Abrir menu principal

Ofensiva da Catalunha

Ofensiva da Catalunha
Parte da Guerra Civil Espanhola
Spanish Civil War, map November 1938.png
Mapa de Espanha em novembro de 1938, depois do fim da Batalha do Ebro, imediatamente antes do início da Ofensiva da Catalunha. O território Republicano está a vermelho e o território Nacionalista a azul
Data 23 de dezembro de 1938 - 10 de fevereiro de 1939
Local Nordeste da Espanha
Desfecho Decisiva vitória Nacionalista
Beligerantes
Segunda República Espanhola República Espanhola  Estado espanhol
 Itália

 Alemanha

Comandantes
Segunda República Espanhola Juan Hernández Saravia
Segunda República Espanhola Juan Modesto
Segunda República Espanhola Enrique Líster
Segunda República Espanhola Colonel Perea
Estado espanhol Fidel Dávila Arrondo
Estado espanhol Agustín Muñoz Grandes
Estado espanhol Rafael García Valiño
Estado espanhol José Moscardó Ituarte
Estado espanhol Juan Yagüe
Estado espanhol José Solchaga
Reino da Itália Gastone Gambara
Forças
Thomas: 300,000[1]
Beevor: 220,000[2]
Jackson: 90,000[3]
Thomas: 360 peças de artilharia[4]
Beevor: 250 peças de artilharia[2]
Thomas: 200 tanques e carros blindados[4]
Beevor: 40 tanques e carros blindados[2]
Thomas: 80 aviões[4]
Beevor: 106 aviões[5]
Jackson: 350,000[6]
Beevor: 340,000[7]
Thomas: 300,000[8]
Beevor: 1,400 peças de artilharia[7]
Thomas: 565 peças de artilharia[1]
300 tanques[7]
500 aviões[1][7]
Baixas
? dead
10,000 feridos
60,000 capturados[9]
220,000 desarmados na França[10]
Desconhecidas

A Ofensiva da Catalunha (Catalão: Ofensiva de Catalunya, Espanhol: Ofensiva de Cataluña) fez parte da Guerra Civil Espanhola. O Exército Nacionalista iniciou a ofensiva em 23 de dezembro de 1938 e rapidamente conquistou a Catalunha, mantida pelos Republicanos, com Barcelona (a capital da República desde Outubro de 1937).[11] Barcelona foi capturada em 26 de janeiro de 1939. O governo Republicano dirigiu-se para a fronteira Francesa. Milhares de pessoas fugindo dos Nacionalistas também cruzaram a fronteira no mês seguinte, para serem colocadas em campos de internamento. Franco fechou a fronteira com a França em 10 de fevereiro de 1939.

AntecedentesEditar

Após a sua derrota na Batalha do Ebro, o Exército Republicano foi quebrado e nunca se recuperaria. Os Republicanos perderam a maior parte do seu armamento e unidades experientes.[12] Além disso, em Outubro de 1938, o governo Republicano concordou em retirar os voluntários das Brigadas Internacionais.[13] Por outro lado, os Nacionalistas receberam novos fornecimentos de munições, armas e aeronaves da Alemanha.[14] Além disso, após o Acordo de Munique, a esperança de uma intervenção das democracias ocidentais para ajudar a República contra a Alemanha e a Itália desapareceu.[12] A França havia fechado a fronteira novamente em meados de Junho de 1938 e congelado ativos financeiros republicanos em bancos Franceses.[15]

Forças opostasEditar

NacionalistasEditar

No início de dezembro, a fação rebelde concentrou um Grupo de exércitos, o Exército do Norte, com 300.000[1]–340.000[16] homens liderados pelo general Fidel Dávila para conquistar a Catalunha. Os Nacionalistas reuniram as suas melhores divisões ao longo da frente desde os Pirenéus até ao mar Mediterrâneo. Ao longo do Segre, os Nacionalistas desdobraram o Exército de Urgel, de Muñoz Grandes, o Exército de Maestrazgo, de García Valiño, e o Exército de Aragão, de Moscardo; na confluência do Segre com o Ebro o italiano Cuerpo Legionario Italiano de Gambara de quatro divisões (55.000 homens) e o Corpo de Exército de Solchaga de Navarra; e no Ebro, o Corpo Marroquino de Yagüe.[1] Os Nacionalistas também tinham, segundo Beevor, 300 tanques, mais de 500 aviões (entre eles os caças Bf 109E e Heinkel 112) e 1400 canhões.[17]

RepublicanosEditar

Opondo-se aos Nacionalistas, os Republicanos dispunham do Exército do Coronel Perea e do Exército do Ebro, do Coronel Juan Modesto, sob o comando do General Juan Hernández Saravia, comandante do Grupo de Exércitos da Região Oriental, com 220.000[18]–300.000[1] homens, muitos desarmados (Hernandez Saravia disse que o exército Republicano tinha apenas 17.000 rifles para toda a Catalunha),[19] 106 aviões[5] (a maioria deles Chaikas), 250 canhões e 40 tanques (muitos deles fora de serviço devido à falta de peças sobressalentes).[2] O governo Soviético concordou em enviar para a Catalunha um carregamento de 250 aviões, 250 tanques e 650 canhões,[1] mas o carregamento não chegou a Bordéus até 15 de janeiro e apenas uma pequena parte cruzou a fronteira.[20] Além disso, por causa do isolamento internacional da República e da falta de comida (segundo Beevor, em Barcelona, ​​a ração por dia baixou para 100 gramas de lentilhas)[5] o moral das tropas do governo e da população civil na zona republicana estava muito baixo. As pessoas só queriam o fim da guerra: "... deixe acabar, não importa como termine, mas que acabe agora".[21]

BatalhaEditar

Ofensiva NacionalistaEditar

A ofensiva Nacionalista foi planeada para 10 de dezembro, mas foi adiada para 23 de dezembro.[8] No dia 23 de dezembro, os Italianos e os Navarros atravessaram o Segre em Mequinenza, romperam as linhas Republicanas e avançaram dezesseis quilômetros, mas foram travados pelo V e XV corpos Republicanos liderados por Líster em 25 de dezembro. No flanco esquerdo, Muñoz Grandes e Garcia Valiño avançaram para Cervera e Artesa, mas foram bloqueados pela 26ª Divisão Republicana. No sul, as tropas de Yagüe foram retidas pela enchente do Ebro. Os Republicanos pararam o primeiro ataque nacionalista; no entanto, eles perderam 40 aviões nos primeiros dez dias da batalha.[22]

Em 3 de janeiro, Solchaga atacou Les Borges Blanques, Muñoz Grandes e Garcia Valiño ocuparam o Artesa, e Yagüe cruzou o Ebro. Moscardo atacado a partir de Lérida e os Italianos ocuparam Les Borges Blanques em 5 de Janeiro. No mesmo dia, o exército Republicano começou um ataque surpresa na Extremadura em direção a Peñarroya, a fim de desviar as forças Nacionalistas, mas a ofensiva foi interrompida depois de alguns dias e a ofensiva Nacionalista na Catalunha continuou.[23] Em 9 de janeiro, o Corpo do Exército Aragão de Moscardo juntou-se a Gambara em Mollerusa e rompeu a parte norte da frente. O V e o XV Corpo Republicano entraram em colapso e recuaram em desordem. Em 15 de janeiro, o Corpo de Aragão e de Maestrazgo conquistou Cervera e o Corpo de Marroquinos após uma marcha de 50 km ocupou Tarragona. Até esse dia, os Nacionalistas tinham conquistaram um terço da Catalunha, levado 23.000 prisioneiros e morto 5.000 soldados Republicanos.[24]

