Abrir menu principal
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   |- style="font-size: 85%;"
       | Erro::  valor não especificado para "continente"


Maiorca
Mallorca

Território ocupado pelos Italianos

Flag of Spain (1931–1939).svg
1936 – 1939 Flag of Spain (1938–1945).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de
As Ilhas Baleares durante a Guerra Civil Espanhola.
Maiorca é a grande ilha central.
Azul claro: Território ocupado pelos Italianos / Nacionalistas Espanhóis.
Cinzento: Território ocupado pela República Espanhola.
Capital Palma
Governo Ocupação
Procônsul Arconovaldo Bonaccorsi
Período histórico Período entreguerras
 • 1936 Fundação
 • 1939 Dissolução

A ocupação italiana de Maiorca ocorreu durante a Guerra Civil espanhola. A Itália interveio na guerra com a suposta intenção de anexar as Ilhas Baleares, Ceuta e a criação de um estado cliente na Espanha.[1] Os Italianos buscavam controlar as Ilhas Baleares, por causa de sua posição estratégica, a partir da qual eles poderiam perturbar as linhas de comunicação entre a França e as suas colônias do Norte da África e entre Gibraltar e Malta (possessões britânicas).[2] Bandeiras italianas foram hasteadas na ilha.[3]Forças italianas dominaram Maiorca, com os Italianos abertamente operando os aeródromos em Alcúdia e Palma, bem como navios de guerra italianos usando como base o porto de Palma.[4]. No entanto, alguns historiadores, como Gilbeto Oneto e Rosaria Quartararo, expressam uma crítica sobre esse suposta plano italiano de anexar Maiorca.

Índice

HistóriaEditar

 
O Conde Rossi a cavalo em Palma (1936).

Antes da intervenção da Itália, Benito Mussolini autorizou "voluntários" a ir para a Espanha, resultando na apreensão da maior das ilhas Baleares, Maiorca, por uma força sob o comando do líder fascista de camisas negras Arconovaldo Bonaccorsi (também conhecido como "Conde Rossi").[5] Enviado a Maiorca para atuar como procônsul italiano nas Baleares,[5] Bonaccorsi proclamou que a Itália iria ocupar a ilha em perpetuidade[6] e iniciou um brutal reinado de terror (como uma vingança aos massacres anteriores realizados pelos republicanos de milhares de religiosos e civis anti-comunistas), organizando o assassinato de 3.000 pessoas acusadas de serem comunistas e o esvaziamento das prisões de Maiorca ordenando a execução à tiros de quase todos os prisioneiros "republicanos".[5] No rescaldo da Batalha de Maiorca, Bonaccorsi renomeou a rua principal de Palma de Maiorca como Via Roma e a adornadou com estátuas de águias Romanas.[7] Bonaccorsi mais tarde foi recompensado pela Itália pela sua atividade em Maiorca.[5]

As forças italianas lançaram ataques aéreos a partir de Maiorca contra as cidades em controle republicano na Espanha continental.[8] Inicialmente Mussolini autorizou apenas uma fraca força de aviões bombardeiros italianos com base em Maiorca em 1936, para evitar antagonizar a Grã-Bretanha e a França.[9] No entanto, a falta de resolução por parte dos britânicos e franceses à estratégia italiana na região incentivou a Mussolini a implantar mais doze bombardeiros, estacionados em Maiorca, incluindo um avião pilotado por seu filho, Bruno Mussolini.[9] Em janeiro de 1938, Mussolini tinha dobrado o número de bombardeiros estacionados nas ilhas Baleares e o aumento os ataques aéreos aos navios com suprimentos destinados as forças republicanas espanholas .[9] O acúmulo de aviões bombardeiros na ilha e o aumento de ataques aéreos italianos contra os portos ocupados por republicanos e navios foi visto pela França como uma provocação.[9]

Após a vitória de Franco na guerra civil e alguns dias depois da conquista italiana nos Bálcãs da Albânia, Mussolini emitiu uma ordem em 11 ou 12 de abril de 1939, para retirar todas as forças italianas da Espanha.[10] Mussolini publicou esta ordem em resposta a súbita ação de invadir a Tchecoslováquia alemão em 1939, em que Mussolini foi agravado pelo sucesso rápido de Hitler e procurou preparar a Itália para fazer conquistas semelhantes no Leste Europeu.[10]

