Abrir menu principal
Omar Ali-Shah
Nascimento 1922
Morte 7 de setembro de 2005 (83 anos)
Jerez de la Frontera
Sepultamento Cemitério de Brookwood
Cidadania Afeganistão
Irmão(s) Idries Shah
Ocupação escritor, professor

Omar Ali-Shah (em hindi: ओमर अली शाह, em urdu: عمر علی شاہ) (Afeganistão, 1922 - Jerez de la Frontera, 7 de Setembro de 2005) foi um grande expoente do Sufismo Naqshbandi moderno. Escreveu diversos livros sobre esse assunto e foi o mestre de um grande número de grupos sufis, sobretudo na Europa, América Latina e no Canadá. Ensinou a Tradição Sufi a mais de 2.000 discípulos livremente organizados em pequenos grupos por todo o mundo ocidental.

Vida e obraEditar

Omar Ali-Shah nasceu em 1922 numa família cuja ascendência remonta ao ano de 122 a.C., passando pelo Profeta Mohammed e aos imperadores sassânidas da Pérsia. Era filho do Sirdar Ikbal Ali Shah de Sardhana, Uttar Pradesh, Índia e irmão mais velho de Idries Shah, também escritor e mestre sufi.

Omar Ali-Shah ganhou notoriedade em 1967, quando publicou, junto a Robert Graves, uma nova tradução dos Rubaiyat, de Omar Khayyam[1][2][3] Essa tradução rapidamente se tornou controversa. Graves foi acusado de tentar quebrar o encanto de passagens famosas na tradução victoriana de Edward FitzGerald e L. P. Elwell-Sutton, um orientalista da Universidade de Edimburgo sustentava que o manuscrito usado por Ali-Shah e Graves - que Ali-Shah afirmava estar em posse de sua família por 800 anos - era uma "falsificação grosseira".

Os irmãos Idries Shah e Omar Ali-Shah trabalharam e ensinaram juntos por algum tempo nos anos 1960, mas depois se colocaram em caminhos diferentes.


 
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Referências

  1. Graves, Robert, Ali-Shah, Omar: The Original Rubaiyyat of Omar Khayyam, ISBN 0-14-003408-0, ISBN 0-912358-38-6
  2. Carta de Doris Lessing aos editores do The New York Review of Books, datada de 22 de Outubro de 1970, com uma resposta de L. P. Elwell-Sutton (em inglês)
  3. Stuffed Eagle, Time magazine, 31 de Maio 1968 (em inglês)