Queda de BarcelonaEditar

O governo Republicano então tentou organizar uma defesa de Barcelona, ​​ordenando a mobilização geral de todos os homens até quarenta e cinco anos e militarizou toda a indústria. No entanto, as sucessivas linhas defensivas (L1, L2, L3) caíram,[25] as forças Republicanas foram superadas em seis para um e a força aérea Nacionalista bombardeou Barcelona todos os dias (40 vezes entre 21 e 25 de janeiro).[26] Ficou claro que a defesa da cidade era impossível.[27] Em 22 de janeiro, Solchaga e Yagüe chegaram ao Llobregat a poucos quilómetros a oeste de Barcelona, ​​Muñoz Grandes e Garcia Valiño atacaram Sabadell e Terrassa, e Gambara avançou para Badalona. O chefe do Estado-Maior do Exército Republicano, Rojo, disse ao primeiro-ministro Republicano Negrín que a frente tinha deixado de existir e o governo abandonou Barcelona depois de libertar a maioria de seus prisioneiros.[28] Uma grande parte da população de Barcelona também fugiu da cidade. Em 24 de janeiro, Garcia Valiño ocupou Manresa,[29] e em 25 de janeiro a vanguarda Nacionalista ocupou o Tibidabo nos arredores de Barcelona. Os Nacionalistas finalmente ocuparam Barcelona em 26 de janeiro[30] e houve cinco dias de saques pelos Regulares de Yagüe[31] e assassinatos extrajudiciais (paseos).[32]

RetiradaEditar

Após a ocupação de Barcelona, ​​as tropas Nacionalistas, cansadas das longas marchas, desaceleraram o seu avanço, mas logo retomaram a sua ofensiva, perseguindo as colunas em retirada de soldados e civis Republicanos.[28] Em 1 de fevereiro, Negrín propôs, na última reunião das Cortes do Castelo de Sant Ferran em Figueres, a capitulação com a única condição de respeitar as vidas dos vencidos e a realização de um plebiscito para que o povo Espanhol pudesse decidir a forma de governo, mas Franco não aceitou.[33] Em 2 de fevereiro, os Nacionalistas entraram em Girona, chegando a 50 quilómetros da fronteira em 3 de fevereiro,[9] ocuparam Figueres em 8 de fevereiro e Rojo ordenou que as tropas Republicanas se retirassem para a fronteira Francesa.[9] Centenas de milhares de soldados Republicanos, mulheres, crianças e homens idosos marcharam para a fronteira Francesa a pé e em carretas, autocarros e camiões[30] através de granizo e neve amargamente frios. A sua retirada foi coberta por unidades do Exército Republicano, que realizaram ataques e emboscadas.[34] A força aérea Nacionalista e a Legião Condor bombardearam e metralharam as estradas que levavam à França.[35] Em 28 de janeiro, o governo Francês anunciou que os civis poderiam cruzar a fronteira e, em 5 de fevereiro, os soldados Republicanos também.[36] Entre 400.000[37] e 500.000,[9] refugiados Republicanos atravessaram a fronteira, entre eles o presidente da República (Manuel Azaña), o primeiro ministro (Juan Negrín) e o chefe de gabinete do Exército Republicano (Vicente Rojo), bem como o presidente da Catalunha (Lluís Companys) e os membros do Governo Catalão. Negrín retornou à Espanha em 9 de fevereiro, mas Azaña e Rojo recusaram-se a voltar.[35] Em 9 de fevereiro, os Nacionalistas chegaram à fronteira, e no dia seguinte as últimas unidades do Exército do Ebro de Modesto cruzaram para a França e os Nacionalistas selaram a fronteira.[1]

RescaldoEditar

Consequências militares e políticasEditar

 
A Espanha depois da conclusão da Ofensiva da Catalunha. A Espanha Nacionalista está em cinzento e a Espanha Republicana está em branco.

Com a queda da Catalunha, a República perdeu a segunda maior cidade do país, a indústria de guerra Catalã e uma grande parte do seu exército (mais de 200.000 soldados).[38] Em 27 de fevereiro, Azaña renunciou e no mesmo dia a França e o Reino Unido reconheceram o governo Franquista.[39] Mais resistência militar tornou-se impossível e a guerra foi perdida para a República, apesar de 30% da Espanha ainda estar sob controle Republicano após a ofensiva e o Primeiro-Ministro Juan Negrín insistiu que a República poderia continuar resistindo.[40]

A autonomia da Catalunha foi abolida. A língua Catalã, os nomes cristãos Sardana e Catalão foram proibidos. Todos os jornais Catalães foram requisitados e os livros proibidos retirados e queimados.[41] Até mesmo as inscrições nos túmulos do Cemitério de Montjuïc, que comemoravam Durruti, Ascaso e Ferrer i Guàrdia, foram removidas.[42]

