P. J. Jones

P. J. Jones
Informações pessoais
Nome completo Parnell Velko Jones
Nacionalidade norte-americano
Nascimento 23 de abril de 1969 (51 anos)
Torrance, Califórnia
Registros na IndyCar Series
Temporadas 2002, 2004, 2006–2007
Equipes 3 (Menard, CURB/Agajanian/Beck e Team Leader)
Corridas 4 (2 largadas)
Títulos 0 (33º em 2006)
Vitórias 0
Pódios 0
Pontos 22
Pole positions 0
Primeira corrida Estados Unidos Indy 500 de 2002
(não-classificado)
Última corrida Estados Unidos Indy 500 de 2007
(não-classificado)
Registros na NASCAR Cup Series
Temporadas 1993–1994, 2000, 2002–2011
Equipes
Corridas 33 (15 largadas)
Títulos 0 (42º em 2006)
Vitórias 0
Top 10 2
Pontos 2.150
Pole positions 0
Primeira corrida STP 500, 1993 (não-classificado)
Última corrida Go Bowling at The Glen, 2011 (não-classificado)
Registros na NASCAR Xfinity Series
Equipes
Corridas 32 (25 largadas)
Títulos 0 (38º em 2000)
Vitórias 0
Top 10 1
Pontos 2.164
Pole positions 0
Primeira corrida PowerShares QQQ 300, 2000
Última corrida Zippo 200 at The Glen, 2017 (não-classificado)
Registros na NASCAR Truck Series
Temporadas 1995, 2003–2004, 2008
Equipes 3 (Vestar Motorsports, Ultra Motorsports
e MB Motorsports)
Corridas 18
Títulos 0 (17º em 1995)
Vitórias 0
Top 10 4
Pontos 2.072
Pole positions 0
Primeira corrida Skoal Bandit Copper World Classic, 1995
Última corrida SpeedyCash.com 400, 2008
Registros na Champ Car
Temporadas 1996–1999
Equipes 2 (All American Racers e Patrick Racing)
Corridas 58
Títulos 0 (17º em 1999)
Vitórias 0
Pódios 1
Pontos 48
Pole positions 0
Primeira corrida Estados Unidos 500 Milhas de Michigan, 1996
Última corrida Estados Unidos 500 Milhas de Fontana, 1999

Parnell Velko Jones (Torrance, 23 de abril de 1969), conhecido apenas como P.J. Jones, é um automobilista norte-americano.

CarreiraEditar

 
Carro de P.J. Jones na NASCAR em 2009.

Filho do ex-piloto Parnelli Jones (vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 1967), P. J. iniciou sua carreira profissional no automobilismo em 1988, quando disputou 3 provas da IMSA GTU Championship. Só despontaria a partir de 1993, quando correu na NASCAR Sprint Cup Series, tendo participado ainda por Nationalwide e Camping World Truck Series.

Seu grande momento na carreira viria novamente em 1993, quando venceu as 24 Horas de Daytona juntamente com os veteranos Mark Dismore e Rocky Moran.

CARTEditar

Em 1996, P. J. Jones estrearia na CART pela equipe All American Racers, que voltava à categoria após 9 temporadas de ausência, tendo como companheiro o argentino Juan Manuel Fangio II. Seu melhor resultado foi um 9º lugar na etapa de Detroit, oitava daquela temporada. No GP de Vancouver, o norte-americano causou um acidente com o italiano Alessandro Zanardi, da Chip Ganassi, que brigava pelo título com seu companheiro de equipe Jimmy Vasser.

Ao sair de seu carro, Zanardi ficou irritado com a manobra de Jones, que terminaria a corrida em 13º e prejudicando as chances do italiano em chegar à etapa de Laguna Seca com chances de título, que ficaria com Vasser.

Em 1997 e 1998, Jones permaneceu na All American Racers, não conquistando mais do que um 10º lugar nas 500 Milhas de Fontana. Por insuficiência técnica, foi dispensado da equipe, que contratou o italiano Vincenzo Sospiri para as últimas cinco provas de 1998. Para a temporada seguinte, assinou contrato com a Patrick Racing. Substituindo o compatriota Scott Pruett, conquistou um 2º lugar no GP de Nazareth, seu único pódio na CART, e ficou outras 2 vezes entre os 10 primeiros.[1] Ele, que foi substituído pelo dinamarquês Jan Magnussen em 7 etapas, ainda participaria de 3 com o carro do mexicano Adrián Fernández, retomando a direção do carro #20 nas últimas quatro corridas. Após o GP de Fontana, marcado pela morte do canadense Greg Moore, Jones foi dispensado da Patrick, retornando à NASCAR em 2000.

IRLEditar

 
Carro de Jones na garagem da Team Leader, em 2007

Na IRL (atual IndyCar a partir de 2008), Jones esteve presente em quatro provas, todas em Indianápolis. Assinaria contrato com a Menard para as 500 Milhas de Indianápolis de 2002, mas um acidente nos treinos, que ocorreram no dia seguinte ao acordo, arruinou as chances do piloto em participar da prova.

Ausente em 2003, chegou a acordo com a CURB/Agajanian/Beck, classificando o carro em trigésimo-primeiro e abandonando devido a um acidente.[2] Ficou de fora novamente em 2005 por não ter encontrado nenhuma equipe para correr.

Em 2006, Jones voltaria à Beck para tentar a classificação. Alcançou a penúltima posição do grid, terminando em décimo-nono lugar.[3] Para 2007, ele pretendia homenagear seu pai, Parnelli Jones, com a mesma pintura usada por ele nas 500 Milhas de 1967.

Contratado pela equipe Team Leader apenas para a prova, P. J. lutou pelas últimas vagas do grid com o brasileiro Roberto Moreno e seus compatriotas Richie Hearn, Phil Giebler e Jimmy Kite (este último "bumpeado" do grid), mas falhou em obter a classificação.

Desempenho nas 500 Milhas de IndianápolisEditar

Ano Chassi Motor Largou em Chegou em Equipe
2002 Dallara Chevrolet Bateu nos treinos Menard
2004 Dallara Chevrolet 31º 28º CURB/Agajanian/Beck
2006 Panoz Honda 32º 19º CURB/Agajanian/Beck
2007 Dallara Honda Falhou a classificação Team Leader

Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre P. J. Jones

Referências

  Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.