Abrir menu principal

Os Verdes Anos

filme de 1963 dirigido por Paulo Rocha
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Verdes Anos (desambiguação).
Os Verdes Anos
Portugal Portugal
1963 •  pb •  91 min 
Direção Paulo Rocha
Produção António da Cunha Telles
Roteiro Nuno Bragança, Paulo Rocha
Elenco Rui Gomes
Isabel Ruth
Ruy Furtado
Distribuição Vitória Filme
Lançamento 29 de novembro de 1963
Idioma português

Os Verdes Anos (1963) é o primeiro filme português de Paulo Rocha. É considerado um dos filmes fundadores do chamado Novo Cinema, junto com o filme Dom Roberto (1962) de José Ernesto de Sousa.

Estreou a 29 de Novembro de 1963 nos cinemas São Luís e Alvalade, em Lisboa.

SinopseEditar

Júlio, de dezanove anos, desloca-se da província para Lisboa, tentando a sorte e procurando ganhar a vida como sapateiro. Mal chega, um acaso leva-o a conhecer Ilda, uma jovem da sua idade, empregada doméstica numa casa ali ao pé da oficina. O jovem provinciano sente-se num ambiente estranho e hostil. A cidade inquieta-o. Sucedem-se várias coisas que o perturbam. Começa a desconfiar de Ilda, que acaba com o namoro.

Enquadramento históricoEditar

As opiniões divergem sobre qual dos dois filmes acima referidos é o primeiro da nova vaga portuguesa, na medida em que alguns críticos e historiadores de cinema em Portugal entendem que Dom Roberto é mais velho que novo, obra vinculada ao estilo neo-realista, apesar de muito das características deste filme apresentarem marcas evidentes da influência da Nouvelle Vague francesa, o movimento de vanguarda que inspirou o novo cinema.

Sendo de facto um filme inovador pela sua linguagem, Os Verdes Anos não escapam também à influência do neo-realismo italiano, quer pelo tema (a inadaptação social num ambiente repressivo) quer pelo tipo em que os personagens encaixam (o povo: o sapateiro provinciano e a criada de servir de uma família da burguesia lisboeta).

A novidade maior que estes dois filmes encarnam é no entanto o facto de ambos terem despertado a atenção de comentadores e críticos estrangeiros para a existência em Portugal de um jovem cinema que fugia ao cânones dos filmes convencionais ou caducos que o Estado Novo promovia. Ernesto de Sousa teve um prémio em Cannes no ano em que estreou o seu filme e Paulo Rocha teve prémios também em outros festivais europeus.

Os Verdes Anos é um filme produzido por António da Cunha Telles, que se lança no ofício de modo corajoso e assim se torna um exemplo que outros seguirão na promoção e defesa de um cinema virado para o futuro. O filme vale pelo retrato dos ambientes citadinos da época, pela sobriedade e agilidade narrativa, pela ligeireza dos diálogos e sobretudo pela carga poética que a música de Carlos Paredes lhe imprime. Vale também como ilustração dos locais frequentados pelo grupo de cineastas do novo cinema: as redondezas do café Vává, nas imediações da Avenida de Roma.

Ficha artísticaEditar

Ficha técnicaEditar

  • Realizador – Paulo Rocha
  • Assistentes de realização – Fernando Matos Silva, António Vilela, * Olavo Rasquinho
  • Produtor executivo – António da Cunha Telles
  • Assistente de produção – António Carvalho da Costa
  • Secretária de produção – Maria Teresa de Vasconcelos
  • Rodagem: Abril/Maio de 1963
  • Director de fotografia – Luc Mirot
  • Operador de câmara: Elso Roque
  • Assistente de imagem – Eduardo Ferros
  • Chefe iluminador – Manuel Calos da Silva
  • Chefe maquinista – Manuel Rodrigues
  • Anotadora- Maria Teresa de Vasconcelos
  • Guarda-roupa – Rafael Calado (figurinista), Alda Cruz,
  • Caracterização – Manuel Fernandes
  • Cabeleireiro – Casimiro
  • Montagem: Margarethe Mangs
  • Assistentes de montagem: Emília de Oliveira, Isabel Marques, Noémia Delgado
  • Formato: 35 mm, 91’, p/b
  • Género: ficção (drama social)
  • Duração:91'
  • Distribuidor: Vitória Filme
  • Estreia: 29 de Novembro de 1963, em Lisboa, nos cinemas São Luís e Alvalade.

FestivaisEditar

  • Festival de Locarno 1964 (Suiça) - Prémio Vela de Prata.
  • Festival de Acapulco 1965 (México) - Prémio Cabeza de Palenque.
  • Festival de Valladolid 1965 (Espanha) - Menção honrosa.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar