Abrir menu principal

Wikipédia β

Ofensiva de Daraa (2018)
Guerra Civil Síria
Intervenção russa na Guerra Civil Síria
2018 Daraa Campaign.svg
Data 18 de Junho de 2018 - presente
Local Sul da Síria
Desfecho Em andamento
  • O Exército Árabe Sírio passa a controlar mais de 80% da província de Daraa, chegando à fronteira com a Jordânia
  • O governo sírio retoma controlo total sobre a cidade de Daraa, conhecida como "berço da Revolução" pela Oposição Síria
  • O EAS chega, pela primeira vez em vários anos, à zona controlada pelo Estado Islâmico
Beligerantes
Síria República Árabe Síria

 Rússia

 Irão
InfoboxHez.PNG Hezbollah
Emblem of Liwa Al-Quds.svg Liwa al-Quds
Emblem of the Palestine Liberation Army.svg Exército da Libertação da Palestina
Flag of the Syrian Social Nationalist Party.svg Partido Social Nacionalista Sírio
Shiism arabic blue.PNG Milícias xiitas
Síria Diversos ex-combatentes rebeldes (a partir de 22 de Junho)
Flag of Syria 2011, observed.svg Exército Livre Sírio
Flag of Jihad.svg Alwiya al-Furqan
Flag of Hayat Tahrir al-Sham.svg Tahrir al-Sham
Logo of Ahrar al-Sham.svg Ahrar al-Sham
Logo of Jaysh al-Islam.jpg Jaysh al-Islam
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Comandantes
Síria Brig. Gen. Suheil al-Hassan
Síria Cor. Ghiath Dalla
Síria Wajdi Abu Thalith (a partir de 22 de junho)
Síria Brig. Gen. Muhammad Naiouf
Síria Brig. Gen. Kamul Sarim
Síria Maj. Duraid Awad
Síria Ali Taha
SíriaEmblem of Liwa Al-Quds.svg Cor. Shady Agha
Flag of Liwa Abu al-Fadhal al-Abbas (Ceremonial).svg Maher Ajeeb Jazza
Shiism arabic blue.PNG Haidar al Jubouri
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Hatem Rakan al-Khadir
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Ayham
Flag of Syria 2011, observed.svg Ahmad al-Oodah
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Qusay Adham al-krad
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Omar al-Zagloul
Flag of Syria 2011, observed.svg Adnan Al Masalmeh
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Hussian Jelin
Flag of Syria 2011, observed.svg Abu Hamza Tarbash
Flag of Jihad.svg Muhammad Majid al-Khatib
Desconhecido
Unidades
Flag of the Syrian Arab Armed Forces.svg Forças Armadas da Síria

Banner of the Armed Forces of the Russian Federation (obverse).svg Forças Armadas da Rússia

Seal of the General Staff of the Armed Forces of the Islamic Republic of Iran.svg Forças Armadas do Irão

Shiism arabic blue.PNG Milícias xiitas

Logo of the Southern Front.png Frente do Sul

Flag of Syria 2011, observed.svg Exército do Sul (a partir de 8 de Junho)
Flag of Syria 2011, observed.svg Junta dos Revolucionários de Mahajah

Desconhecido
Forças
Síria 40.000 Flag of Syria 2011, observed.svg 30.000
Flag of Hayat Tahrir al-Sham.svg Várias centenas de combatentes
Desconhecido
Baixas
Síria 242 mortos Flag of Syria 2011, observed.svg Al-Liwaa.svg Flag of Jihad.svg 189 mortos, +450 rendidos Desconhecido

A Ofensiva de Daraa (2018), denominada "Operação Basalto", é uma operação militar lançada pelo Exército Árabe Sírio (EAS) e os seus aliados contra os rebeldes do Exército Livre Sírio (ELS) e outros grupos ligados à Oposição Síria no sul da Síria. Os combates começaram com um ataque surpresa em áreas controladas pelos rebeldes na parte leste da província de Daraa, em uma tentativa de fracturar as linhas controladas pelos rebeldes e enfraquecer a moral, antes da sua ofensiva na região sul da Síria.[1]

De acordo com as Nações Unidas (ONU), mais de 750.000 civis estão a ser afectados e a fugirem dos confrontos entre as tropas governamentais e rebeldes no sul da Síria, com muitos a fugirem para a fronteira com a Jordânia e com os Montes Golan, ocupados por Israel.[2][3] Recentemente, após acordos de reconciliação assinados pelo governo e os rebeldes, milhares de civis voltaram às suas casas.[4]

Índice

AntecedentesEditar

A cidade de Daraa é popularmente conhecida como o "berço da Revolução Síria",[5] visto que a tortura e a morte de vários jovens de Daraa foi um dos principais motivos para o eclodir do movimento opositor ao regime de Bashar al-Assad em 2011.[6][7] Muitos analistas consideram que uma potencial captura de Daraa pelas tropas governamentais seria uma vitória de grande simbolismo sobre os rebeldes, bem como um consolidar do controlo do sul sírio pelo governo sírio.

Para acalmar preocupações e prevenir uma potencial intervenção israelita, Rússia e Israel chegaram a um acordo antes da ofensiva em que forças apoiadas pelo Irão não iriam apoiar as forças governamentais sírias.[8] Além disto, os Estados Unidos, que publicamente anunciaram a sua oposição à ofensiva,[9] informaram os grupos rebeldes no sul da Síria para não esperarem por qualquer apoio americano.[10]

OfensivaEditar

Captura de al-LajatEditar

Em 18 de Junho, durante a noite, as forças governamentais sírias capturaram várias fazendas perto de Busra Al-Harir e Masekah. As forças do governo também atacaram as cidades de Busra Al-Sham, Ghariyah Oriental e Ghariyah Ocidental, controladas pela oposição. Os ataques foram focados em fortificações rebeldes dentro das cidades. Também foi relatado que a primeira fase da ofensiva do governo em Daraa se concentraria na zona leste e na captura do posto fronteiriço de Nasib. Enquanto o EAS lançavam os seus ataques, as forças rebeldes tentaram travar a ofensiva, avançando em direcção da província de Suwayda, mas foram travados.[11]

No dia 19 de Junho, os rebeldes bombardearam a cidade de As-Suwayda em resposta aos ataques do governo a suas posições, enquanto o exército sírio simultaneamente tinha uma outra ofensiva activa contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) na parte nordeste da província de Suwayda.[12][13][14] Enquanto isso, o EAS bombardearam meia dúzia de aldeias fora da cidade de Daraa.[15]

No início da manhã de 20 de Junho, as forças governamentais lideradas pelas Forças Tigre começaram a usar artilharia pesada e mísseis para tentarem tomar a cidade de Busra Al-Harir, depois de capturar uma base aérea nas proximidades.[16] Mais tarde, no mesmo dia, tropas do governo alegadamente capturaram duas aldeias e cortaram a região de al-Lajat,[17] embora os rebeldes negassem isso.[18] Posteriormente, a artilharia do EAS atingiu muitas aldeias.[19]

Em 21 de Junho, durante a madrugada, a Força Aérea da Síria realizou um ataque aéreo na área, especificamente contra uma base do grupo Ahrar al-Sham, perto de Al-Hirak, matando 10 combatentes do grupo. O ataque aéreo também atingiu quase meia dúzia de outras cidades e aldeias. Junto com o bombardeio aéreo, as forças governamentais também usaram mísseis terra-superfície e artilharia nas aldeias. Os militares sírios também teriam cortado linhas de suprimentos rebeldes na região.[20] Com as forças do governo lançando mísseis em áreas controladas pelos rebeldes e obtendo ganhos sucessivos, os rebeldes dispararam mísseis contra Suwayda em retaliação à ofensiva do governo.[21]

Em 22 de Junho, por causa do aumento dos combates ao longo da fronteira sírio-jordana, os militares jordanos foram posicionados em toda a fronteira norte da Jordânia com a Síria.[22] Fontes pró-oposição relataram que as forças do governo lançaram 12 bombas de barril contra Busra al-Harir e cidades vizinhas, enquanto fontes pró-governo informaram que o exército sírio disparou 30 mísseis contra Busra Al-Sham, Busra Al-Harir e Al -Karak.[23] Em 23 de Junho, depois de perder cinco cidades, os rebeldes atacaram posições do governo em Daraa. O ataque incluiu o uso de mísseis.[24]

