_j, respectivamente. Há também uma letra ⟨ȡ⟩ não AFI ("d" com a ondulação encontrada nos símbolos das fricativas sibilantes alvéolo-palatais ⟨ɕ, ʑ⟩), usada especialmente em círculos Sinológicos.

[ɟ] é um som menos comum em todo o mundo que a africada pós-alveolar expressa [d͡ʒ] porque é difícil fazer a língua tocar apenas o palato duro sem também tocar a parte posterior da crista alveolar.[1] Também é comum que o símbolo ⟨ɟ⟩ seja usado para representar uma plosiva velar sonora palatalizada ou africadas palato-alveolares/alvéolo-palatais, como nas línguas índicas. Isso pode ser considerado apropriado quando o local de articulação precisa ser especificado, e a distinção entre plosiva e africada não é contrastiva.

Há também a plosiva pós-palatina sonora em algumas línguas, que é articulada ligeiramente mais atrás do que o local de articulação da consoante palatal prototípica, mas não tão atrás quanto a consoante velar prototípica. O AFI não tem um símbolo separado, que pode ser transcrito como ⟨ɟ̠⟩, ⟨ɟ˗⟩ (ambos os símbolos denotam um ⟨ɟ⟩ retraído), ⟨ɡ̟⟩ ou ⟨ɡ˖⟩ (ambos os símbolos denotam um ⟨ɡ⟩ avançado ) Os símbolos X-SAMPA equivalentes são J\_- e g_+, respectivamente.

Especialmente na transcrição ampla, a plosiva pós-palatal sonora pode ser transcrita como uma plosiva velar sonora palatalizada (⟨ɡʲ⟩ no IPA, g' ou g_j no X-SAMPA).

CaracterísticasEditar

  • Sua forma de articulação é oclusiva, ou seja, produzida pela obstrução do fluxo de ar no trato vocal.
  • Como a consoante também é oral, sem saída nasal, o fluxo de ar é totalmente bloqueado e a consoante é uma plosiva.
  • Seu local de articulação é palatino, o que significa que é articulado com a parte média ou posterior da língua elevada ao palato duro. A outra variante pós-palatina idêntica é articulada ligeiramente atrás do palato duro, fazendo com que soe um pouco mais perto do velar [ɡ].
  • Sua fonação é sonora, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • É uma consoante central, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar ao longo do centro da língua, em vez de para os lados.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

OcorrênciasEditar

Palatal ou alvéolo-palatalEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Albanês[2] gjuha [ˈɟuha] Língua Também pronunciado e transcrito como africada [ɟ͡ʝ]. Fundido com [d͡ʒ] em Albanês gheg.
Árabe Alguns dialetos do norte do Iêmen[3] جمل [ˈɟamal] Camelo Corresponde a d͡ʒ ~ ʒ ~ ɡ em outras variedades.
Alguns falantes sudadeneses[3]
Norte do Egito[3]
Basco anddere [äɲɟe̞ɾe̞] Buneco
Assírio/Síriaco Alguns falantes de Urmia & Koine. ܓܲܒ݂ܪܵܐ / gavrɑ [ɟoːrɑ] Marido Corresponde a /g/ ou /d͡ʒ/ em outras variedades.
Alguns falantes do norte ܓܲܒ݂ܪܵܐ / gavrɑ [ɟaʊrɑ] Marido Corresponde a /g/ ou /d͡ʒ/ em outras variedades.
Catalão Majorcano[4][5] guix [ˈɟi̞ɕ] Giz Corresponde a /g/ em outras variedades.
Chinês Hokkien taiwanês 攑手 / gia̍h-tshiú [ɟiaʔ˧ʔ t͡ɕʰiu˥˩] Levandar a mão
Dialeto taizhou / gòng [ɟyoŋ] Junto
Corso fighjulà [viɟɟuˈla] Assitir
Tcheco dělám [ˈɟɛlaːm] Eu faço
Dinca jir [ɟir] Cego
Ega[6] [ɟé] Se tornar numeroso
Friuliano gjat [ɟat] Gato
Ganda jjajja [ɟːaɟːa] Avô
Húngaro[7] gyám [ɟäːm] Guardião
Irlandês Gaeilge [ˈɡeːlʲɟə] Língua irlandesa
Letão ģimene [ˈɟime̞ne̞] Família
Macedônio раѓање [ˈraɟaɲɛ] Nascimento
Norueguês Central[8] fadder [fɑɟːeɾ] Padrinho
Do norte[8]
Occitano Auvergnat diguèt [ɟiˈɡɛ] Disse
Limousin dissèt [ɟiˈʃɛ]
Português Alguns falantes brasileiros pedinte [piˈɟ̟ĩc̟i̥] Pedinte Corresponde a um alofone africado de /d/ antes de/i/ que é comum no Brasil.[9]
Eslovaco[10] ďaleký [ˈɟ̟äɫɛ̝kiː] Longe Alveolo-palatal.[10]
Turco güneş [ɟyˈne̞ʃ] Sol
Vietnamita Dialeto norte-central da [ɟa˧] Pele

Pós-palatalEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Catalão[11] guix [ˈɡ̟i̞ɕ] Giz Alofone de /ɡ/ antes de vogais frontais.[11]
Grego[12] μετάγγιση / metággisi [me̞ˈtɐŋ̟ɟ̠is̠i] Transfusão Pós-palatal.[12]
Italiano Padrão[13] ghianda [ˈɡ̟jän̪ːd̪ä] Bolota Pós-palatal; alofone de /ɡ/ antes de /i, e, ɛ, j/.[13]
Português amiguinho [ɐmiˈɡ̟ĩɲu] Amiguinho Alofone de /ɡ/ antes de vogais frontais.
Romeno[14] ghimpe [ˈɡ̟impe̞] Espinho Tanto um alofone de /ɡ/ antes de /i, e, j/ quanto a realização fonética de /ɡʲ/. [14]
Russo Padrão[15] герб / gerb [ɡ̟e̞rp] Brasão de armas Tipicamente transcrito como ⟨ɡʲ⟩.
Espanhol[16] guía [ˈɡ̟i.ä] Guia Alofone de /ɡ/ antes de vogais frontais.[16]
Yanyuwa[17] [ɡ̠uɡ̟uɭu] Sagrado Pós-palatal.[17] Contrasta versões pré-nasalizadas e normais.

ReferênciasEditar

  1. Ladefoged. [S.l.: s.n.] 2005. p. 162 
  2. Newmark, Hubbard & Prifti (1982), p. 10.
  3. a b c Watson (2002), p. 16.
  4. Recasens & Espinosa (2005), p. 1.
  5. Recasens (2013), pp. 11–13.
  6. Connell, Ahoua & Gibbon (2002), p. 100.
  7. Ladefoged (2005), p. 164.
  8. a b Skjekkeland (1997), pp. 105–107.
  9. «Palatalização no português brasileiro». Consultado em 6 de abril de 2014. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  10. a b Hanulíková & Hamann (2010), p. 374.
  11. a b Rafel (1999), p. 14.
  12. a b Arvaniti (2007), p. 20.
  13. a b Canepari (1992), p. 62.
  14. a b Sarlin (2014), p. 17.
  15. Yanushevskaya & Bunčić (2015), p. 223.
  16. a b Canellada & Madsen (1987), p. 20.
  17. a b Ladefoged & Maddieson (1996), pp. 34-35.