Orbea (equipa ciclista)

equipa ciclista espanhola

O Grupo Desportivo Orbea-Danena foi uma estrutura que manteve um equipa ciclista espanhola, profissional desde 1984 até 1989 depois de ter sido previamente aficionado. O seus impulsores foram Peli Egaña (patrão da marca de bicicletas Orbea) e Patxi Alkorta (responsável pela Sociedade Desportiva Danena).[1]

A equipa foi mudando o seu nome de competição em função dos patrocinadores, que incluíram marcas como Gin MG, Seat, Caja Rural ou Paternina. A equipa Artiach tomou o seu relevo no pelotão, até 1995.

Precedentes da OrbeaEditar

A Orbea já tinha patrocinado de forma individual a ciclistas durante muitos anos em diferentes categorias, começando com profissionais nos anos 1930, entre os que destacam Ricardo Montero, Luciano Montero e Mariano Cañardo.

Já nos anos 1970 formou a sua primeira equipa de primeiro nível, do que fazia parte como líder da equipa Miguel Mari Lasa.

História da equipaEditar

Ciclismo aficionadoEditar

Peli Egaña (presidente do fabricante de bicicletas Orbea) e Patxi Alkorta (responsável pelo S. D. Danena, de Cizúrquil) fundaram nos anos 1970 uma equipa ciclista aficionado, no que supôs o início da associação. A formação contava com Jokin Mujika, protegido de Alkorta desde juvenis (com a equipa Insalus), como principal figura.

A esquadra guipuzcoana converteu-se numa das mais potentes do pelotão amador basco-navarro, sendo os seus principais rivais na categoria o Reynolds navarro (com Miguel Indurain em suas fileiras), o Cafés Baque vizcaíno (com Julián Gorospe como líder) e o Gurelesa/Kaiku dirigido por Iñaki Juanikorena.

Ciclismo profissional (1984-1989)Editar

Durante os anos 1980, recuperou-se novamente a equipa profissional patrocinado pela marca guipuzcoana, sendo 1984 a primeira temporada na que correram o calendário profissional. Durante vários anos, Orbea manteve-se patrocinando a equipa, em ocasiões como patrocinador principal e às vezes como secundário, compartilhando espaço publicitário com Gin MG, Seat, Caja Rural e Paternina. Em 1990, depois de umas longas negociações, conseguiram o apoio económico do fabricante de bolachas Artiach. Esta formação não apresenta relação com a equipa Orbea formado durante os anos 2000, excepção feita do patrocinador.

Orbea, Gin MG e Seat (1984-1986)Editar

A equipa nasceu em 1984,[2][3] fundado por Peli Egaña e Patxi Alkorta, com Orbea como patrocinador, e baixo a direcção de Txomin Perurena e Francisco Giner.[4] Uns jovens Jokin Mujika e Pello Ruiz Cabestany eram alguns dos nomes mais destacados. Entre os triunfos mais destacados da equipa em seu primeiro ano como profissional, se encontram uma etapa na Volta à Comunidade Valenciana vencida por Cabestany, uma etapa na Volta ao País Basco vencida por Jon Koldo Urien e a classificação de montanha da Volta a Espanha, na qual se impôs Felipe Yáñez.[5]

Em 1985, a esquadra contou com o copatrocínio de Gin MG e Seat,[6] o primeiro para as carreiras espanholas e o segundo para o Tour e o resto de carreiras no estrangeiro, ao não estar permitida a publicidade de bebidas alcohólicas.[7] Naquele ano a equipa contou com o contrato do segoviano Pedro Delgado,[8] o qual conseguiu nada menos que ganhar uma etapa e a classificação geral da Volta ciclista a Espanha.[9] Felipe Yáñez, com uma etapa na Volta a Múrcia, e Cabestany, com uma etapa na Volta a Espanha (também terminou 4.º na geral) e a geral da Volta ao País Basco, fecharam o mais destacado do palmarés de Orbea em 1985.

Em 1986, Seat fez-se com o patrocínio da equipa, com Orbea como patrocinador secundário.[10] Ante a baixa de Perico Delgado, a equipa reforçou-se com o vizcaíno Marino Lejarreta.[11]

Naquele ano, os velocistas da equipa começaram a conseguir os primeiros resultados importantes, com etapas em La Rioja e Múrcia de Manuel Jorge Domínguez, e no Volta à Romandia de Mathieu Hermans. Lejarreta, pela sua vez, impôs a sua lei na Subida ao Naranco e na Volta a Burgos. Outras vitórias destacáveis daquele ano foram a de Antonio Esparza no Troféu Masferrer e Jaime Vilamajó na Hucha de Ouro.

Na Volta a Espanha, dois integrantes da equipa ganharam etapas: Manuel Jorge Domínguez, na 2.ª com final em Barcelona, e Marino Lejarreta, que venceu na cronoescalada ao Alto do Naranco. Na geral, Lejarreta terminou 5.º e Cabestany, 6.º.

Caja Rural e Paternina (1987-1989)Editar

Ao começo da temporada de 1987, fez-se público que a marca Seat deixaria de patrocinar à equipa profissional, ainda que manter-se-ia unido às categorias inferiores.[12] Até abril do mesmo ano, em vésperas da Volta a Espanha, o conjunto não encontrou novo patrocinador, quando o encontrou na figura de Caja Rural.[13] No âmbito desportivo, a estrutura da equipa manteve-se sem grandes mudanças.[14] O sprinter neerlandês Hermans contribuiu três etapas na Volta à Comunidade Valenciana, outra na Volta aos Países Baixos e o triunfo na Paris-Camembert. Lejarreta voltou a cumprir o seu papel de chefe de filas, com triunfos na Euskal Bizikleta, a Volta a Burgos, a Subida a Urkiola e a Clássica de San Sebastián. Cabestany impôs-se na Volta a Múrcia, onde conseguiu dois triunfos parciais, e Jokin Mujika fez o próprio na Volta a Galiza. Pascal Jules e Manuel Murga também coseguiram sendas etapas na Volta à Andaluzia e a Volta às Astúrias, respectivamente.

