Abrir menu principal
Odelair Rodrigues
Nome completo Odelair Rodrigues
Nascimento 14 de julho de 1935
Curitiba, PR
Nacionalidade Brasil brasileira
Morte 1 de julho de 2003 (67 anos)
Curitiba
Ocupação atriz

Odelair Rodrigues (Curitiba, 14 de julho de 1935 - Curitiba, 1 de julho de 2003) foi uma atriz brasileira, sendo uma das pioneiras da televisão paranaense[1][2].

Índice

BiografiaEditar

Atuou no rádio, teatro, cinema e televisão e sua carreira iniciou-se quando cursou artes cênicas no Colégio Estadual do Paraná, fazendo parte do "Corpo Cênico" do colégio e estreando na peça "Sinhá Moça Chorou", em 1952, mas a vocação para a profissão sempre esteve presente em Odelair, que desde a infância e adolescência, gostava de representar, por ocasião de peças teatrais quando ainda estudava no Colégio Xavier da Silva[1][2].

Foi colega e amiga de Ary Fontoura[3] e trabalharam juntos no teatro e em radioteatros da Rádio Clube Paranaense, além de atuarem nas primeiras novelas produzidas pela televisão paranaense, inclusive, Odelair fez parte do primeiro "time" de profissionais a serem contratados na TV Paraná, canal 6[3]. Também trabalhou na Rede Globo, TV Tupy, entre outros canais, fazendo novelas que foram sucesso nos anos de 1960 e 1970, como em O Direito de Nascer, Estranha Melodia (1966-1967), Escrava Isaura (1965), Vida Roubada (1967), entre outras[1][2].

Com Ary Fontoura, fez parceria em dezenas de peças teatrais no antigo Teatro de Bolso, que existia na Praça Rui Barbosa, em Curitiba, além de integrar grupos como a Cia. de Roberto Menghini e o Teatro de Comédia do Paraná[1][2].

No cinema, atuou em Lance Maior, Entardecer de Ilusões, Quanto Vale ou É por Quilo? (um dos seus últimos trabalhos, pois filmou em 2003 e o filme só foi lançado em 2005), entre outos[1][2].

CarreiraEditar

Na televisãoEditar

No teatroEditar

  • Sinhá Moça Chorou, 1952
  • O Consertador de Brinquedos, 1966
  • O Patinho Preto, 1967
  • O Contestado, 1979
  • Flô em Palácio de Urubus, 1993

No cinemaEditar

PrêmiosEditar

  • O Curumim 1966, por seu papel Mamãe Dolores em O Direito de Nascer;
  • O Curumim 1969 - 5 Anos de TV Paraná - Canal 6;
  • Melhores do Ano Comunicação da Cidade / Tele-atriz 1977;
  • Troféu Melodia - Concurso Melhores do Rádio e TV do Paraná /Atriz de TV;
  • Troféu Pinhão APAC 1985;
  • Prêmio Talento do Paraná - Artes Cênicas 2000/ July & Burk;
  • Troféu Gralha Azul 2000 - Menção Honrosa pelo pioneirismo na difusão do teatro no Paraná, pela formação de platéia e por sua brilhante carreira como atriz;
  • Troféu Espaço Arte e Cultura Telepar/Brasil Telecom 2001 - 50 Anos de Vida Artística;
  • Prêmio de Melhor Atriz, em 1956, 1977, 1979[2];
  • Prêmio Marista Expoarte 2001.

Em 2003, faleceu após uma parada cardiorrespiratória, aos 68 anos de idade[1][2].

Referências

  1. a b c d e f Paraná perde atriz Odelair Rodrigues, Portal Paraná Online, consultado em 25 de novembro de 2014 
  2. a b c d e f g Biografia de Odelair Rodrigues para o Museu da Televisão Brasileira, Museu da Televisão Brasileira, consultado em 25 de novembro de 2014, cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗 
  3. a b Memórias do teatro e da tevê no Paraná, Jornal Gazeta do Povo, consultado em 25 de novembro de 2014 

Ligações externasEditar