Abrir menu principal
Campanha Anfal
Parte do Conflito curdo-iraquiano
Iraqi mass grave.jpg
Restos mortais de vítimas do massacre, encontrados na cidade de Zahko, no curdistão iraquiano.
Data 12 de março de 19867 de junho de 1989
Local Norte iraquiano
Desfecho Vitória parcial do governo baathista iraquiano com enfraquecimento da insurgência
  • Destruição de 4 500 vilarejos e massacre da população local;
Combatentes
Flag of Iraq (1991–2004).svg Iraque Former Flag of KDP.png PDC
Flag of PUK.png UPC
Líderes e comandantes
Flag of Iraq (1991–2004).svg Saddam Hussein
Flag of Iraq (1991–2004).svg Ali Hassan al-Majid
Flag of Iraq (1991–2004).svg Sultan Hashim Ahmad al-Tai
Flag of Iraq (1991–2004).svg Hussein Rashid al-Tikriti
Flag of Iraq (1991–2004).svg Farhan Jubouri
Flag of Iraq (1991–2004).svg Saber Abdel Aziz al-Douri
Flag of Iraq (1991–2004).svg Taher Tawfiq al-Ani
Flag of Iraq (1991–2004).svg Ayad Abbas Al-Nassri
Flag of Iraq (1991–2004).svg Wafiq Al-Samarrai
Former Flag of KDP.png Massoud Barzani
Flag of PUK.png Jalal Talabani
Flag of PUK.png Nawshirwan Mustafa
Forças
200 000 combatentes 3 500 combatentes
Vítimas
Desconhecido 50 000[1]-182 000[2] mortos (maioria esmagadora de civis)

A campanha de Al-Anfal (em árabe: حملة الأنفال), também conhecida como Operação Anfal ou simplesmente Anfal foi uma campanha [3] de genocídio contra o povo curdo no Curdistão iraquiano, liderado pelo regime iraquiano de Saddam Hussein e dirigido por Ali Hassan al-Majid. A campanha leva o nome de Sura al-Anfal, no Alcorão, que foi usado como um nome de código pelo ex-regime iraquiano do Baath para uma série de ataques contra os rebeldes peshmerga e a população civil maioritariamente curda das zonas rurais do Norte do Iraque, realizada entre 1986 e 1989, culminando em 1988. Esta campanha também teve como alvo os shabaks e yazidis, assírios[carece de fontes?] e os turcomanos iraquianos, e muitas aldeias pertencentes a estes grupos étnicos também foram destruídas.

ResumoEditar

A campanha de Anfal começou em 1986 e durou até 1989, e foi dirigida por Ali Hassan al-Majid (um primo do então líder iraquiano Saddam Hussein, da cidade natal de Saddam, Ticrite). A campanha de Anfal incluiu o uso de ofensivas terrestres, bombardeios, destruição sistemática de povoados, deportações em massa, pelotões de fuzilamento e, guerra química, o que valeu o apelido de al-Majid, de "Ali Químico".

Milhares de civis foram mortos durante as campanhas anti-insurgentes que se estendem desde a primavera de 1987 até o outono de 1988. Os ataques foram parte de uma campanha de longa data, que destruiu quase todas as aldeias curdas em áreas do norte do Iraque onde os insurgentes pró-iranianos estavam baseados e deslocou pelo menos um milhão do país cerca de 3,5 milhão de população curda. Fontes independentes estimam de 100 000 para mais de 150 000 mortes e cerca de 100 000 viúvas e um número ainda maior de órfãos .[4] A Amnistia Internacional recolheu os nomes de mais de 17 000 pessoas que tinham "desaparecido" durante 1988.[5] A campanha foi caracterizada como natureza de genocídio.

ArabizaçãoEditar

A "Arabização", outro elemento importante de Al-Anfal, foi uma tática usada pelo regime de Saddam Hussein que obrigou centenas de milhares de famílias curdas e assírias,[6][7][8][9] a retirarem de suas casas em Quircuque, após uma revolta curda, e deu as suas casas para os trabalhadores árabes dos campos de petróleo, bem como a outras pessoas não-curdas que Saddam deslocou do sul do Iraque para a cidade; assim, as populações pró-rebeldes retirarem-se de suas casas nas vilas e cidades como Quircuque, que estão nas áreas dos valiosos campo de petróleo, e foram recolocados em partes do sul do Iraque.[10] A campanha utilizou pesada redistribuição populacional, principalmente em Quircuque. O regime Ba'athista de Saddam construiu várias instalações de habitação pública em Quircuque como parte de sua "arabização", deslocando árabes pobres de regiões do sul do Iraque a Quircuque com a atração de habitação de baixo custo. Esta campanha violenta de arabização era uma tentativa de transformar a cidade historicamente multi-étnica de Quircuque, em uma cidade árabe. Famílias curdas ficaram sem casas depois de terem sido expulsas à força por soldados iraquianos de Saddam, e, portanto, tiveram que migrar para campos de refugiados. Após a queda do regime de Saddam Hussein, muitas famílias curdas voltaram a Quircuque.

ConsequênciasEditar

O genocídio xiita tem mobilizado a população contra isso no século XXI e há uma unidade entre cristãos e xiitas nessa questão.[11] O Estado judeu tem apoiado desde 2010 o genocídio xiita dos rebeldes na Síria.[12] Segundo John Kerry e Obama,[13] o ISIS é a encarnação do genocídio eterno da humanidade a partir da população xiita e cristã.[14] Esse genocídio é associado a cristofobia e ao genocídio dos alauítas pelo Kerry e outros também.[15][16][17]

Ver TambémEditar

Referências