Abrir menu principal
Oku Yasukata

O conde Oku Yasukata (奥 保鞏, 5 de janeiro de 1847 – 19 de julho de 1930) foi um marechal de campo do Exército imperial japonês e um dos personagens principais do exército nacional do Japão no final do século XIX e princípio do século XX.

BiografiaEditar

Início da carreiraEditar

Nascido em Kokura (hoje Kitakyushu) em uma família samurai. Oku se alistou nas forças militares do domínio Chōshū durante a Guerra Boshin para derrubar o Xogunato Tokugawa e abrir espaço para a Restauração Meiji.[1]

Carreira militarEditar

Com o sua nomeação como comandante, no novo Exército imperial japonês, Oku lutou contra os insurgentes durante a Rebelião de Saga em 1871. Mais tarde, foi um dos participantes da Expedição ao Taiwan de 1874. Durante a Rebelião Satsuma, defendeu o castelo de Kumamoto, durante um cerco, como comandante do 13º Regimento de Infantaria.

Durante a Primeira Guerra Sino-Japonesa, Oku tomou o comando (deixado pelo general Nozu Michitsura) da 5.ª divisão do 1º Exército Japonês. Posteriormente, foi comandante da Guarda Imperial do Japão e Governador-geral para a defesa de Tóquio. Foi elevado ao título de barão em 1895, e foi promovido a General do Exército em 1903.[2]

Durante a guerra russo-japonesa, Oku foi comandante general do 2º Exército Japonês e foi notável o papel que desempenhou nas batalhas de Nanshan, Shaho, Mukden e em outras campanhas.[3]

Em 1906, Oku recebeu a Ordem de Milão de Ouro de 1.ª classe, e foi elevado de barão a conde em 1907. Em 1911, recebeu o título honorário de marechal de campo.[4]

Oku não gostava de assistir conferências sobre e estratégia e tática, e por isso ganhou a reputação de ser, ao mesmo tempo, um lobo solitário e um brilhante estrategista capaz de realizar ações independentes. Entretanto, de fato, Oku não assistia as conferências de estratégias devido a sua parcial surdez e sua inabilidade em compreender e contribuir nas discussões.

Últimos diasEditar

Oku não estava interessado em política, e viveu em retiro depois da guerra. Sua morte, em 1930, surpreendeu muita gente que pensava que ele já estava morto há anos.

Referências

  1. Craig, Choshu in the Meiji Restoration
  2. National Diet Library, Portraits of Modern Historical Figures
  3. Jukes, The Russo-Japanese War
  4. Dupuy, Encyclopedia of Military Biography