Pão-Pão, Beijo-Beijo

telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo

Pão-Pão, Beijo-Beijo é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela TV Globo, tendo ido ao ar de 28 de março a 7 de outubro de 1983, em 165 capítulos. Substituiu Paraíso e foi substituída por Voltei pra Você na faixa das 18 horas da emissora,[4] sendo sua 26.ª "novela das seis". Criada por Walther Negrão, a trama tem como fio condutor o protagonista Ciro, interpretado por Cláudio Marzo, que esconde sua origem e ascende socialmente dentro dos negócios da família de Bruna, vivida por Elizabeth Savalla, que não deixa de humilhá-lo, sem admitir, no entanto, seu amor por ele, disputando-o com a irmã Luísa, personagem de Maria Cláudia. O folhetim conta ainda com Edwin Luisi, Lélia Abramo, Arnaud Rodrigues, Mário Benvenuti, Renata Fronzi, Laerte Morrone e Regina Dourado nos papéis principais. A direção é de Gonzaga Blota, Henrique Martins e Atílio Riccó, e Blota também foi diretor geral.[4]

Pão-Pão, Beijo-Beijo
Pão-Pão, Beijo-Beijo
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 40 minutos
Criador(es) Walther Negrão
Elenco
País de origem Brasil
Idioma original português
Episódios 165
Produção
Diretor(es) Gonzaga Blota
Henrique Martins
Atílio Riccó
Produtor(es) executivo(s) Luiz Carlos Lacerda[1]
Editor(es) Carlos Arruda[1]
Célio Fonseca[1]
Tema de abertura "Sanduíche de Coração", Rádio Táxi
Composto por Wander Taffo[2][3]
Lee Marcucci[2][3]
Tema de encerramento "Sanduíche de Coração", Rádio Táxi
Música por Márcio Pereira[1]
Empresa(s) produtora(s) TV Globo
Localização Rio de Janeiro
Exibição
Emissora original TV Globo
Formato de exibição 480p
Formato de áudio monaural
Transmissão original 28 de março de 1983 – 7 de outubro de 1983
Cronologia
Paraíso (1982)
Voltei pra Você

Sinopse

editar

Bruna, uma moça rica de temperamento forte, causa um acidente de trânsito em Madureira, bairro do Rio de Janeiro, que envolve o motorista de ônibus Ciro e o transportador de mercadorias Soró. Por conta do acidente, Ciro é demitido e Soró fica com prejuízos, e como compensação pelos danos causados, a família de Bruna, dona de uma rede de cantinas italianas, os contrata: Ciro vai trabalhar como secretário particular de Luísa, irmã de Bruna, e Soró, como jardineiro da chácara de Mamma Vitória, matriarca da família. Ciro se interessa por Bruna, que faz questão de humilhá-lo sempre que pode. Ela é noiva de Júlio, mas não o ama de verdade, passando a disputar a atenção de Ciro com a irmã, que também se vê apaixonada por ele. Ciro promete ascender na empresa para conquistar o amor de Bruna e, aos poucos, consegue ser reconhecido profissionalmente, enquanto esconde um passado misterioso.[5]

Elenco

editar

Segue a relação de atores integrantes do elenco principal ou que fizeram uma participação na novela, conforme ordenado no website Teledramaturgia.[4]

Principal

editar
Intérprete Personagem
Cláudio Marzo Ciro Cerqueira
Elizabeth Savalla Bruna Giunchetti Malzoni
Maria Cláudia Luísa Giunchetti Malzoni
Edwin Luisi Júlio Camargo
Lélia Abramo Vitória Giunchetti (Mamma Vitória)
Arnaud Rodrigues Floriano Sereno (Soró)
Laura Cardoso Ana Sereno (Donana)
Mário Benvenuti Giuseppe Giunchetti (Guido)
Renata Fronzi Loretta Colitto Giunchetti
Laerte Morrone Luigi Colitto (Gigio)
Regina Dourado Laura Sereno (Lala)
Paulo Guarnieri Daniel / Gasparzinho
Tássia Camargo Venina (Nina)
Cássio Gabus Mendes Francuccio Giunchetti Malzoni (Franco)
Élida L'Astorina Maria Eduarda Giunchetti (Duda)
João Carlos Barroso Benito Giunchetti
Tânia Loureiro Mariana Sereno
Flora Geny Gelsomina Giunchetti Malzoni (Gema)
Dionísio Azevedo Altino Camargo
Norma Geraldy Nizí
Paulo Gonçalves Gaspar
Cinira Camargo Maria Emília (Milica)
Cleyde Blota Giovanna (Joana)
Monique Alves Maria Helena Cerqueira Bueno
Henrique Martins Mauro Bueno
Reinaldo Gonzaga Dr. Chadade
Vera Brito Alice
Felipe Donavan Bira
Rita de Cássia Beth
Paulo Vignolo Eugênio Giunchetti Neto (Geninho)
Marcela Muniz Regina Sereno

