Olga Feodorovna da Rússia (Cecília de Baden)

Olga Feodorovna
Grã-Duquesa da Rússia
Marido Miguel Nikolaevich da Rússia
Descendência Nicolau Mikhailovich
Anastásia Mikhailovna
Miguel Mikhailovich
Jorge Mikhailovich
Alexandre Mikhailovich
Sérgio Mikhailovich
Alexis Mikhailovich
Casa Zähringen (por nascimento)
Holsácia-Gottorp-Romanov (por casamento)
Nome completo Cecília Augusta (Nome de batismo)
Olga Feodorovna (Nome cristão-ortodoxo)
Nascimento 20 de setembro de 1839
  Karlsruhe, Grão-Ducado de Baden
Morte 12 de abril de 1891 (51 anos)
  Carcóvia, Império Russo
Enterro Catedral de Pedro e Paulo,
São Petersburgo, Rússia
Pai Leopoldo, Grão-Duque de Baden
Mãe Sofia da Suécia
Religião Ortodoxa Russa
(anteriormente Luteranismo)

Olga Feodorovna da Rússia (Karlsruhe, 20 de setembro de 1839Carcóvia, 12 de abril de 1891) foi a esposa do grão-duque Miguel Nikolaevich da Rússia, o filho mais novo do imperador Nicolau I.

Nasceu como princesa Cecília Augusta, a filha mais nova de Leopoldo, Grão-Duque de Baden e de sua esposa, Sofia da Suécia. Cecília trocou seu nome para Olga, por razão de sua conversão à fé ortodoxa.

Ela recebeu uma estrita educação na corte de Baden em Karlsruhe, tornando-se uma mulher culta. Em 28 de agosto de 1857, ela se casou com Miguel Nikolaevich da Rússia, o filho mais novo de Nicolau I da Rússia. Após seu casamento, ela se converteu a Igreja Ortodoxa Russa e mudou seu nome para Olga Feodorovna com o título de Grã Duquesa da Rússia.[1] Invulgarmente entre os Romanovs da sua geração, seu casamento foi uma união longa e feliz. O casal permaneceu dedicado um ao outro. Ela criou os sete filhos com uma mão de ferro.

Entre 1862 e 1882, ela viveu com seu marido e seus filhos no Cáucaso em um palácio em Tiflis. Ela era uma forte defensora das atividades governamentais do marido como vice-rei da região e interessava-se por instituições de caridade, particularmente no campo da educação feminina. Em 1882, a família retornou para a Corte Imperial em São Petersburgo para um grande palácio as margens do Rio Neva. Com uma personalidade forte e uma língua afiada, a Grã Duquesa Olga Feodorovna não era um membro popular na família Romanov. Ela passou os últimos anos da sua vida viajando frequentemente, tentando encontrar alívio para sua saúde debilitada. Ela morreu de um ataque do coração quando viajava de trem para a Criméia.

Início da vidaEditar

A grã-duquesa Olga Feodorovna nasceu em 20 de setembro de 1839 em Karlsruhe como Cecília Augusta, Princesa e Marquesa de Baden. Ela era a filha mais nova entre os sete filhos de Leopoldo, Grão-Duque de Baden e sua meia-sobrinha Sofia da Suécia. Ela era uma descendente de Jorge II da Grã-Bretanha e da dinastia russa Rurik através de Ana de Quieve, rainha da França e filha de Jaroslau I, o Sábio.

O pai de Cecília, o grão-duque Leopoldo, descendia de um ramo morganático da família Baden (sua mãe era Luísa Carolina de Hochberg, uma nobre) e, portanto, não tinha direitos a um status principesco ou os direitos soberanos da Casa de Zähringen de Baden. No entanto, em 1830 ele ascendeu ao trono como Grão-Duque de Baden depois da linha de sucessão de sua família desapareceu. Leopoldo foi considerado o primeiro governante alemão que realizou as reformas liberais em seu país.

A mãe de Sofia, Sofia da Suécia, era filha de Gustavo IV Adolfo da Suécia e Frederica de Baden, e irmã de Isabel Alexeivna. Ao contrário do marido, Sofia da Suécia apoiou políticas conservadoras. Durante o tumulto causado pelo aparecimento de Kaspar Hauser, havia boatos de que Sofia tinha ordenado o assassinato de Hauser em 1833. Isso prejudicou o relacionamento entre o casal e segundo boatos, Sofia acabou tendo um caso. Rumores na corte atribuíam a paternidade de Cecília, a última filha do casal, a um banqueiro judeu chamado Haber. Não existem evidências históricas para confirmar essa alegação.[2]

Durante a infância de Cecília, uma revolução entre 1848 e 1849 forçou a família grã-ducal a fugir de Karlsruhe para Koblentz. Cecília tinha 12 anos quando seu pai morreu em 1852. A princesa Cecília recebeu uma educação espartana. Sua relação com seus pais era formal e não afetuosa. Mais tarde, ela aplicaria os mesmos métodos para educar seus filhos. Ela cresceu e se tornou uma garota de língua afiada, espirituosa e instruída. Com maças do rosto altas e olhos oblíquos, ela tinha uma aparência eurasiana.

CasamentoEditar

A história do primeiro encontro entre Cecília e o grão-duque Miguel Nikolaevich não foi registada, mas o casamento aconteceu por amor e Cecília teve sorte: dos quatro filhos do czar Nicolau I, apenas Miguel foi fiel durante todo o casamento. Cecília tinha dezasseis anos quando ficou noiva. Miguel disse à sua cunhada Maria Alexandrovna que tinha escolhido o nome "Olga Fedorovna" porque não gostava de "Cecília".

 
Olga com o seu filho Sérgio

Os dois casaram-se no Palácio de Inverno a 16/28 de agosto de 1857: Rezei fervorosamente, escreveu Miguel no seu diário, e agradeci a Deus com todo o meu coração por poder viver este dia. O casal era muito adorado no geral e a rainha Vitória achava-os muito amáveis e amigáveis e, sobre a grã-duquesa, disse: tem muito bom humor, é alegre, muito encantadora - tão calma e gentil (...) Ficamos encantados com ele e ouvi dizer que, para onde quer que ele vá, todos os adoram, classes altas e baixas. A sua filha chamou-o 'uma criatura de Deus em todos os sentidos.[3]

Vida no CáucasoEditar

Em 1862, o grão-duque Miguel Nikolaevich foi nomeado vice-rei do Cáucaso, uma posição que manteve durante quase vinte anos. O casal tinha a sua corte no palácio de Tbilisi e quatro dos seus sete filhos nasceram nesta região. Apesar de viver longe da capital, Olga adaptou-se completamente ao estilo de vida do país do marido e achava-se completamente russa. A posição de vice-rainha permitia-lhe um certo nível de autonomia ao lado do marido e foi ela que abriu a primeira escola para meninas no Cáucaso, bem como um instituto técnico exclusivamente feminino. Também se envolveu em trabalhos médicos, principalmente durante a Guerra russo-turca de 1877–1878. Gostava de saber o que se passava à sua volta e as suas observações eram reveladoras. Uma das suas damas-de-companhia descreveu-a mais tarde como uma mulher anormalmente esperta, com um sentido crítico afiado. Alguns círculos sociais temiam-na profundamente devido aos seus comentários maldosos. Pessoalmente, não senti nada senão gentileza e consideração da parte dela (...)[4]

MorteEditar

Olga foi a primeira nora do czar Nicolau I a morrer. Tinha-se queixado de má saúde durante muitos anos e foi atrás de uma cura ilusória por muitas cidades spa europeias. Sempre se disse que tinha sido o telegrama com a notícia do casamento ilegal do seu filho Miguel que lhe provocou o ataque cardíaco que a viria a matar numa estação de comboio em Cracóvia, mas tal como muitas histórias do género, esta é uma versão distorcida do que realmente aconteceu. A notícia sobre o que Miguel tinha feito já tinha chegado a São Petersburgo antes de Olga partir para a Crimeia. Foi por causa disso que ela decidiu partir mais cedo e sozinha a 28 de março de 1891, dizendo a Maria Feodorovna que não se estava a sentir bem e precisava de tempo para recuperar em paz. Adoeceu no comboio nessa mesma noite e regressou a Cracóvia cerca de sete horas depois de ter passado pela estação. Os médicos foram chamados ao compartimento e ordenaram que a grã-duquesa fosse levada para a sala-de-espera do czar. Ficou lá dois dias antes de morrer na companhia dos criados.[5]

DescendênciaEditar

Nome Nascimento Morte Cônjuge e filhos
Nicolau Mikhailovich da Rússia 26 de abril de 1859 28 de janeiro de 1919 Nunca se casou. Ele foi assassinado pelos Bolchevique durante a Revolução Russa de 1917.
Anastásia Mikhailovna da Rússia 28 de julho de 1860 11 de março de 1922 Casou com o Frederico Francisco III, Grão-Duque de Mecklemburgo-Schwerin.

4 filhos:

Miguel Mikhailovich da Rússia 16 de outubro de 1861 26 de abril de 1929 Casou-se com Sofia de Merenberg.

3 filhos:

Jorge Mikhailovich da Rússia 23 de agosto de 1863 28 de janeiro de 1929 Casou-se com Maria da Grécia e Dinamarca.

2 filhas:

Alexandre Mikhailovich da Rússia 13 de abril de 1866 26 de fevereiro de 1933 Casado com Xenia Alexandrovna da Rússia.

7 filhos:

Sérgio Mikhailovich da Rússia 7 de outubro de 1869 18 de julho de 1818 Nunca se casou e nem teve filhos.
Alexis Mikhailovich da Rússia 28 de dezembro de 1875 2 de março de 1895 Morreu de Tuberculose aos dezenove anos de idade.

AncestraisEditar

Referências

  1. C, Arnold McNaughton (1973). The Book of Kings: A Royal Genealogy, in 3 volumes. Londres: Garnstone Press 
  2. COCKFIELD, Arnold McNaughton. White Crow. [S.l.: s.n.] 
  3. Zeepvat, 42
  4. Zeepvat, 42
  5. Zeepvat, 184

BibliografiaEditar

  • ZEEPVAT, Charlotte, "The Camera and the Tsars", Sutton Publishing, 2004
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Olga Feodorovna da Rússia (Cecília de Baden)