Em 24 de Junho, aviões de guerra russos forneceram cobertura aérea para a ofensiva do governo sírio pela primeira vez,[25] enquanto as forças rebeldes conseguiram se infiltrar em pontos controlados pelo governo dentro da província de Suwayda, mas foram expulsos posteriormente.[26] No dia seguinte, as forças do governo capturaram toda a área de al-Lajat, incluindo 400 km2.[27][28]

Rápido avanço das forças governamentaisEditar

Em 26 de Junho, o EAS assumiu o controlo de Busra al-Harir após as Forças Tigre atacaram a cidade em múltiplos eixos e romperam as linhas rebeldes de defesa da cidade.[29] Mais tarde, na manhã do mesmo dia, as forças do governo capturaram duas outras cidades, com os combatentes rebeldes a retirarem-se para Al-Hirak.[30] Um contra-ataque rebelde durante a noite de 26 de junho reverteu parcialmente os ganhos do EAS, mas, na madrugada de 27 de Junho, o EAS havia restabelecido o controlo, avançando para capturar mais três aldeias e assim atingir os arredores de Al- Hirak.[31] Nesse ponto, o Programa Alimentar Mundial informou que cerca de 50 mil pessoas haviam fugido de suas casas no norte de Daraa em uma semana para escapar de bombas, abrigando-se em acampamentos improvisados no sul da província e na província de Quneitra.[32]

No dia 27 de Junho, o EAS capturou a Base da 52.ª Brigada, bem como uma aldeia ao sul da mesma. No final do dia, oito localidades foram abandonadas ou rendidas por forças rebeldes em sequência, incluindo Al-Hirak e duas bases.[33][34][35] Dois dias depois, fontes do governo informaram que alguns grupos e líderes rebeldes na parte sul da província de Daraa, em cidades como Tafas, Da'el, Ibta, Al-Karak e Al-Jay'lah, a leste da cidade de Daraa, concordaram em se renderem ao governo sírio em troca de acordos de reconciliação.[36][37] O EAS também alegadamente capturou três outras localidades de facções rebeldes.[36][37][38]

Em 30 de Junho, fontes pró-rebeldes informaram que, como resultado do bombardeio de forças pró-governo, o Teatro Romano de Bosra sofreu danos significativos, já tendo sido atingido por ataques aéreos russos em 28 de Junho.[39] Entre 30 de Junho e 1 de Julho, as forças governamentais assumiram o controlo de 13 cidades controladas pelos rebeldes, incluindo Bosra al-Sham, após a celebração de diversos acordos de rendição e reconciliação e com isto, o controlo do governo na província de Daraa aumentou para cerca de 60% da província.[40][41] Por esta altura, a ONU estimou o número de deslocados internos em mais de 160.000.[42]

Avanço em direcção à fronteira com a JordâniaEditar

Entre 1 e 4 de Julho, o EAS fez três tentativas frustradas de avançar em direcção ao posto fronteiriço de Nassib, e todas elas travadas pelas forças rebeldes. Durante os combates, fontes pró-governo informaram que o EAS não tinha muito apoio aéreo russo devido às negociações em andamento com os rebeldes.[43] No entanto, aviões de guerra sírios supostamente bombardearam Tafas em 1 de Julho, quando combatentes da Guarda Republicana e de Liwa Abu al-Fadl al-Abbas avançaram no terreno em direcção a Tafas.[44]

Em 2 de Julho, a ONU estimou que 270 mil civis foram desalojados pelos combates, incluindo 70 mil que buscavam abrigo na fronteira jordana mas impedidos de entrar no país. A parte civil da delegação da oposição às negociações de paz retirou-se das conversações com o governo e a Rússia.[45] No dia seguinte, enquanto a ofensiva foi interrompida, ocorreu uma explosão em um armazém usado pelo Hezbollah e por outras milícias apoiadas pelo Irão na parte norte da província de Daraa, ao longo de uma estrada entre Damasco e Daraa; vários meios de comunicação acusaram as Forças de Defesa de Israel (IDF) de realizar um ataque à instalação, com nenhum comentário a ser efectuado pelo governo israelita, e o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) também não conseguiu verificar a causa da explosão.[46][47] Até 4 de Julho, agências humanitárias disseram que oito hospitais foram bombardeados desde o início da ofensiva, com a morte de seis médicos e, no total, mais de 210 civis mortos e 500 feridos.[48] Enquanto isso, o Exército Khalid ibn al-Walid, afiliado ao EIIL, lançou um ataque contra as forças pró-governo na aldeia de Sheikh Maskin, resultando na morte de vários membros das Forças de Defesa Nacional (FDN).[49]

Em 3 de Julho, após os falhanços das rondas anteriores, negociações de paz entre a Rússia e os grupos rebeldes foram retomadas, com mediação da Jordânia.[41]

Em 4 de julho, a agência de notícias pró-governo Al-Masdar News informou que, de acordo com activistas pró-oposição, mais de 400 combatentes rebeldes desertaram para o EIIL devido à rendição rebelde de várias cidades, já que os combatentes desejavam continuar a lutar contra o governo.[50] Mais de 4.000 civis também teriam procurado refúgio no enclave de Yarmouk, controlado pelo Estado Islâmico.[50]

No dia seguinte, as forças governamentais capturaram a cidade de Saida, levando-as a cerca de seis quilómetros da fronteira de Nasib. O avanço veio após cerca de 600 ataques aéreos terem sido realizados na província[51] nas últimas 15 horas.[52] No final do dia, o EAS capturou meia dúzia de outras cidades e cinco pontos de fronteira depois de lançar um ataque ao sul de Busra Al-Sham. O avanço permitiu a captura de 230 quilómetros quadrados de território ao longo da fronteira[53] e trouxe de volta tropas do governo na fronteira jordana pela primeira vez desde 2015.[54] Naquela noite, entre 5 e 6 de Julho, as forças governamentais também tomaram Al-Naimah, a última cidade a leste da cidade de Daraa.[55]

Em 6 de julho, o EAS estava-se a aproximar de Nasib, chegando a três quilómetros da fronteira.[54] O EAS avançava em direcção ao posto fronteiriço por dois eixos, apertando as forças rebeldes. Uma fonte militar previu que o posto fronteiriço poderia "cair dentro de algumas horas".[56] Pouco depois, o posto de Nassib foi tomado[57] e no dia seguinte os soldados celebraram a captura enquanto as tropas se espalhavam pelas cidades e aldeias da região.[58] Com o controlo sendo estabelecido sobre a autoestrada Damasco-Amã, o EAS começaram a estabelecer postos de controlo e remover barreiras ao longo da autoestrada.[59]

Também a 6 de Julho, a imprensa oficial governamental e os rebeldes relataram que um acordo de cessar-fogo tinha sido celebrado com os grupos rebeldes a entregarem as armas, com aqueles que rejeitarem a terem a hipótese de serem transportados para Idlib.[60]

Cerco e captura da cidade de DaraaEditar

Em 8 de Julho, o Exército Árabe Sírio começou a juntar tropas para a captura da cidade de Daraa.[61] Com vários grupos rebeldes a renderem-se ao governo sírio, 11 grupos rebeldes formaram o Exército do Sul para continuar a lutarem contra o governo sírio e seus aliados no sul. O novo grupo rejeitou a rendição ao governo e prometeu continuar a lutar pela causa da Oposição Síria. As forças aéreas da Rússia e da Síria realizaram 72 ataques aéreos a partir do amanhecer.[62] Os ataques foram realizados após os rebeldes dispararem contra um comboio militar na autoestrada, perto de Um al-Mayazeen. As forças governamentais então começaram um ataque a Um al-Mayazeen, o que adiou a evacuação dos rebeldes.[63]

Em 10 de Julho, foi relatado que cerca de 4.000 pessoas fugiram para o território controlado pelos israelitas a partir do enclave controlado pelo Exército Khalid ibn al-Walid, afiliado ao EIIL, esperando um ataque do governo.[64] Mais tarde naquele dia, o EIIL realizou um ataque de carro-bomba contra as forças do governo na aldeia de Zayzun, no oeste de Daraa, alegando que o ataque matou mais de 35 combatentes pró-governo. No entanto, activistas pró-oposição relataram que o número de mortos é 14 e que também incluiu rebeldes recém-reconciliados.[65][66]

Em 11 de Julho, a imprensa pró-governo informou que a força aérea síria forneceu apoio aéreo ao ELS em confrontos contra o Exército Khalid ibn al-Walid na cidade de Hayt, na Bacia de Yarmouk,[67] e fontes da oposição relataram que aviões russos e helicópteros do governo atacaram Saham al-Golan, controlada pelo grupo afiliado ao Estado Islâmico, bombardeando com bombas de barril.[68] No dia seguinte, a filial do EIIL assumiu o controle de Hayt ao ELS.[69][70] Enquanto isso, o governo informou que um acordo foi concluído para que os rebeldes entregassem a cidade de Daraa, no sul, às forças do governo; A polícia militar russa e oficiais do governo entraram na cidade com jornalistas para levantar a bandeira do governo, embora combatentes rebeldes permanecessem na cidade.[71][72]

Quneitra e rendição rebeldeEditar

 
As mudanças de linha de frente (20/06 - 25/07) na ofensiva de Daraa.
    Controlado pelo governo sírio
    Controlado pela oposição síria
    Controlado pelo HTS
    Controlado pelo ISIS
    Áreas rebeldes que se reconciliaram com o governo

Em 20 de julho, combatentes rebeldes em Quneitra começaram a partir para Idlib depois de um acordo de evacuação foi feito com o governo sírio, permitindo que os militares sírios e as forças aliadas capturassem várias aldeias.[73][74] Na mesma época, um plano estava sendo finalizado para a evacuação de centenas de membros do grupo de defesa civil conhecido como Capacetes Brancos de áreas próximas às Colinas de Golã ocupadas por Israel e à Jordânia.[75]

A operação foi realizada pelo exército israelense em 22 de julho de 2018; no entanto, cerca de 300 Capacetes Brancos não conseguiram ser evacuados, pois foram encurralados pela intensificação dos combates entre as forças do exército sírio e o Estado Islâmico.[76][77]

Em 21 de julho de 2018, o governo sírio iniciou seu ataque ao bolsão do Estado Islâmico na província de Daraa, capturando a colina Tell al-Jumou, a sudoeste de Nawa, e também avançando perto da cidade de Jallin, capturando Tell Ashtara e outros áreas.[78] O Estado Islâmico afirmou ter matado 25 combatentes da oposição síria e militares sírios nos confrontos e também alegou capturar algumas aldeias.[79] Logo no dia seguinte, o governo avançou para a aldeia de Jallin.[80]

Referências

  1. «Syrian Army attempts to advance in east Daraa before upcoming offensive». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 19 de junho de 2018 
  2. «Hostilities in Syria's southwest, mean cuts in vital aid across Jordanian border: Senior UN official». UN News (em inglês). 28 de junho de 2018 
  3. «AFP.com». AFP.com (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2018. 
  4. «Uprooted Syrians return from Jordan border». BBC News (em inglês). 8 de julho de 2018 
  5. Wintour, Patrick (27 de junho de 2018). «Syrian forces' push into east Daraa 'could spark humanitarian crisis'». the Guardian (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2018. 
  6. «Witness: Syrian tortured for not praising Assad» (em inglês) 
  7. Editorial, Reuters. «Witness: Shattered humanity inside Syria's security apparatus». U.S. (em inglês) 
  8. Ensor, Josie; Sanchez, Raf (29 de maio de 2018). «Russia and Israel 'agree deal' to hold back Iranian militias so Assad can take border region». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  9. «Activists: Syrian government steps up offensive in southwest | WTOP». WTOP (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2018. 
  10. Reuters (24 de junho de 2018). «You're on your own, US tells Syrian rebels, as Assad goes on offensive». the Guardian (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2018. 
  11. «Syrian military attacks east Daraa ahead of southwest Syria offensive». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 18 de junho de 2018 
  12. «Syrian Druze city shelled for first time in years as fighting intensifies» (em inglês) 
  13. agencies, The New Arab &. «Shells hit Syria's Sweida for first time in three years». alaraby (em inglês) 
  14. «Jihadists carry out first attack on Sweida city in years». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 19 de junho de 2018 
  15. «Syrian regime forces killed 2 civilians in Nahta village in Daraa suburbs, on June 19 - Syrian Network for Human Rights». Syrian Network for Human Rights (em inglês). 19 de junho de 2018 
  16. «Breaking: Syrian Army launches small offensive in northeast Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 20 de junho de 2018 
  17. «Syrian Army scores first major advance in southwest Syria». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 20 de junho de 2018 
  18. «قوات الأسد تفشل في التقدم بمحيط اللجاة بريف درعا - عنب بلدي». www.enabbaladi.net (em árabe). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  19. «No sleep for rebels in Daraa tonight as Syrian troops launch big assault». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 21 de junho de 2018 
  20. «No sleep for rebels in Daraa tonight as Syrian troops launch big assault». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 21 de junho de 2018 
  21. «Jihadi groups launch second attack on Suwayda as battles in northeast Daraa rage». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 21 de junho de 2018 
  22. «Jordanian Army sends large convoy to Syrian border». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 22 de junho de 2018 
  23. «Syrian Army launches major assault on rebel stronghold in northeast Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 22 de junho de 2018 
  24. «Rebels launch retaliatory attack after Syrian Army advances in southwest Syria». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 23 de junho de 2018 
  25. Editorial, Reuters. «Russian jets strike rebel held town in Syria: opposition sources». U.S. (em inglês) 
  26. «Rebel forces launch fresh attack in southeast Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 24 de junho de 2018 
  27. «Daraa Map Update: Rebels collapse as Army recaptures Lajat region». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 26 de junho de 2018 
  28. «Government Forces Take Control Of Entire Lajat District As Militants Surrender - Unconfirmed» (em inglês). 25 de junho de 2018 
  29. «Syrian Army seizes another town in southwest Syria». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 26 de junho de 2018 
  30. «Syrian Army reaches outskirts of rebel stronghold in southwest Syria». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 26 de junho de 2018 
  31. «Syrian Army captures 54km2 of territory in east Daraa - map». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 27 de junho de 2018 
  32. «WFP responds to the emergency in southern Syria with cross-border food deliveries for displaced». ReliefWeb (em inglês) 
  33. «Syrian Army captures large military base in east Daraa Syrian Army captures large military base in east Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 28 de junho de 2018 
  34. «Rebels abandon several areas in east Daraa as Syrian troops advance». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 28 de junho de 2018 
  35. «Syrian Army enters 2 rebel settlements in Daraa - SANA». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 28 de junho de 2018 
  36. a b «Breaking: Syrian Army makes first advance west of Daraa city». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 29 de junho de 2018 
  37. a b «Syrian Army enters another town in east Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 29 de junho de 2018 
  38. «Syrian Army takes control of another town in northern Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 29 de junho de 2018 
