Abrir menu principal
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Oswaldo Loureiro
Nome completo Oswaldo Loureiro Filho
Nascimento 23 de julho de 1932
Rio de Janeiro
Morte 3 de fevereiro de 2018 (85 anos)[1]
São Paulo
Ocupação Ator
Atividade 1944–2011
Cônjuge Madalena Loureiro (1959–2018)

Oswaldo Loureiro Filho (Rio de Janeiro, 23 de julho de 1932São Paulo, 3 de fevereiro de 2018) foi um ator, diretor de teatro, televisão e cinema brasileiro. Foi também presidente do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro.

Índice

BiografiaEditar

Estudou no Teatro Duse, de Paschoal Carlos Magno, e seu primeiro trabalho profissional foi em 1955, na peça Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, pela companhia de Henriette Morineau. Em 1956, fez Otelo, de Shakespeare, dirigido por Adolfo Celi, pela Companhia Tônia-Celi-Autran.

Em 1958, veio A Fábula do Brooklin, de Irwin Shaw, que lhe rendeu o prêmio de "ator revelação" pela ABCT (Associação Brasileira de Críticos Teatrais).

Veio a década de 1960 e, com ela, no Teatro dos Sete, encenou Com a Pulga Atrás da Orelha, de Georges Feydeau (dirigido por Gianni Ratto) e a rodriguiana Beijo no Asfalto, sob direção de Fernando Torres.

Foi para São Paulo (1964) após o fechamento da CTCA, e lá atuou em A Ópera dos Três Vinténs, de Bertolt Brecht, no Teatro Ruth Escobar. Depois, integrou o grupo Opinião e, de volta ao Rio (1966), fez, de novo com Gianni Ratto, Se Correr o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come, de Oduvaldo Vianna Filho (Vianinha) e Ferreira Gullar. Em 1967, seria dirigido por Flávio Rangel na montagem de Édipo Rei, de Sófocles, contracenando com Paulo Autran.

Na década de 1970 faria: Gota d'Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes; A Longa Noite de Cristal, de Oduvaldo Vianna Filho; Dois Perdidos numa Noite Suja, de Plínio Marcos; e Papa Higuirte, também de Vianinha.

Como dirigente sindical, lutou pela subvenção do Estado ao teatro e pelo reconhecimento da profissão de ator. Chegou à presidência do Sindicato dos Artistas.

Em 1982, recebeu o prêmio Mambembe por seu trabalho em Motel Paradiso, de Juca de Oliveira. Em 1983, novamente sob direção de Flávio Rangel, atua em Vargas, de Dias Gomes e Ferreira Gullar.

Em 1990, dirigiu Baixa Sociedade, de Juca de Oliveira. Em 1993, tornou-se diretor do Teatro Guaíra (Curitiba), e levou mais de 700 pessoas ao teatro por meio do seu projeto "Teatro para o Povo".

De volta ao Rio, trabalhou sob direção de Moacyr Góes na montagem de O Doente Imaginário, de Molière. Em seguida, contracenou com Jacqueline Laurence e Othon Bastos em A Profissão da Senhora Warren, de Bernard Shaw. Em 2000, novo trabalho com Moacyr Góes: Bonitinha mas Ordinária, de Nelson Rodrigues. Seu último trabalho foi na novela A Lua Me Disse, em 2005, interpretando o personagem Boaventura.

Morreu em 3 de fevereiro de 2018, aos 85 anos. Loureiro sofria de Alzheimer.[2] O velório aconteceu no Cemitério Jardim da Colina, em São Paulo, e o corpo do ator foi cremado no mesmo local.

FilmografiaEditar

Direção de televisãoEditar

ReferênciasEditar

  1. Morre o ator Oswaldo Loureiro, aos 85 anos O Globo - acessado em 3 de fevereiro de 2018
  2. «Oswaldo Loureiro, ator e diretor, morre aos 85 anos». G1 
  3. «Filmografia - SEXO FRÁGIL». cinemateca.gov.br. Consultado em 10 de junho de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.