Oscarito

ator

Oscarito, nome artístico de Oscar Lorenzo Jacinto de la Inmaculada Concepción Teresa Díaz (Málaga, 16 de agosto de 1906Rio de Janeiro, 4 de agosto de 1970), foi um ator espanhol, naturalizado brasileiro. É considerado um dos mais populares cômicos do Brasil, ficando famoso pela dupla que fez com Grande Otelo, em comédias dirigidas por Carlos Manga e Watson Macedo.

Oscarito
Oscarito em 1928
Nome completo Oscar Lorenzo Jacinto de la Inmaculada Concepción Teresa Díaz
Nascimento 16 de agosto de 1906
Málaga, Espanha
Nacionalidade brasileiro
Morte 4 de agosto de 1970 (63 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação ator
Cônjuge Margot Louro

BiografiaEditar

 
Genésio Arruda e Oscarito em 1934

Nasceu em uma família circense, vindo para o Brasil com um ano de idade, mas somente naturalizou-se em 1949.

Estreou no circo aos cinco anos de idade, e ali aprendeu a tocar violino, sendo ainda palhaço, trapezista, acrobata e ator.

Estreou no teatro de revista em 1932, na peça Calma, Gegê, que satirizava o ditador Getúlio Vargas, de quem se tornaria amigo. No cinema, estreou em Noites Cariocas, de 1935, embora tenha figurado num filme anterior, e foi nessa arte que ganhou enorme popularidade no país. Fez parceria com Grande Otelo em diversos filmes de chanchada.

Seu nome, no Brasil, era paralelo para os maiores humoristas do cinema, como Charles Chaplin ou Cantinflas.

Foi casado com Margot Louro, com quem teve dois filhos. Na manhã de 15 de julho de 1970, sentiu-se mal, devido a um AVC, e foi internado, já em coma, vindo a morrer em 4 de agosto.[1] Seu corpo foi velado no salão nobre da Assembleia Legislativa da Guanabara, com a presença de mais de duas mil pessoas.[2] O enterro levou cerca de quinhentas pessoas ao Cemitério São João Batista.[2]

TrabalhosEditar

 
Em 1960.
 
Em 1932.
Ano Titulo Papel
1968 Jovens Pra Frente Padre
A Espiã que Entrou em Fria Taxista
1965 Crônica da Cidade Amada Pai
1962 Os Apavorados Didu
1961 Entre Mulheres e Espiões Henrico
1960 Os Dois Ladrões Jonjoca
Duas Histórias Cacareco
1959 O Cupim Tristão dos Prazeres
Pintando o Sete Palhaço Catito
O Homem do Sputnik Anastácio
Esse Milhão é Meu Felismino Tinoco
1957 De Vento em Popa Chico
1957 Treze Cadeiras Bonifácio
1956 Vamos com Calma Buscapé
Colégio de Brotos Agapito
Papai Fanfarrão Tibério
1955 O Golpe Narciso
Guerra ao Samba Camacho e Porfírio
1954 Matar ou Correr Xerife Kid Bolha
1954 Nem Sansão nem Dalila Horácio / Sansão
1953 A Dupla do Barulho Tonico
1952 Três Vagabundos Boa-vida e Carne Assada
Carnaval Atlântida Professor Xenofontes
Barnabé, Tu És Meu Barnabé
1951 Aí Vem o Barão Carlos Ferderico
1950 Aviso aos Navegantes Frederico [3]
1949 Carnaval no Fogo Serafim
Um Caçula do Barulho Operário
1948 É Com Este Que Eu Vou Oscar e Osmar
Falta Alguém no Manicômio Gastão
E o Mundo se Diverte Faxineiro do teatro
Asas do Brasil Marinheiro
1947 Este Mundo é um Pandeiro Falso marido
1946 Fantasma por Acaso Zézinho ("José Sobrinho Filho") / Daniel Matos
1945 Não Adianta Chorar
1944 Gente Honesta Risadinha
Tristezas não Pagam Dívidas Carlinhos
1942 Os Malandrões
1941 O Dia É Nosso Dr. Lemos
24 Horas de Sonho Leôncio
Céu Azul Vitorino Vitório
1939 Banana da Terra Conselheiro-mor
Está Tudo Aí! Juquinha
1937 Bombonzinho
1936 Alô, Alô Carnaval Homem no cassino
1935 Noites Cariocas Homem no bar
1933 A Voz do Carnaval

Referências

  1. «Oscarito está desenganado». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 234). 8 páginas. 28 de julho de 1970. ISSN 1516-2931 
  2. a b «500 no adeus a Oscarito». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 242). 13 páginas. 6 de agosto de 1970. ISSN 1516-2931 
  3. Cinemateca Brasileira, Aviso aos navegantes [em linha]

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Oscarito
  Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.