Abrir menu principal

Organização Nacional de Combatentes Cipriotas

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde julho de 2016). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Monumento a Gregoris Azentieu, combatente da EOKA durante a Guerra da independência

A EOKA - Ethniki Organosis Kyprion Agoniston, em português Organização Nacional de Combatentes Cipriotas, foi uma organização nacionalista grecocipriota que lutou para a expulsão das tropas do inglesas da ilha do Chipre, para a autodeterminação e para a união com a Grécia, em meados dos anos 1950. Os seus primeiros membros provinham de duas organizações fundadas por Makarios: União dos Jovens Cristãos Ortodoxos (OXEN) e Organização Juvenil Pan-Cipriota Enosista (PEON).

A organização foi dirigida por Georgios Grivas, coronel que se distinguiu durante a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Civil da Grécia subsequente. Grivas assumiu o nome de guerra "Digenis" em honra do lendário bizantino Digenis Akritas, que impediu as invasões do Chipre durante a Idade Média. A EOKA foi apoiada clandestinamente pelo Governo grego através de armas, dinheiro e propaganda nas estações de rádio de Atenas.

A sua campanha de guerrilha começou em 1954 sobre as instalações militares e civis britânicas e sobre os colaboradores greco-cipriotas e turco-cipriotas, informadores, comunistas e membros da formação paramilitar turco-cipriota TMT (Mukavemet Teskilati). Acima de 30.000 tropas britânicos foram destacados para combater a organização, tendo oficialmente perdido a vida 104 homens desse destacamento. No entanto, suspeita-se que o número real de soldados, de administradores britânicos e do corpo policial perdido é, pelo menos, três vezes superior ao confirmado.

A actividade da EOKA durou até 24 de Dezembro de 1959, quando um cessar-fogo foi convencionado no momento em que o Governo britânico propôs o Tratado de Zurique para o futuro do país. O objectivo da EOKA de livrar o Chipre da subjugação inglesa foi conseguido a 16 de Agosto de 1960 quando o país alcançou a independência do Reino Unido. No entanto, tal independência negou claramente a união que pretendiam com a Grécia.

Quando o Chipre alcançou a sua independência, concordou com uma complexa constituição na qual existiam duas comunidades e um compromisso de garantia de segurança intercomunitária, supervisionado pela Grécia, Turquia e Grã Bretanha. Apesar disso, no ano de 1963, iniciaram-se enfrentamentos intercomunitários tendo como protagonistas os combatentes da EOKA.

O recrutamento clandestino, preparação e organização começaram novamente nos inícios de 1961. Ainda que a EOKA, que tinha lutado na campanha de 1954/9 tivesse sido desmantelada, muitas das suas armas não haviam sido entregues à polícia e as células mantiveram-se activas. Estas células seriam a base da nova força. Em 1962, iniciou-se o treino nas montanhas de Troodos sob a direcção dos oficiais greco-cipriotas do exército do Chipre, utilizando armas pertencentes ao arsenal deste. Em 1963, 10.000 greco-cipriotas estavam a ter treino militar.

EOKA-BEditar

Esta foi uma organização paramilitar favorável à enosis formada pela direita grecocipriota, em 1971. Foi apoiada pela Junta Militar Grega que consentiu o Governo, em 1967, após derrubar o Governo legítimo de George Papandreou. Em Setembro de 1970, Grivas regressou secretamente à ilha e formou uma nova organização secreta chamada EOKA-B. A Junta Militar de Atenas enviou-o para activar a enosis, o que daria apoio à sua acção de Governo, legitimidade e alargaria a sua vida no poder.

Enquanto que a EOKA (1955-59) era vista pela maioria dos greco-cipriotas como a organização dos combatentes anticolonialistas, a EOKA-B não tinha o apoio esmagador da população (céptica sobre a implicação de organizações relacionadas com ditadura grega com esta). A sua impopularidade aumentou depois dos ataques contra os socialistas cipriotas-gregos e os partidários da independência, quando o ultraje público levou ao assassínio do ministro Polycarpos Georgadjis e a uma tentativa de assassinato de Makarios. Os confrontos com Makarios (culpado de não levar a cabo a pretendida união com a Grécia) tornaram-se públicos em Dezembro de 1973, devido à morte de um pastor pelas mãos desta organização.

Em Janeiro de 1974, Grivas morre de um ataque cardíaco. Com a sua morte, a nova direcção da EOKA-B passou nitidamente para um controlo mais directo e influência da Junta Militar de Atenas. En Abril, a organização é declarada ilegal e no mês seguinte é ordenada a entrega das armas. A 15 de Julho de 1974, a EOKA-B, com a aprovação do ditador grego Ioannides, empreendeu um golpe de Estado derrubando Makarios e instalando a Nikos Sampson como presidente do Chipre. Esta acção provocou a intervenção militar turca a partir de 20 de Julho de 1974 (Operação Átila) que conduziu à consequente divisão da ilha.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar