Abrir menu principal

Ocupação alemã de Luxemburgo durante a Segunda Guerra Mundial

Tropas alemãs invadindo Luxemburgo.
Nazistas marchando em frente a uma sinagoga na cidade de Luxemburgo.
Propaganda alemã durantte a ocupação:"Luxemburguês você é alemão; a sua língua materna é o alemão".

A Ocupação alemã de Luxemburgo durante a Segunda Guerra Mundial começou em maio de 1940 após o Grão-Ducado do Luxemburgo ter sido invadido pela Alemanha Nazista. Apesar do país ser neutro, Luxemburgo tinha uma posição estratégica ao fim da linha Maginot francesa.[1]

Em 10 de maio de 1940, a Wehrmacht (forças armadas alemãs) invadiu Luxemburgo e também a Bélgica e os Países Baixos, abrindo o caminho para a próxima invasão da França.[2]

Luxemburgo foi então colocado sob administração do exército alemão, mas logo depois um governo civil assumiu até que o país foi formalmente anexado à Alemanha Nazista. Os alemães acreditavam que o território luxemburguês era parte do Reich Alemão e iniciaram um programa de repressão cultural, especialmente para livrar o país da influência francesa. Muitos cidadãos de Luxemburgo colaboraram com os nazistas, enquanto outros iniciaram uma resistência contra os alemães. A partir de 1942, cerca de 1 500 a 2 000 luxemburgueses se alistaram voluntariamente nas forças armadas alemãs, o que não correspondeu aos números desejados pelo exército alemão.[1] Paul Dostert afirma que vários casos indicam que muitos "voluntários" não eram de facto voluntários: numerosos casos são conhecidos onde criminosos, mentalmente perturbados e associais se voluntariaram para evitar serem enviados para um campo de concentração.[1] Enquanto isso, cerca de 3 500 judeus de Luxemburgo foram mortos no Holocausto. O processo de libertação do país pelos Aliados finalmente começou em setembro de 1944, mas foi atrasado devido a ofensiva alemã nas Ardenas. Os nazistas só foram expulsos em definitivo no começo de 1945. O número de vítimas luxemburguesas saldou-se em 5 700.[1]

AntecedentesEditar

O Luxemburgo já tinha sofrido uma ocupação alemã durante a Primeira Guerra Mundial, com o pretexto de apoio germânico aos exércitos na França vizinha. Entre agosto de 1914 até meados de novembro de 1918, embora sob ocupação militar, Luxemburgo manteve o seu governo próprio e o seu sistema político. Praticamente sem exército próprio, o país não teve outra hipótese senão manter a neutralidade.[3]

As tropas alemãs concentraram-se em Luxemburgo para conduzir as suas operações na Bélgica e em França. A ocupação trouxe uma série de calamidades, como dificuldades de abastecimento, racionamento, aumento dos preços, desemprego, contrabando[nota 1] e miséria operária.[3]

Em novembro de 1918, a Alemanha assinou o armistício de Compiègne com os Aliados, pondo fim aos combates. Conforme as condições do armistício, as tropas alemãs se retiraram de todos os territórios ocupados, incluindo o Luxemburgo.[4]

Ver tambémEditar

Notas

  1. "Marché noir" na ref. original (livro de Jean-Marie Kreins)

Referências

  1. a b c d Dostert, Paul. «Luxemburg unter deutscher Besatzung 1940-45: Die Bevölkerung eines kleinen Landes zwischen Kollaboration und Widerstand». Zug der Erinnerung (em alemão) 
  2. «German Occupation of Luxembourg in World War II (May 10, 1940)». Totally History (em inglês). 13 de junho de 2013. Consultado em 4 de setembro de 2019 
  3. a b Kreins, Jean-Marie (2003). Histoire du Luxembourg (Cap: Le Luxembourg dans le premier conflit mondial (1914-1918)). [S.l.]: Puf (Presses Universitaires de France) 
  4. «The Versailles Treaty - June 28, 1919 (Arq. em WayBack Machine)». 28 de Junho de 1919. Consultado em 6 de Setembro de 2019 

BibliografiaEditar

  • Governo do Luxemburgo - Luxembourg and the German Invasion - Before and After (The Luxembourg Grey Book) -Hutchinson and Co. Ltd., 1942
  • Wever, Bruno de ; Goethem, Herman Van; Wouters, Nico (editores) - Local Government in Occupied Europe (1939-1945) - Academia Press
  • Kreins, Jean-Marie - Histoire du Luxembourg - Puf (Presses Universitaires de France) , 2003