Pós-humano

Pós-humano é um conceito originário dos campos da ficção científica, futurologia, arte contemporânea e filosofia que significa uma pessoa ou entidade que existe em um estado para além do ser humano.[1] O conceito aborda questões de ética e justiça, comunicação linguística e transespécie, sistemas sociais e as aspirações intelectuais da interdisciplinaridade.

O pós-humanismo não deve ser confundido com o transumanismo (o aprimoramento biotecnológico dos seres humanos) e definições restritas do pós-humano como a transcendência esperada da materialidade.[2] A noção de pós-humano surge tanto no pós-humanismo quanto no transumanismo, mas tem um significado especial em cada tradição.

Pós-humanismoEditar

 Ver artigo principal: Pós-humanismo

Na teoria crítica, o pós-humano é um ser especulativo que representa ou busca reconceber o humano. É o objeto da crítica pós-humanista, que questiona criticamente o humanismo, um ramo da filosofia humanista que afirma que a natureza humana é um estado universal do qual o ser humano emerge; a natureza humana é autônoma, racional, capaz de livre-arbítrio e unificada em si mesma como o ápice da existência. Assim, a posição pós-humana reconhece a imperfeição e a desunião dentro de si mesmo, e entende o mundo por meio de perspectivas heterogêneas ao mesmo tempo que procura manter o rigor intelectual e a dedicação às observações objetivas. A chave para essa prática pós-humana é a capacidade de mudar perspectivas com fluidez e se manifestar por meio de diferentes identidades. O pós-humano, para teóricos críticos do assunto, tem uma ontologia emergente em vez de estável; em outras palavras, o pós-humano não é um indivíduo singular definido, mas sim aquele que pode "se tornar" ou incorporar identidades diferentes e compreender o mundo de perspectivas múltiplas e heterogêneas.[3]

Os discursos críticos em torno do pós-humanismo não são homogêneos, mas na verdade apresentam uma série de ideias frequentemente contraditórias, e o próprio termo é contestado, com um dos principais autores associados ao pós-humanismo, Manuel de Landa, qualificando o termo como "muito bobo".[4] Cobrir as ideias de, por exemplo, The Posthuman Condition de Robert Pepperell e How We Became Posthuman de Katherine Hayles sob um único termo é claramente problemático devido a essas contradições.

Donna Haraway em seu A Cyborg Manifesto, manifesta que pós-humano é quase sinônimo de "ciborgue".[5] A concepção de Haraway de ciborgue é uma abordagem irônica das concepções tradicionais do ciborgue que inverte o tropo tradicional do ciborgue, cuja presença questiona a linha saliente entre humanos e robôs. O ciborgue de Haraway é, em muitos aspectos, a versão "beta" do pós-humano, pois sua teoria do ciborgue fez com que a questão fosse abordada na teoria crítica.[6] Seguindo Haraway, Hayles, cujo trabalho fundamenta grande parte do discurso pós-humano crítico, afirma que o humanismo liberal — que separa a mente do corpo e, portanto, retrata o corpo como uma "concha" ou veículo para a mente — torna-se cada vez mais complicado no final dos séculos XX e XXI porque a tecnologia da informação questiona o corpo humano. Hayles sustenta que devemos estar conscientes dos avanços da tecnologia da informação enquanto compreendemos a informação como "desencarnada", ou seja, algo que não pode fundamentalmente substituir o corpo humano, mas que só pode ser incorporado nele e nas práticas da vida humana.[7]

Pós-pós-humanismo e ética pós-ciborgueEditar

A ideia de pós-pós-humanismo (pós-ciborguismo) foi recentemente introduzida.[8][9][10][11][12] Este conjunto de trabalhos descreve as sequelas da adaptação a longo prazo às tecnologias ciborgues e a sua posterior remoção, por exemplo, o que acontece após 20 anos de uso constante de tecnologias e sua posterior remoção. A adaptação a longo prazo a mundos virtuais, seguida do regresso à "realidade"[13][14] e a ética pós-ciborgue associada (por exemplo, a ética da remoção forçada de tecnologias ciborgues pelas autoridades, etc.).[15]