Crítica da suposiçãoEditar

A existência de um suposto plano italiano de anexar Maiorca tem recebido severas críticas. Na opinião de Oneto, os Italianos só apoiaram (inicialmente, quando Bonaccorsi desembarcou na ilha) a possibilidade de promover uma semi-independente Maiorca (sob a influência italiana) em caso de vitória republicana na guerra civil espanhola. Mas com a vitória de Franco, eles entenderam que este projeto de "independência parcial" era impossível[11]

Adicionalmente, é digno de nota observar que o historiador Rosaria Quartararo identificou que todos os comentários republicanos espanhóis sobre o suposto controle italiano de Maiorca foram baseadas no possível acordo secreto da década de 1920, entre Mussolini e Primo de Rivera sobre controle italiano de outras ilhas Baleares, um acordo que nunca foi demonstrado por documentos ou provas.[12] Ela ainda observou que os Italianos tinham apenas 500 homens (suportada por uma dúzia de aviões e alguns navios), em Maiorca, quando Bonaccorsi parecia ser o possível "governador de Maiorca" em 1936, e eles eram muito poucos para controlar uma ilha com cerca de meio milhão de habitantes e mais de 25.000 espanhóis lutando uns contra os outros em uma guerra civil. Além disso, Mussolini sabia que Francisco Franco foi totalmente contrário a qualquer concessão territorial à Itália de territórios espanhóis, nem mesmo as colônias na África.[12]

Depois de Bonaccorsi voltar para a Itália, os Italianos não expressaram intenções de retomar o controle das ilhas Baleares.[13] Mussolini queria apenas uma base aérea em Minorca[12] e no início de 1939, ele apenas fez um pequeno e informal pedido para Franco sobre isso (recebendo uma negação). Sucessivamente, na primavera de 1939, ele ordenou a retirada de todas as as forças italianas na Espanha.[14]

Referências

  1. R. J. B. Bosworth. The Oxford handbook of fascism. Oxford, UK: Oxford University Press, 2009. Pp. 246.
  2. John J. Mearsheimer. The Tragedy of Great Power Politics. W. W. Norton & Company, 2003.
  3. S. Balfour. Spain and the Great Powers in the Twentieth Century. Routledge, London, England, UK; New York, New York, USA: 1999. p. 172
  4. LIFE 22 November 1937
  5. a b c d Mr. Ray Moseley. Mussolini's Shadow: The Double Life of Count Galeazzo Ciano. Yale University Press, 2000. Pp. 27.
  6. Raanan Rein. Spain and the Mediterranean Since 1898. London, England, UK; Portland, Oregon, USA: FRANK CASS, 1999. Pp. 155.
  7. Abulafia, David. 2001. The Great Sea: A Human History of the Mediterranean. Oxford University Press. p. 604
  8. S. Balfour. Spain and the Great Powers in the Twentieth Century. Routledge, London, England, UK; New York, New York, USA: 1999. p. 172.
  9. a b c d Reynolds Mathewson Salerno. Vital Crossroads: Mediterranean Origins of the Second World War, 1935-1940. Cornell University, 2002. Pp. 32.
  10. a b Robert H. Whealey. Hitler And Spain: The Nazi Role in the Spanish Civil War, 1936-1939. Paperback edition. Lexington, Kentucky, USA: University of Kentucky Press, 2005. Pp. 62.
  11. Canosa Romano: Mussolini e Franco
  12. a b c Rosaria Quartararo: "Política feixista a les Balears (1936-1939)" p. 154
  13. Em 14 de dezembro de 1936, O Primeiro Ministro britânico Eden escreveu um memorando ao Parlamento da Grã-Bretanha, onde avisa que a Itália poderia criar um "protetorado" em Maiorca. Mussolini responde negando qualquer intenção relacionada.
  14. Gatta, B. Gli uomini del Duce. Chapter IV

BibliografiaEditar

  • Baioni, Massimo. Risorgimento em camicia nera. Carocci. Arezzo, 2006.
  • Blitzer, Lobo. Século de Guerra. Friedman/Fairfax Editores. Nova Iorque, 2001 ISBN 1-58663-342-2
  • Cordeiro, Richard. Mussolini como Diplomata. Fromm Internacional De Ed. Londres, 1999 ISBN 0-88064-244-0
  • Payne, Stanley G. Uma História do Fascismo, 1914-45. Universidade de Wisconsin Press. Madison, Wisc., 1995 ISBN 0-299-14874-2
  • Rosselli, Alberto. Storie Segrete. Operazioni sconosciute o dimenticate della seconda guerra mondiale Iuculano Editore. Pavia, 2007

Veja tambémEditar