Participações

editar
Intérprete Personagem
Adalberto Nunes Moacir
Alene Alves de Andrade empregada de Mamma Vitória
Aloísio Pimentel mordomo de Mauro Bueno
Antônio Patiño Vilhena
César Augusto César
Delan Magno Serjão
Dilu Melo ela mesma
Eduardo Figueiredo Marquinhos
Germano Filho Natureba[6]
Glória Perez cliente no salão de beleza do condomínio
Guaraci Valente Pedro
Hilda Reis empregada de Mauro Bueno
Hugo Gross Dinho
J. Ribeiro funcionário de hotel
Loly Nunez amiga de Daniel
Magda Regina Carvalho funcionária de banco
Marcus Vinícius Catito
Milton Gonçalves Dr. José Luiz Mendes
Nardel Ramos caixa de banco
Noira Mello Ruth
Paulo Copacabana Paulo
Regina Rezende Norma
Ricardo Fróes fisioterapeuta de Maria Helena
Roberto Faissal Geraldo Lutti
Rubem de Bem Carlos
Solange Galvão Mascarenhas Rose / Solange
Vanda Costa freira diretora da casa para idosos
Vera Vianna Ruth
Waldir Amâncio Édi
Walter Moreno dono de pensão
Walther Negrão figuração
Yaçanã Martins Tânia
Demais participações
  • Ângela Tornatore;
  • Dida Monteiro;
  • Enyvyer Brilhante;
  • Jorge Luiz da Silva;
  • Marco Senna;
  • Marino Jardim;
  • Pauline Luise;
  • Waldir Rodrigues Pedro.

Produção

editar

Em 1983, na procura de uma novela substituta para Paraíso, na faixa das 18 horas, o então diretor de operações da TV Globo Boni vetou uma sinopse de Teixeira Filho sobre imigrantes alemães e outra apresentada por Walther Negrão, com história que se passava num condomínio no Rio de Janeiro,[7][8] porém esta terminou por ser aprovada. O primeiro título cogitado para a trama foi O Condomínio, e o planejamento inicial era o de ambientá-la com núcleos em São Paulo e no Rio, mas devido a problemas a produção foi totalmente voltada à capital fluminense, fazendo Negrão reescrever os capítulos iniciais.[4] O impasse atrasou as gravações do folhetim e resultou no esticamento de Paraíso.[9]

Após uma reunião com o autor e parte do elenco escalado, em 2 de fevereiro,[10] os trabalhos foram iniciados com uma tomada aérea no Rio, e as filmagens com o elenco começaram no dia 18.[9] Algumas cenas dos primeiros capítulos foram rodadas em São Paulo, em cantinas no bairro Bixiga e na Paróquia Nossa Senhora Achiropita.[11] No Rio de Janeiro as gravações foram realizadas em locações como o condomínio Riviera dei Fiori, na Barra da Tijuca — alugado com o síndico geral Mário Bandarra, pai do diretor de novelas Mário Márcio Bandarra, morador do condomínio[4] —, uma chácara no Jacarepaguá e Madureira,[11] e passaram a ser feitas nos estúdios da Globo, no bairro carioca Jardim Botânico, após a cessão de espaços pela produção de Paraíso, em março.[12]

Pouco antes de sua estreia a novela teve o título alterado por Boni para Semente do Amor,[13][14] Sanduíche de Coração, que nomeava a música de abertura, gravada pela banda Rádio Táxi, e depois Pão-Pão, Beijo-Beijo, adaptação idealizada por ele da expressão "pão, pão, queijo, queijo", que define algo dito com franqueza. Segundo Negrão, em um depoimento ao livro Biografia da Televisão Brasileira, de Flavio Ricco e José Armando Vannucci, Boni teria escolhido o título "porque uma amiga da mulher dele vendia sanduíche na praia e a abertura mostraria isso".[4]