Os direitos políticos e naturais pós-humanos foram enquadrados em um espectro de direitos animais e direitos humanos.[16] O pós-humanismo amplia o escopo do que significa ser uma forma de vida valorizada e ser tratada como tal (em contraste com certas formas de vida sendo vistas como inferiores e sendo aproveitadas ou eliminadas); ele “exige uma definição de vida mais inclusiva e uma maior resposta ético-moral, e responsabilidade para com as formas de vida não humanas na era da confusão e da mistura de espécies… Interroga a ordenação hierárquica — e subsequentemente a exploração e até a erradicação — das formas de vida”.[17]

TransumanismoEditar

 Ver artigo principal: Transumanismo

DefiniçãoEditar

De acordo com pensadores transumanistas, um pós-humano é um ser futuro hipotético "cujas capacidades básicas excedem tão radicalmente as dos humanos atuais que já não são inequivocamente humanas pelos nossos padrões atuais".[18] Os pós-humanos se concentram principalmente na cibernética, no consequente pós-humano e na relação com a tecnologia digital. A ênfase está nos sistemas. O transumanismo não se concentra em nenhum deles. Em vez disso, o transumanismo se concentra na modificação da espécie humana por meio de qualquer tipo de ciência emergente, incluindo engenharia genética, tecnologia digital e bioengenharia.[19]

MétodosEditar

Pós-humanos podem ser inteligências artificiais completamente sintéticas, ou uma simbiose de inteligência humana e artificial, ou consciências transferidas, ou o resultado de fazer muitos aumentos tecnológicos menores, mas cumulativamente profundos, para um humano biológico, ou seja, um ciborgue. Alguns exemplos do último são o redesenho do organismo humano usando nanotecnologia avançada ou aprimoramento radical usando alguma combinação de tecnologias, como engenharia genética, psicofarmacologia, terapias de prolongamento de vida, interfaces neurais, ferramentas de gerenciamento de informações avançadas, drogas que melhoram a memória, computadores vestíveis ou implantados e técnicas cognitivas.[18]

Futuro pós-humanoEditar

Conforme usado neste artigo, "pós-humano" não se refere necessariamente a um futuro conjecturado em que os humanos estão extintos ou ausentes da Terra.[20] Tal como acontece com outras espécies que se especiam umas das outras, tanto os humanos quanto os pós-humanos podem continuar a existir. No entanto, o cenário apocalíptico parece ser um ponto de vista compartilhado por uma minoria de transumanistas, como Marvin Minsky[carece de fontes?]  e Hans Moravec, que poderiam ser considerados misantropos, pelo menos no que diz respeito à humanidade em seu estado atual. Alternativamente, outros como Kevin Warwick argumentam sobre a probabilidade de que tanto os humanos quanto os pós-humanos continuarão a existir, mas os pós-humanos predominarão na sociedade sobre os humanos por causa de suas habilidades.[21] Recentemente, os estudiosos começaram a especular que o pós-humanismo fornece uma análise alternativa do cinema e da ficção apocalípticos,[22] frequentemente classificando vampiros, lobisomens e até zumbis como evoluções potenciais da forma e do ser humano.[23]

Muitos autores de ficção científica, como Greg Egan, H. G. Wells, Isaac Asimov, Bruce Sterling, Frederik Pohl, Greg Bear, Charles Stross, Neal Asher, Ken MacLeod, Peter F. Hamilton e autores do Orion's Arm Universe,[24] escreveram obras ambientadas em futuros pós-humanos.

