Abrir menu principal

Operação Tesouro Perdido é uma operação da Polícia Federal brasileira realizada em 5 de setembro de 2017. Representa a segunda fase da Operação Cui Bono?, que é um desdobramento da Operação Catilinárias, da Operação Lava Jato. O alvo da operação foi um apartamento ligado a Geddel Vieira Lima. Na operação foram apreendidos mais de 51 milhões de reais em malas e caixas.[1][2][3]

A operação foi autorizada pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, que comanda a Operação Lava Jato no Distrito Federal.[1] A Polícia Federal usou sete máquinas para contar o dinheiro e levou catorze horas para o término da contagem.[4][5][6] Foi a maior apreensão de dinheiro vivo da história do país.[7][8][9]

De acordo com a Justiça, o apartamento pertence a Silvio Silveira, que teria cedido o imóvel ao ex-ministro, para que guardasse, "supostamente, pertences do pai, falecido em janeiro de 2016".[10] Durante o cumprimento de busca e apreensão a PF identificou as digitais de Geddel Vieira Lima no apartamento reforçando as suspeitas da ligação do ex-ministro com o dinheiro ilícito.[11][12][13][14]

A suspeita da PF é que parte do dinheiro se trata de propinas para viabilizar a liberação de crédito do FI-FGTS a empresas. Geddel é suspeito de receber vinte milhões de reais em propinas. O peemedebista foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013, indicado pela presidente Dilma Rousseff.[15] Os valores apreendidos foram encaminhados às instituições bancárias para serem depositados em uma conta judicial, inacessíveis ao acusado.[16]

Fatos posterioresEditar

Em 8 de setembro de 2017, Geddel Vieira Lima voltou a ser preso preventivamente pela Polícia Federal (PF). O pedido foi feito pela instituição após o cumprimento de mandado de busca e apreensão no "bunker" onde foram encontrados mais de 51 milhões de reais em espécie.[17] A PF identificou as digitais de Geddel nas malas e no dinheiro.[14] O pedido de prisão preventiva foi endossado pelo Ministério Público Federal, e acatado pelo juiz federal juiz Vallisney de Souza Oliveira.[17][18][19] A decisão judicial que determinou a prisão de Geddel destacou que o ex-ministro continuava praticando crimes, mesmo estando em prisão domiciliar.[20]

No dia 16 de outubro de 2017, em sua primeira atuação na Procuradoria-Geral da República, Raquel Dodge pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para que a PF desse prosseguimento às investigações dos cinquenta e um milhões de reais encontrados em bunker de Geddel Vieira Lima.[21][22] O pedido foi aceito pelo relator da Operação Lava Jato Edson Fachin, que expediu mandados de busca e apreensão.[23][24] O alvo da operação foi o irmão de Geddel, o deputado federal Lúcio Vieira Lima. A PF cumpriu os mandados no gabinete do deputado, na Câmara dos Deputados, em Brasília.[25][26] Em setembro, por haver indícios do envolvimento do deputado, que tem foro privilegiado, as investigações foram remetidas ao STF.[27][28] As suspeitas sobre Lúcio ganharam força a partir do depoimento do empresário Silvio Antonio Cabral da Silveira, dono do bunker. Ele disse que o irmão de Geddel pediu o apartamento emprestado para "guardar pertences" do pai falecido. Na busca, os federais encontraram um recibo em nome de Marinalva Teixeira de Jesus, funcionária do parlamentar.[29]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «PF contabiliza R$ 51 milhões no 'bunker de Geddel'». O Dia. iG. 6 de setembro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  2. Andreza Matias e Marcelo de Moraes (5 de setembro de 2017). «PF acha bunker onde Geddel escondia propina». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  3. «Polícia Federal encontra local onde Geddel escondia propina». VEJA. Abril. 6 de setembro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  4. Rodrigo Tolotti (6 de setembro de 2017). «7 máquinas, 14 horas e R$ 51 milhões: a operação da PF na maior apreensão de dinheiro da história». InfoMoney. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  5. «PF levou 14 horas para contar os R$ 51 milhões achados em 'bunker' que seria de Geddel». O Globo. Globo.com. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  6. Julia Affonso e Fábio Serapião (6 de setembro de 2017). «PF usou 7 máquinas e levou 14 horas para contar R$ 51 mi do bunker de Geddel». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  7. Julia Affonso, Fausto Macedo, Fabio Serapião e Fabio Fabrini (6 de setembro de 2017). «Acabou a contagem: R$ 51 milhões no bunker de Geddel». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  8. «PF levou 14 horas para contar os R$ 51 milhões achados em 'bunker' que seria de Geddel». O Globo. Globo.com. 6 de setembro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  9. «PF termina de contar dinheiro do 'bunker' de Geddel: R$51 milhões». VEJA. Abril. 6 de setembro de 2017. Consultado em 6 de setembro de 2017 
  10. Aécio Amado. «Dinheiro achado em imóvel que seria usado por Geddel soma mais de R$ 51 milhões». Agência Brasil. EBC. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  11. Camila Bomfim (6 de setembro de 2017). «PF vê digitais de Geddel em apartamento onde foram achados R$ 51 milhões». G1. Globo.com. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  12. Julia Affonso e Luiz Vassalo. «PF acha digitais de Geddel no bunker de R$ 51 milhões». Estadão. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  13. «Digitais de Geddel são encontradas no local com malas de dinheiro». G1. Globo.com. 6 de setembro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  14. a b «Digitais de Geddel são encontradas no imóvel com malas de dinheiro». Estado de Minas. 7 de setembro de 2017. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  15. Vinicius Sassine. «PF reúne mais indícios que ligam Geddel aos R$ 51 milhões e complica ex-ministro». O Globo. Globo.com. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  16. Guilherme Venaglia. «Para onde vão os R$ 51 milhões do 'bunker' de Geddel?». VEJA. Abril. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  17. a b Camila Bomfim (8 de setembro de 2017). «Ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso após apreensão de R$ 51 milhões». G1. Globo.com. Consultado em 8 de setembro de 2017 
  18. «Ex-ministro Geddel Vieira Lima é alvo de prisão preventiva». iG. 8 de setembro de 2017. Consultado em 8 de setembro de 2017 
  19. «Geddel volta a ser preso pela Polícia Federal». Valor Econômico. 8 de setembro de 2017. Consultado em 8 de setembro de 2017 
  20. Mauro Anchieta e Camila Bonfim. «Geddel Vieira Lima é preso em Salvador». Jornal Hoje. Globo.com. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  21. «Polícia Federal faz buscas em casa e gabinete de Lúcio Vieira Lima». Correio. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  22. Bela Megale (16 de outubro de 2017). «PF achou digitais de assessor de irmão de Geddel em 'bunker' com R$ 51 milhões». O Globo. Globo.com. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  23. Camlia Bomfim e Gabriel Luiz. «PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel». G1. Globo.com 
  24. «URGENTE: PF NO BUNKER DE LÚCIO VIEIRA LIMA». O Antagonista. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  25. «PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel». G1. Globo.com 
  26. Pedro Peduzzi. «Polícia Federal leva malotes do gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima». Agencia Brasil. EBC 
  27. «Irmão de Geddel, deputado Lúcio Vieira Lima é alvo de operação da PF». Último Segundo. iG. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  28. «PF faz buscas em gabinete de irmão de Geddel na Câmara». VEJA. Abril. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017 
  29. «PF leva documentos e mídias da casa de Lúcio Vieira Lima em Salvador». IstoÉ. 16 de outubro de 2017. Consultado em 16 de outubro de 2017