Outreach

Outreach ou atividade de extensão é uma atividade de prestação de serviços para qualquer população que não possa ter acesso a esses serviços.[1][2] Um componente chave do alcance é que os grupos que o fornecem não são estacionários, mas móveis; em outras palavras, eles estão atendendo aqueles que precisam de serviços de proximidade nos locais onde os necessitados estão.[1][2][3] Além de fornecer serviços, o alcance tem um papel educacional, aumentando a conscientização sobre os serviços existentes.[3] Inclui a identificação de população carente e encaminhamento para serviços.

Programa de Extensão para Mulheres

Frequentemente, a divulgação é destinada a preencher a lacuna nos serviços prestados pelos serviços regulares (muitas vezes governamentais) e é geralmente realizada por organizações não- governamentais sem fins lucrativos.[1] Este é um elemento importante que diferencia o alcance das relações públicas .[4] Comparado com o pessoal que presta serviços tradicionais, Dewson et al. (2006) observa que a equipe de divulgação pode ser menos qualificada, mas está mais motivada.[3]

Rhodes (1996) distingue três tipos de alcance: domiciliar (realizado em casas individuais), destacado (realizado em ambientes públicos e direcionados a indivíduos) e peripatético (realizado em ambientes públicos ou privados e visando organizações, em vez de indivíduos).[5] Dewson et al. (2006) relaciona outro tipo além desses três: o tipo de satélite, onde os serviços são fornecidos em um site dedicado.[3]

Dewson et al. (2006) listam as seguintes ferramentas de divulgação: folhetos, boletins informativos, propaganda; barracas e displays, e eventos dedicados, com a localização comum sendo instituições comunitárias locais, como bibliotecas, centros comunitários, mercados e assim por diante.[3] Em comparação com os fornecedores de serviços tradicionais, os serviços de proximidade são fornecidos mais próximos da residência dos indivíduos, são voluntários e têm menos obrigações, se for o caso, obrigatórias.[3]

O alcance pode atingir várias populações, de profissionais do sexo[1] e usuários de drogas,[5] a freqüentadores de museus.[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d Kate Hardy; Sarah Kingston; Teela Sanders (16 December 2010). New Sociologies of Sex Work. Ashgate Publishing, Ltd. p. 77. ISBN 978-0-7546-7986-8. Retrieved 16 September 2012.
  2. a b Legal Services Research Centre (30 March 2009). Reaching Further: Innovation, Access and Quality in Legal Services. The Stationery Office. pp. 73–74. ISBN 978-0-11-706724-0. Retrieved 17 September 2012.
  3. a b c d e f "Maximising the Role of Outreach in Client Engagement", Dewson S, Davis S, Casebourne J. Research Report DWPRR 326, Department for Work and Pensions, 2006.
  4. Baldur Eliasson; Pierce Riemer; Alexander Wokaun (1999). Greenhouse Gas Control Technologies: Proceedings of the 4th International Conference on Greenhouse Gas Control Technologies, 30 August-2 September 1998, Interlaken, Switzerland. Elsevier. p. 244. ISBN 978-0-08-043018-8. Retrieved 17 September 2012.
  5. a b Tim Rhodes (1996). Outreach Work with Drug Users: Principles and Practice. Council of Europe. pp. 25–26. ISBN 978-92-871-3110-2. Retrieved 17 September 2012.
  6. Bonnie Sachatello-Sawyer (1 October 2002). Adult Museum Programs: Designing Meaningful Experiences. Rowman Altamira. p. 53. ISBN 978-0-7591-0097-8. Retrieved 17 September 2012.