Deus pós-humanoEditar

Uma variação do tema pós-humano é a noção de um "deus pós-humano"; a ideia de que os pós-humanos, não estando mais confinados aos parâmetros da natureza humana, podem crescer física e mentalmente tão poderosos a ponto de parecer possivelmente divinos pelos padrões humanos atuais.[18] Esta noção não deve ser interpretada como estando relacionada à ideia retratada em alguma ficção científica de que uma espécie suficientemente avançada pode "ascender" a um plano superior de existência — pelo contrário, significa apenas que alguns seres pós-humanos podem se tornar tão excessivamente inteligentes e tecnologicamente sofisticados que seu comportamento possivelmente não seria compreensível para os humanos modernos, puramente por causa de sua inteligência e imaginação limitadas.[25]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «posthumanism». Oxford Dictionary. Consultado em 8 de novembro de 2017 
  2. Ferrando, Francesca "The Body" in Post- and Transhumanism: an Introduction. Peter Lang, Frankfurt: 2014.
  3. Haraway, Donna J, "Situated Knowledges" in Simians, Cyborgs, and Women. Routledge, New York: 1991
  4. «CTheory.net». www.ctheory.net. Consultado em 16 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2015 
  5. Haraway, Donna (1985). «Manifesto for cyborgs: science, technology, and socialist feminism in the 1980s». Socialist Review: 65–108 
  6. Haraway, Donna J, Simians, Cyborgs, and Women. Routledge, New York: 1991. "A Cyborg Manifesto" originally appeared in Socialist Review in 1985.
  7. Hayles, N. Katherine (1999). How We Became Posthuman: Virtual Bodies in Cybernetics, Literature, and Informatics. [S.l.]: University Of Chicago Press. ISBN 978-0-226-32146-2 
  8. Mann, Steve. "The post-cyborg path to deconism." CTheory (2003): 2-18.
  9. Bredenoord, Annelien L., Rieke van der Graaf, and Johannes JM van Delden. "Toward a "Post-Posthuman Dignity Area" in Evaluating Emerging Enhancement Technologies." The American Journal of Bioethics 10, no. 7 (2010): 55-57.
  10. Mann, Steve, James Fung, Mark Federman, and Gianluca Baccanico. "Panopdecon: deconstructing, decontaminating, and decontextualizing panopticism in the postcyborg era." Surveillance & Society 1, no. 3 (2002): 375-398.
  11. Campbell, Heidi A. "Postcyborg Ethics: A New Way to Speak of Technology." Explorations in Media Ecology 5, no. 4 (2006): 279-296.
  12. Spiller, Neil. "The Magical Architecture in Drawing Drawings." Journal of Architectural Education 67, no. 2 (2013): 264-269.
  13. Mann, Steve. "'WearCam'(The wearable camera): personal imaging systems for long-term use in wearable tetherless computer-mediated reality and personal photo/videographic memory prosthesis." In Wearable Computers, 1998. Digest of Papers. Second International Symposium on, pp. 124-131. IEEE, 1998.
  14. Azuma, Ronald, Yohan Baillot, Reinhold Behringer, Steven Feiner, Simon Julier, and Blair MacIntyre. "Recent advances in augmented reality." IEEE computer graphics and applications 21, no. 6 (2001): 34-47.
  15. Muri, Allison. The Enlightenment cyborg: a history of communications and control in the human machine, 1660-1830. University of Toronto Press, 2007.
  16. Woody Evans, 2015. "Posthuman Rights: Dimensions of Transhuman Worlds". Revista Teknokultura 12(2).
  17. Nayar, Pramod K. (2014). Posthumanism. Cambridge: Polity. pp. 8–9. ISBN 978-0745662411 
  18. a b c «Transhumanist FAQ». Humanity+. C. 2016. Consultado em 13 de agosto de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 31 de dezembro de 2006 
  19. «What is the difference between posthumanism and transhumanism?». Institute for Ethics and Transforming Technologies. Consultado em 8 de novembro de 2017 
  20. Ferrando, Francesca "Space Migration Must Be Posthuman" in Critical Posthumanism and Planetary Futures, Springer 2016, pp. 243-256.
  21. Warwick, K: “I, Cyborg”, University of Illinois Press, 2004.
  22. Borg, Ruben (2019). Fantasies of Self-Mourning: Modernism, the Posthuman and the Finite. Leiden: Brill. ISBN 9789004390348 
  23. Deborah Christie, Sarah Juliet Lauro, ed. (2011). Better Off Dead: The Evolution of the Zombie as Post-Human. Fordham Univ Press. p. 169. ISBN 0-8232-3447-9, 9780823234479
  24. «Archailects». Orion's Arm - Encyclopedia Galactica 
  25. Michael Shermer. Shermer's Last Law, Jan 2002

Ligações externasEditar