Na Volta a Espanha, Antonio Esparza impôs-se em duas etapas, a 9.ª e a 15.ª, enquanto Jaime Vilamajó impôs-se na 22.ª etapa, com final em Madrid.

Em 1988, excetuando o contrato de alguns ciclistas europeus, a esquadra voltou a manter-se estável.[15] Hermans continuou demonstrando os seus excelentes dotes no sprint, conseguindo até doze triunfos em competições de relevância como Semana Catalã, Volta aos Países Baixos, Volta à Catalunha, Volta a Valência e Volta a Múrcia. Lejarreta registou os triunfos de Subida a Urkiola, Volta a Galiza e Volta a Burgos, enquanto Mújika adjudicou-se a Euskal Bizikleta.

Na Volta a Espanha, foi também o velocista Hermans quem mais destacou, ao ganhar seis etapas, incluindo a última com final em Madri, apesar do qual, só pôde acabar 2.º na classificação por pontos.

Em 1989,[16] as vitórias de etapa de Mathieu Hermans em Volta à Catalunha e Tour de France, junto ao triunfo na geral de Lejarreta na Volta são o mais destacado do palmarés da formação espanhola. Na Volta a Espanha, de novo voltou a brilhar Hermans, ainda que desta vez ficou em sozinho três triunfos de etapas, voltando a terminar 2.º na classificação por pontos.

Artiach (1990-1995)Editar

 Ver artigo principal: Artiach (equipa ciclista)

Em meados da temporada de 1989, a empresa vinícola Paternina tomou o relevo da entidade bancária,[17] com possibilidade de assinar por outro ano mais, ainda que finalmente não teve acordo entre ambas partes,[18] o que deixava à equipa numa difícil situação.[19] Nas mesmas datas, uma das suas principais figuras, Marino Lejarreta, anunciava que não continuaria na equipa a temporada seguinte.[20] Poucos dias depois, ante a incapacidade de assegurar um patrocinador, Jokin Mujika anunciou o seu contrato pela equipa Banesto.[21]

A 29 de dezembro soube-se que a equipa receberia apoio por parte da campanha publicitária 'Alimentos da Espanha',[22] ainda que o nome concreto demorou várias semanas em se especificar.[23] Em abril, finalmente, chegou-se ao afastamento do patrociandor, passando a competir com o patrocínio de Artiach, publicidade baixo a qual a equipa competiu até 1995.[24][25]

SedeEditar

A estrutura baseava-se na do S. D. Danena, uma entidade desportiva de Zizurkil (Guipúscoa).

PalmarésEditar

Principais vitóriasEditar

ElencoEditar

Para anos anteriores, veja-se Elencos da Orbea

Principais corredoresEditar

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. http://www.diariovasco.com/v/20110517/deportes/ciclismo/ciclismo-llora-patxi-alkorta-20110517.html
  2. Javier de Dalmases (19 de janeiro de 1984). «1984: ano de vacas gordas no ciclismo (pag. 22)» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  3. Javier de Dalmases (19 de janeiro de 1984). «1984: ano de vacas gordas no ciclismo (pag. 23)» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  4. «Peli Egaña, fundador do Orbea, faleceu ontem» (PDF). El Mundo Deportivo. 18 de janeiro de 2005. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  5. «Orbea - Danena 1984». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  6. «Orbea - Gin MG 1985». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  7. Agência EFE (30 de maio de 1985). «Orbea será Seat no Tour». El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  8. «Pedro Delgado chega a um compromisso com a equipa Orbea». El País. 19 de outubro de 1984. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  9. «O golpe». El País. 15 de maio de 1985. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  10. «Seat - Orbea 1986». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  11. «Luis Puig, surpreendido pela negativa de Delgado a correr a Volta a Espanha». El País. 12 de outubro de 1985. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  12. Agência EFE (30 de janeiro de 1987). «Orbea sairá sem Seat» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  13. «Volta 87. Piscolabis. Orbea tem conseguido por fim patrocinador.» (PDF). El Mundo Deportivo. 24 de abril de 1987. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  14. «Caja Rural - Seat 1987». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  15. «Caja Rural - Orbea 1988». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  16. «Caja Rural - Paternina 1989». sitiodeciclismo.net. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  17. «Rebaptizo da Caja Rural» (PDF). El Mundo Deportivo. 22 de junho de 1989. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  18. «Divorcio Paternina-Orbea» (PDF). El Mundo Deportivo. 18 de outubro de 1989. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  19. Javier de Dalmases (8 de novembro de 1989). «Orbea procura dinheiro para seus 20 corredores» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  20. «Marinho deixa Orbea e pensa em seu futuro» (PDF). El Mundo Deportivo. 18 de outubro de 1989. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  21. Agência EFE (25 de novembro de 1989). «Mujika, com Delgado, ao Banesto» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  22. Javier de Dalmases (29 de dezembro de 1989). «Uns dos "Alimentos da Espanha" patrocinará a Orbea» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  23. Javier de Dalmases (20 de janeiro de 1990). «A lenda da equipa sem nome» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  24. Agência EFE (22 de abril de 1990). «Orbea volta a carrega-a» (PDF). El Mundo Deportivo. Consultado em 8 de agosto de 2009 
  25. «Theunisse, Rooks e Mottet, em frente aos espanhóis» (PDF). El Mundo Deportivo. 13 de junho de 1990. Consultado em 8 de agosto de 2009