Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa

A Real Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa[1] é uma ordem dinástica portuguesa cujo título de grão-mestre é usado por Duarte Pio de Bragança.

Real Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa
Descrição
País Portugal
Outorgante Duque de Bragança
Criação 6 de Fevereiro de 1818
Tipo Ordem dinástica
Motto "Padroeira do Reino"
Estado ativa
Organização
Grão-Mestre Duarte Pio de Bragança
Graus Grão-Mestre (GMNSC)
Grã-Cruz (GCNSC)
Comendador (ComNSC)
Cavaleiro (CvNSC)
Servente (SNSC)
Hierarquia
Inferior a nenhuma
Superior a Ordem da Rainha Santa Isabel
Fita PRT Ordem de Nossa Senhora da Conceicao de Vila Vicosa Cavaleiro ribbon.svg

HistóriaEditar

A ordem foi instituída pelo rei D. João VI de Portugal a 6 de fevereiro de 1818, dia da sua aclamação, no Rio de Janeiro, Brasil. O objectivo do rei, grão-mestre da nova Ordem Militar Leiga, era homenagear a padroeira Nossa Senhora da Conceição (designada por alvará de 1646) pelo motivo de Portugal ter sobrevivido, como país independente, às guerras napoleónicas que tinham assolado o país e a Europa. Até 1910 foram agraciados com esta ordem várias personalidades, essencialmente oriundas da nobreza e da aristocracia. O governo provisório, em Outubro de 1910, extinguiu-a como ordem militar, embora o rei D. Manuel II no exílio e os pretendentes a Duques de Bragança que lhe sucederam tenham continuado a utilizar as insígnias desta ordem.

GrausEditar

  1. Grão-Mestre (o rei)
  2. Grã-Cruz (GCNSC)
  3. Comendador (ComNSC)
  4. Cavaleiro / dama (CvNSC / DmNSC)
  5. Servente (SNSC)

InsígniaEditar

A insígnia desta ordem (de banda azul com riscas laterais brancas) é constituída por um medalhão coroado, em forma de estrela, com um círculo ao centro onde se lêem as letras AM (de Ave Maria), com a inscrição Padroeira do Reino. A insígnia foi desenhada por Jean-Baptiste Debret, em 1818.

Ver tambémEditar

Referências

  1. "Mercês Honoríficas do Século XX (1900-1910)", Jorge Eduardo de Abreu Pamplona Forjaz, Guarda-Mor, 1.ª Edição, Lisboa, 2012, p. 181

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar