Onestaldo de Pennafort

Onestaldo de Pennafort Caldas (Rio de Janeiro, 1902 - 1987) foi um poeta e tradutor brasileiro. Iniciou seus estudos em Direito, interrompendo-os por volta de 1918. Seu primeiro livro de poesias, Escombros Floridos, foi publicado em 1921.

Onestaldo de Pennafort
Nascimento 1902
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 1987 (85 anos)
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor e tradutor
Prémios Prémio Machado de Assis 1955

Entre os anos de 1920 e 1950, colaborou com diversos periódicos, entre eles, Fon-Fon, Careta, Autores e Livros, Para Todos e O Malho [1]

Tradutor de Paul Verlaine, Guillaume Apollinaire, Jean Cocteau, Stephane Mallarmé, William Shakespeare e Gustave Flaubert, entre outros, recebeu, em 1955, o Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto de sua obra, e em 1956, o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, pela tradução da peça Otelo, Shakespeare.

Sua obra marcou o período final do movimento simbolista brasileiro, sendo frequentemente citado como o último poeta deste "ismo", sendo também um abridor de caminhos para a poesia de vanguarda, em função de suas traduções.

Referências

  1. [ttp://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/rio_de_janeiro/onestaldo_de_pennafort.html Miranda, Antonio. Onestaldo de Pennafort. dezembro de 2008.]

Ligações externasEditar

e Andréia Guerini. Dicionário de tradutores literários do Brasil. Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução, UFSC. 3 de Maio de 2007.]