Operação Cartago

Operação Cartago, em 21 de março de 1945, foi um ataque aéreo britânico em Copenhague, Dinamarca durante a Segunda Guerra Mundial, que causou dano colateral significativo. O alvo do ataque era a Shellhus, a sede da Gestapo no centro da cidade. Foi usada para o armazenamento de dossiês e a tortura de cidadãos dinamarqueses durante os interrogatórios. A resistência dinamarquesa há muito pedia aos ingleses que fizessem uma incursão contra o local. O prédio foi destruído, 18 prisioneiros foram libertados e as atividades anti-resistência nazistas foram interrompidas. Um documentário online inclui imagens feitas pela RAF e entrevistas com os envolvidos[1] Parte do ataque foi dirigida erroneamente contra uma escola próxima; o ataque causou a morte de 125 civis (incluindo 86 crianças em idade escolar e 18 adultos na escola). O ataque aéreo de Aarhus foi um ataque semelhante contra a sede da Gestapo em Aarhus em 31 de outubro de 1944, que teve sucesso.

Operação Cartago
na Segunda Guerra Mundial
Shellhuset12.jpg
Data 21 de março de 1945
Local Copenhague, Dinamarca
Desfecho Vitória britânica
Beligerantes
Austrália RAAF
Reino Unido Força Aérea Real
Nova Zelândia RNZAF
Flag of Germany 1933.svg Gestapo
War Ensign of Germany 1938-1945.svg Kriegsmarine
Forças
20 bombardeiros, 30 caças defesas antiaéreas
Baixas
6 aeronaves destruídas
9 tripulantes mortos
1 tripulante capturado
Sede da Gestapo dinamarquesa destruída
55 soldados alemães e 47 funcionários dinamarqueses da Gestapo mortos
125 civis dinamarqueses mortos, incluindo 86 alunos
8 prisioneiros dinamarqueses da Gestapo mortos

AntecedentesEditar

O ataque foi solicitado por membros da resistência dinamarquesa para libertar membros presos e destruir os registros da Gestapo, para interromper suas operações. A RAF inicialmente recusou o pedido por ser muito arriscado, devido à localização no centro da cidade lotado e à necessidade de bombardeios de baixo nível, mas eles aprovaram o ataque no início de 1945 após repetidos pedidos. Depois que a aprovação foi dada, o planejamento do ataque levou várias semanas; modelos em escala do edifício alvo e da cidade ao redor foram construídos para uso por pilotos e navegadores em preparação para um ataque de nível muito baixo.

AtaqueEditar

As forças do ataque consistia em caça-bombardeiros de Havilland DH.98 Mosquito F.B.VI da Força Aérea Real do Grupo N.º 2 da RAF da Asa N.º 140 da RAF, compreendendo o Esquadrão N.º 21 da RAF, Esquadrão N.º 464 da RAAF e Esquadrão N.º 487 da RNZAF. As aeronaves voaram em três ondas de seis aviões cada, com dois Mosquito B.IVs de reconhecimento da Unidade de Produção de Filmes da Força Aérea Real para registrar os resultados do ataque. Há um curta-metragem feito pela RAF, que é usado em outros documentários online e a versão citada é de um jornal dinamarquês atualmente.[2] Trinta caças Mustang da RAF deram cobertura aérea de aeronaves alemãs e também atacaram armas antiaéreas durante a operação.

A força deixou a RAF Fersfield pela manhã e chegou em Copenhague depois das 11:00. O ataque foi realizado ao nível dos telhados e durante o primeiro ataque, um Mosquito atingiu um poste de luz, danificando sua asa e colidindo contra a Escola Joana d'Arc, a cerca de 1.5 km (0.93 mi) do alvo, causando um incêndio. Vários bombardeiros na segunda e terceira onda atacaram a escola, confundindo-a com seu alvo.[3]

ConsequênciasEditar

No dia seguinte, um avião de reconhecimento examinou o alvo para avaliar os resultados. Os danos foram graves, com a ala oeste do edifício de seis andares reduzida quase ao nível do solo. O subsolo dinamarquês forneceu uma fotografia mostrando o prédio queimando de ponta a ponta. O ataque destruiu a sede e os registros da Gestapo, interrompendo severamente as operações da Gestapo na Dinamarca, além de permitir a fuga de 18 prisioneiros. Cinquenta e cinco soldados alemães, 47 funcionários dinamarqueses da Gestapo e oito prisioneiros morreram no edifício. Quatro bombardeiros Mosquito e dois caças Mustang foram perdidos, e nove aviadores aliados foram mortos. Na Escola Joana d'Arc, 86 crianças e 18 adultos foram mortos, muitos deles freiras.[3]

Em 14 de julho de 1945, restos mortais de uma vítima masculina não identificada foram recuperados das ruínas da Shellhus e transferidos para o Departmento de Medicina Legal da Universidade de Copenhague. Isso voltou a acontecer quatro dias depois e as duas vítimas foram sepultadas no Cemitério de Bispebjerg em 4 e 21 de setembro, respectivamente.[4]

Representações culturaisEditar

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

Notas
  1. «The Story of WW2's Most Ambitious Air Raid». YouTube 
  2. «NY film om fejlbombningen af den Franske Skole. Ægte optagelser viser angrebet fra piloternes perspektiv». 28 de outubro de 2021 
  3. a b Rasmussen, Anita Brask (21 de março de 2012). «Bombningen af Den Franske Skole blev redigeret ud af erindringen» [The bombing of the French School was edited out of the remembrance] (em dinamarquês). Dagbladet Information. Consultado em 4 de dezembro de 2014 
  4. «Døde Mandkøn» [Deceased Males]. Kirkebog [Registro paroquial]. Col: 1930–1946 (em dinamarquês). Skt. Johannes: [s.n.] 1945. p. 372. Ukendt Mand. (Ligrester). Fundet død i Shellhusets Ruiner. Ført til Retsmedicinsk Institut 
Bibliografia

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Operação Cartago