Destino dos refugiados RepublicanosEditar

Os exilados Republicanos foram internados em quinze campos improvisados ​​(principalmente cercados de arame farpado na areia, sem abrigo básico, instalações sanitárias ou de cozinha)[43] pelo governo Francês em lugares como Argéles, Gurs, Rivesaltes e Vernet.[44] As condições de vida nos campos foram muito duras: nos primeiros seis meses, 14.672 refugiados morreram de desnutrição ou disenteria.[45] O governo Francês encorajou os refugiados a retornar e, no final de 1939, entre 70.000[46] e 180.000 refugiados retornaram à Espanha. No entanto, 300.000 nunca voltaram.[47] Muitos procuraram asilo em outros países: a União Soviética (entre 3.000[47] e 5.000),[48] EUA e Canadá (cerca de 1.000), Grã-Bretanha, Bélgica e outros países europeus (entre 3.000[49] e 5.000)[47] e América Latina (30.000 para o México, 10.000 para a Argentina, 5.000 para a Venezuela, 5.000 para a República Dominicana, 3.500 para o Chile, etc.).[49] [50] No entanto, pelo menos 140.000 refugiados permaneceram na França, enquanto 19.000 foram para as colónias Francesas do Norte da África.[49] Após a queda da França, 10.000[51] –15.000[52] refugiados foram detidos pelos Nazis e deportados para campos de concentração. Outros 10.000 ingressaram na Resistência Francesa[53] e mais de 2.000 juntaram-se às Forças Francesas Livres.[48]

NotasEditar

  1. a b c d e f g h Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 844
  2. a b c d Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 373
  3. Jackson, Gabriel. The Spanish Republic and the Civil War, 1931–1939. Princeton University Press. Princenton. 1967. pag. 463
  4. a b c Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 845
  5. a b c Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 368
  6. Jackson, Gabriel. The Spanish Republic and the Civil War, 1931–1939. Princeton University Press. Princeton. 1967. pag. 463
  7. a b c d Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 372
  8. a b Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag.844
  9. a b c d Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 382
  10. Thomas, pag. 877
  11. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 102
  12. a b Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. London. 2006. p. 292
  13. Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. Londres. 2006. pp. 292–293
  14. Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. Londres. 2006. p. 294
  15. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. p. 99
  16. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 372
  17. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pp. 372–373
  18. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 373
  19. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 847
  20. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 488
  21. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 111
  22. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. p. 374
  23. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pp. 375–376
  24. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pp. 374–376
  25. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. London. pag. 848
  26. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. páginas 376 e 484
  27. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 376
  28. a b Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 377
  29. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 845
  30. a b Preston, Paul. Doves of War. Four women of Spain. Harper Collins. London. 2002. p. 374
  31. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 378
  32. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. London. 2001. pag. 850
  33. Beevor, Antony. The battle for Spain. The Spanish civil war. Penguin Books. 2006. Londres. pp. 380–381
  34. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. pag. 379
  35. a b Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. Londres. 2006. pag. 295
  36. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. London. p. 854
  37. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 860
  38. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pag. 854
  39. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 165
  40. Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. Londres. 2006. pag. 296
  41. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. London 2006. pp. 378–379
  42. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. Londres. pp. 850–851
  43. Preston, Paul. Doves of War. Four women of Spain. Harper Collins. 2002. Londres. pag. 180
  44. Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. Londres 2006. pp. 411–412
  45. Preston, Paul. Doves of War. Four women of Spain. Harper Collins. 2002. Londres. pag. 180.
  46. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 117
  47. a b c Beevor, Antony. The Battle for Spain. The Spanish Civil War 1936–1939. Penguin Books. 2006. p. 412
  48. a b Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 120
  49. a b c «Archived copy». Consultado em 30 de abril de 2019. Arquivado do original em 8 de maio de 2012 
  50. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 115
  51. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 126
  52. Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. London. 2006. pag. 315
  53. Graham, Helen. The Spanish Civil War. A Very Short Introduction. Oxford University Press. 2005. pag. 125

FontesEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Ofensiva da Catalunha