Abrir menu principal
Os Incríveis
Informação geral
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rock and roll, surf rock
Período em atividade 1961–1973
Gravadora(s) Continental
Afiliação(ões) The Clevers
Ex-integrantes Domingos Orlando
Waldemar Mozena
Antônio Rosas Sanches
Luiz Franco Thomaz
Demerval Teixeira Rodrigues
Lídio Benvenutti Júnior

Os Incríveis foi uma banda musical brasileira de rock and roll dos anos 60 e 70, formada em São Paulo por Domingos Orlando, o "Mingo", Waldemar Mozena, o "Risonho", Antônio Rosas Sanches, o "Manito", Luiz Franco Thomaz, o "Netinho" e Demerval Teixeira Rodrigues, o "Neno", que foi substituído em 1965 por Lídio Benvenutti Júnior, o "Nenê".

HistóriaEditar

Inicialmente, a banda chamava-se The Clevers e, em seus shows, tocavam principalmente twist, estilo em moda no início da década de 1960. O sucesso veio durante o período da Jovem Guarda, o grupo alterou o nome após romper com o empresário Antonio Aguilar, que era o dono da marca The Clevers,[1] com a mudança de nome e canções populares como "Era um Garoto Que, Como Eu, Amava os Beatles e os Rolling Stones", esta musica é uma versão brasileira da música italiana C’e come um regazzo me amava Beatles e Rolling Stones, de Gianni Morandi."O Milionário" e "Eu Te Amo, Meu Brasil, sendo esta última uma canção de exaltação ufanista da pátria brasileira, muito utilizada durante o governo militar do general Médici.

Ao longo dos anos de 1970, ex-integrantes dos Incríveis formariam outras importantes bandas do rock brasileiro, Netinho montou a banda Casa das Máquinas e Manito juntamente com Pedro Baldanza e Pedro Pereira da Silva formaram o famoso grupo progressivo Som Nosso de Cada Dia. Entre 2001 e 2005 o grupo voltou a se reunir em algumas ocasiões.[2]

Em 2005, "Os Incríveis" foi uma das bandas escolhidas para serem homenageadas no álbum "Um barzinho, um violão", onde foram regravadas músicas de bandas de grande sucesso das décadas de 1960 e 1970. Foi escolhida a música "O Vagabundo", interpretada pela banda Engenheiros do Hawaii.[3]

IntegrantesEditar

DiscografiaEditar

Álbuns de estúdioEditar

Referências

  1. Marcelo Fróes (2000). Jovem Guarda: em ritmo de aventura. [S.l.]: Editora 34. 9788573261875 
  2. «Os Incríveis». Dicionário Cravo Albin da MPB 
  3. «Um barzinho, um violão e a Jovem Guarda». Omelete 
  4. «Mingo». Memorial da fama 
  5. «Morre músico Manito, saxofonista da banda Os Incríveis, aos 68 anos». Uol_Música. 9/set/2011  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Morre Nenê Benvenuti, ex-baixista da banda Os Incríveis». G1_Música. 30/jan/2013  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externasEditar