Pão-Pão, Beijo-Beijo foi um marco da informatização no Brasil por ter sido a primeira escrita com o auxílio de um computador. Em 1982 foi realizado um seminário interno na TV Globo para autores, diretores e produtores sobre o futuro da novela, onde a utilização do computador foi abordada. Somente Walther Negrão se interessou, tendo uma máquina da Apple instalada em sua residência para escrever os capítulos. Negrão utilizou o equipamento durante os primeiros capítulos, mas o tempo curto o fez retornar à máquina de escrever.[15][4][16]

Escolha do elenco

editar

Inicialmente cogitou-se escalar para interpretarem três dos principais personagens da novela, Bruna, Luísa e Júlio, Renata Sorrah, Elizabeth Savalla e Herson Capri. Sorrah recusou e fez com que Savalla passasse a interpretar Bruna, enquanto Maria Cláudia ficou com o papel de Luísa.[4] Capri também não aceitou gravar a trama e a produção pensou em substituí-lo por Fúlvio Stefanini,[17] mas Edwin Luisi assumiu o personagem Júlio.[4]

Substituição

Durante a novela o personagem Édi, interpretado por Waldir Amâncio, gerente do salão de beleza do condomínio onde ficavam alguns núcleos da trama, saiu da história sob a motivação de que faria uma viagem, e foi substituído por Vera Vianna, que assumiu como Ruth. A mudança deu-se pela implicação da censura do governo brasileiro com a homossexualidade do personagem.[4][18]

Exibição

editar

Pão-Pão, Beijo-Beijo foi reprisada em 85 capítulos pela TV Globo, na sessão Vale a Pena Ver de Novo, de 22 de janeiro a 18 de maio de 1990, substituindo Brega & Chique e sendo substituída por Roda de Fogo,[19] e pelo Viva de 16 de maio a 25 de novembro de 2022, na faixa das 14h40, com reprise às 0h30 e reapresentação dos capítulos de cada semana a partir das 23h30, substituindo Amor com Amor Se Paga e sendo substituída por Bambolê.[20][21][4] A novela foi disponibilizada na plataforma de streaming Globoplay em 19 de dezembro de 2022.[22] Desde 1.° de julho de 2024 está sendo reapresentada no Viva 80 Fast, versão online do Viva com novelas dos anos 1980, também no lugar de Amor com Amor Se Paga.[23]

A trama foi exportada para Bolívia, Peru, Uruguai, Nicarágua e Itália — neste país recebeu o título Mamma Vitória, nome da personagem italiana interpretada por Lélia Abramo.[19][4][24]

Música

editar

Nacional

editar
Pão-Pão, Beijo-Beijo Nacional
 
Pão-Pão, Beijo-Beijo
Capa do disco
Trilha sonora
Lançamento 1983
Idioma(s) português
Formato(s) vinil
Gravadora(s) Opus Columbia
Compilação Arnaldo Schneider
Ezequiel Neves
Faixas[4][2][3]
  1. "Menina Veneno", Ritchie (tema de Nina);
  2. "Rio Babilônia", Jorge Ben Jor;
  3. "Eu Amo Amar Você (M'Innamoro Di Te)", Gilliard e Harmony Cats;
  4. "Romance da Lua Lua", Amelinha (tema de Lala);
  5. "De Qualquer Maneira (Sabe...)", Marcos Sabino (tema de Duda);
  6. "Sanduíche de Coração", Rádio Táxi (tema de abertura);
  7. "Coisa Cristalina", Wando (tema de Mariana);
  8. "Renascer", Zizi Possi (tema de Bruna);
  9. "Praia de Ramos", Dicró;
  10. "Cabelos Negros", Eduardo Dussek (tema de Júlio);
  11. "Cumplicidade", Tavynho Bonfá (tema de Ciro);
  12. "Tema Para Um Grande Amor", Paulo Soares (tema de Luísa).

Internacional

editar
Pão-Pão, Beijo-Beijo Internacional
 
Pão-Pão, Beijo-Beijo
Capa do disco
Trilha sonora
Lançamento 1983
Idioma(s) inglês
Formato(s) vinil
Gravadora(s) Opus Columbia
Compilação Arnaldo Schneider
Ezequiel Neves
Faixas[4][2]
  1. "Waiting For a Train", Flash and the Pan;
  2. "Total Eclipse of the Heart", Bonnie Tyler (tema de Mariana);
  3. "(You Said) You'd Gimme Some More", KC and the Sunshine Band (tema de Daniel);
  4. "And I'm Telling You I'm Not Going", Jennifer Holliday;
  5. "Hip Hop Be Bop (Don't Stop)", Man Parrish (tema de Ciro);
  6. "If You Were My Lady", Glen Campbell e Diane Solomon (tema de Luísa e Ciro);
  7. "I Will Follow Him", Claudja Barry;
  8. "Give Me Your Heart Tonight", Shakin' Stevens (tema de Guido e Loreta);
  9. "First Love", Nikka Costa (tema de Duda);
  10. Reach Out, Narada Michael Walden (tema de Júlio;
  11. Save Your Love, Renée & Renato (tema de Gigio e Lala);
  12. "The Words To Say I Love You", Edward Reekers (tema de Júlio);
  13. "Don't Make Me Wait", Fern Kinney (tema de Bruna e Ciro);
  14. "Misty Blue", Dorothy Moore (tema de Nina e Daniel).

Referências

  1. a b c d «Ficha Técnica | Pão-Pão, Beijo-Beijo». Memória Globo 
  2. a b c d «Trilha Sonora | Pão-Pão, Beijo-Beijo». Memória Globo 
  3. a b c «LP PÃO PÃO BEIJO BEIJO - Trilha Sonora da Novela da Rede Globo». IMMuB 
  4. a b c d e f g h i j k l m n «Pão-Pão Beijo-Beijo». Teledramaturgia. Consultado em 17 de dezembro de 2015 
  5. «Trama Principal». Memória Globo 
  6. «Inferninho». Jornal do Brasil. 24 de julho de 1983. p. 15 
  7. Campos, Cidinha (5 de janeiro de 1983). «Boni veta outra sinopse». O Fluminense. p. 20 
  8. Campos, Cidinha (9 de janeiro de 1983). «[sem título]». Jornal do Brasil. p. 93 (geral) 
  9. a b «Novidades globais». Jornal do Brasil. 13 de fevereiro de 1983. p. 64 (geral) ou p. 3 (TV) 
  10. «Condomínio». Diario de Pernambuco. 8 de fevereiro de 1983. p. 22 (geral) ou p. B-2 
  11. a b «Ponte aérea». Jornal do Brasil. 6 de março de 1983. p. 107 (geral) ou p. 2 (TV) 
  12. «COLABORAÇÃO». Jornal do Brasil. 10 de março de 1983. p. 36 (geral) ou p. 5 (Caderno B) 
  13. Campos, Cidinha (8 de março de 1983). «Sanduíche de Bôni empaturra atores». O Fluminense. p. 22 
  14. «Por trás do vídeo». Correio Braziliense. 21 de março de 1983. p. 51 (geral) ou p. 23 (Revista Nacional) 
  15. Beuttenmüller, Alberto (26 de junho de 1983). «O computador vai decidir quem casa com quem em Pão Pão, Beijo Beijo». Jornal do Brasil. TV-Pesquisa 
  16. Castro, Thell de (8 de outubro de 2020). «Como a Apple ajudou novela da Globo a entrar para a história em 1983». TV História. Consultado em 27 de setembro de 2023 
  17. «Fúlvio na Globo». Diario de Pernambuco. 9 de março de 1983. p. 22 (geral) ou p. B-2 
  18. «Homossexualismo». O Fluminense. 17 de maio de 1983. p. 24 
  19. a b «Bastidores | Pão-Pão, Beijo-Beijo». Memória Globo 
  20. Alves, Sara (18 de abril de 2022). «Qual novela vai substituir Amor com Amor se Paga no Viva». DCI 
  21. Solamini, Geovanne (20 de outubro de 2022). «Novela nunca reprisada substituirá Pão-Pão, Beijo-Beijo no Viva». TV História 
  22. «Novidades de dezembro no Globoplay». Globo Imprensa. 1 de dezembro de 2022. Consultado em 1 de dezembro de 2022 
  23. Secco, Duh (18 de junho de 2024). «Globo vai exibir Pão-Pão, Beijo-Beijo e Selva de Pedra em canal gratuito». Duh Secco. Consultado em 19 de junho de 2024 
  24. Senna, Paulo (15 de junho de 2003). «'Pão pão...', há 20 anos». O Globo. TV-Pesquisa