  39. «Bosra Amphitheater: Syrian World Heritage Site Is Again Target for Shelling». Enab Baladi (em inglês). 30 de junho de 2018 
  40. «Regime reclaims more ground in south Syria: monitor». France 24 (em inglês). 1 de julho de 2018 
  41. a b «Jordan mediating Russia and rebel talks for southern Syria handover». The National (em inglês) 
  42. Wintour, Patrick (1 de julho de 2018). «Israel deploys border reinforcements as Syrians flee strikes». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  43. «Rebels forestall Syrian Army troops pushing towards Jordanian border». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 4 de julho de 2018 
  44. «Iranian-backed militia, Syria threaten to cut off rebels near Golan». The Jerusalem Post | JPost.com 
  45. «Syrian rebels say talks with Russia over southern truce fail». Arab News (em inglês). 4 de julho de 2018 
  46. «Blast reported at Syrian warehouse used by Iranian-backed militias» (em inglês) 
  47. «Explosions Reported in Syrian, Iranian Weapons Depots in Southern Syria». Haaretz (em inglês). 3 de julho de 2018 
  48. Shaheen, Kareem (4 de julho de 2018). «Fears grow for safety of 270,000 Syrians fleeing fighting in Deraa». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  49. «Breaking: ISIS launches first attack on Syrian Army troops in west Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 3 de julho de 2018 
  50. a b «Over 400 rebels allegedly defect to ISIS in west Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 4 de julho de 2018 
  51. «Syria, Russia resume southern offensive after talks collapse». Fox News (em inglês). 5 de julho de 2018 
  52. «More than 600 airstrikes target Daraa Province in 15 hours of the return of the hysterical shelling». OSDH. 5 de Julho de 2018. Consultado em 13 de Julho de 2018. 
  53. «Syrian Army captures 230km2 of territory along Jordanian border - map». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 6 de julho de 2018 
  54. a b «South Syrian rebels agree surrender deal, Assad takes crossing». TODAYonline 
  55. «Breaking: Syrian Army captures last town before Daraa city». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 6 de julho de 2018 
  56. «Daraa Map Update: Syrian Army inching closer to recapture Nassib crossing». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 6 de julho de 2018 
  57. «Syrian Army Takes Jordan Border Crossing From Rebels, State TV Says». Bloomberg.com (em inglês) 
  58. «Syrian Troops Celebrate Recapture of Jordan Border Crossing» (em inglês) 
  59. «Syrian government regains control over Damascus-Amman Highway». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 7 de julho de 2018 
  60. «Rebels expected to hand heavy weapons to Assad as south Syria deal said reached» (em inglês) 
  61. «Syrian Army prepares for major showdown in Daraa city». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 8 de julho de 2018 
  62. «Assad regime strikes opposition areas in Syria's Daraa despite truce». DailySabah 
  63. «Syria regime pounds South, rebel evacuations postponed». english.alarabiya.net (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  64. «Syrians in Islamic State-held area flee toward Israel border» (em inglês) 
  65. «Syria army attacks IS enclave in south-west». BBC News (em inglês). 11 de julho de 2018 
  66. Arab, The New. «Suicide bomber targets Syrian rebel and regime fighters in Daraa». alaraby (em inglês) 
  67. «Syrian Air Force helps rebel forces beat back ISIS in west Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 11 de julho de 2018 
  68. «Syria army attacks IS enclave in south-west». BBC News (em inglês). 11 de julho de 2018 
  69. agencies, The New Arab &. «IS-linked group seizes village in south Syria». alaraby (em inglês) 
  70. «Breaking: Rebels handover strategic town to ISIS in west Daraa». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 12 de julho de 2018 
  71. «Assad's army enters Daraa to take control of the cradle of 2011 uprisings». Assad's army enters Daraa to take control of the cradle of 2011 uprisings (em turco). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  72. Shaheen, Kareem (12 de julho de 2018). «Assad's forces retake Daraa, birthplace of Syria's uprising». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2018. 
  73. «Syrian army continues push into Quneitra amid ongoing evacuations». Al Jazeera. 22 de julho de 2018. Consultado em 24 de julho de 2018. 
  74. Musa, Esref; Karacaoglu, Burak (23 de julho de 2018). «3rd convoy of evacuees from Quneitra arrive in Idlib». Anadolu Agency. Consultado em 24 de julho de 2018. 
  75. Allies Prepare to Evacuate White Helmets From Southwest Syria Time, 20 July 2018.
  76. Syrian 'White Helmets' flee to Jordan with Israeli, Western help Reuters, 22 de julho de 2018.
  77. 300 White Helmet rescue workers still trapped in Syria CNN, 23 de julho de 2018.
  78. Zen Adra (21 de julho de 2018). «BREAKING: Syrian Army launches final assault against ISIS in southwest Syria». Al-Masdar News. Consultado em 21 de julho de 2018. 
  79. https://ent.siteintelgroup.com/Statements/is-hauran-province-claims-killing-25-and-capturing-several-villages-in-daraa.html
  80. Leith Aboufadel (22 de julho de 2018). «Breaking: Syrian Army scores big advance against ISIS in southwest Syria after Russian air raid». Al-Masdar News. Consultado em 22 de julho de 2018.