Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2013). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Estados Unidos PPI Motorsports
Informações gerais
Nome completo Arciero Racing (1982–1994)
Arciero-Wells Racing (1995–1999)
Arciero-Project Racing Group (2000)
PPI Motorsports (2000–2006)
Base Charlotte, Carolina do Norte
Chefe de equipe Estados Unidos Cal Wells
Pilotos
Motor Chevrolet, Ford XB, Cosworth, Buick, Toyota, Mercedes-Benz, Phoenix
Chassis Eagle, Penske, March, Lola, Reynard
Pneu Goodyear, Firestone
CART
Estreia Estados Unidos GP de Riverside, 1982
Corridas concluídas 300 (292 largadas)
Campeã de pilotos 0 (10º lugar em 2000, com Cristiano da Matta)
Vitórias 1
Pole Positions 1
Última corrida Estados Unidos GP de Fontana, 2001

PPI Motorsports foi uma equipe norte-americana de automobilismo que disputou provas da extinta CART (Champ Car) e da Nascar, fundada por Cal Wells em 1979. A sigla da escuderia vem de Precision Preparation, Inc, de propriedade do mesmo Wells.

Índice

CARTEditar

 
Carro da PPI Motorsports na CART.

Inicialmente a PPI competiu em provas de off-road nos EUA, migrando para as corridas de monopostos alguns anos depois. A estreia na CART foi em 1982, tendo como piloto Pete Halsmer. Até 1994, usava o nome Arciero Racing, conquistando 2 pódios (um com Halsmer, outro com o italiano Fabrizio Barbazza, nas 500 Milhas de Indianápolis de 1987).

Em 1995, as relações da PPI com a Toyota garantiram que Cal Wells formasse sua equipe na CART em parceria com o vinicultor Frank Arciero, com o nome de Arciero-Wells Racing, tendo como piloto o japonês Hiro Matsushita e o patrocínio da Panasonic. Seu melhor resultado no ano foi um 10º lugar de Matsushita, nas 500 Milhas de Indianápolis.

No ano seguinte, a Arciero-Wells seguiu com Matsushita e o norte-americano Jeff Krosnoff, tendo novamente um décimo lugar como melhor posição de chegada, no GP de Surfers Paradise, na Austrália, marcando 3 pontos na classificação. A morte de Krosnoff no GP de Toronto, após um violento acidente com o sueco Stefan Johansson quando faltavam três voltas para o final da prova, abalou a equipe, que contratou o italiano Massimiliano Papis para o lugar do norte-americano.

Novamente com "King Hiro" e Papis para 1997, a Arciero-Wells conquistou 12 pontos (8 para o italiano, 4 para o japonês), com um 8º lugar de Papis como melhor desempenho no campeonato. Em 1998, o italiano obtém 25 pontos (melhor resultado: 5º lugar em Laguna Seca), enquanto Matsushita não pontua e se despede da CART após a Rio 400. Para o lugar do japonês, a equipe contrata Robby Gordon, que competia na Nascar, e ele marca 13 pontos, ficando na vigésima-terceira posição na classificação geral,

Para 1999, a equipe muda a dupla de pilotos: Gordon é substituído pelo veterano Scott Pruett (ex-Patrick Racing) e Papis, de mudança para a Rahal, sucedido pelo brasileiro Cristiano da Matta, vindo da Indy Lights. A dupla, com um desempenho razoável, garante à equipe sua maior pontuação na CART, com 60 pontos. Cristiano da Matta marcaria 32 pontos (conquistando ainda o prêmio de rookie do ano), contra 28 de Pruett, que deixaria a categoria para disputar a Nascar em 2000.

Em 2000, o brasileiro passaria a ser o principal piloto do time, agora rebatizado com o nome original depois da saída de Frank Arciero da associação com Cal Wells. No lugar de Pruett, o espanhol Oriol Servià foi contratado. A temporada foi marcante para a PPI, que conquistaria seus melhores resultados na CART (três quartos lugares, dois terceiros e a primeira vitória, com Cristiano da Matta, no GP de Chicago). No mesmo campeonato, a Arciero juntou-se á Project Indy[1], que não disputava provas da CART desde 1998, para abrigar o também brasileiro Luiz Garcia Jr. no carro #25, que era patrocinado pela Hollywood, pela Embratel e pelos sucos Tang. Pilotando um Reynard-Mercedes, o piloto brasiliense emplacou 6 pontos na classificação geral. No final da temporada, Cal Wells retira sua equipe e migra para a Nascar, enquanto a Arciero, em sua última empreitada na categoria, junta-se novamente com uma equipe, formando a Arciero-Blair Racing, que teve o também brasileiro Max Wilson em 15 corridas, e o norte-americano Alex Barron em duas provas.

Nascar e encerramento das atividadesEditar

 
Carro da PPI Motorsports na NASCAR em 2005.

Entre 2000 e 2006, a PPI disputou provas da Nascar, tendo como pilotos Scott Pruett (2000), Andy Houston (2000-01), Ricky Craven (2001-04), Bobby Hamilton, Jr. (2004-05), Ron Fellows (2005-06), que disputou apenas corridas nos circuitos mistos, e Travis Kvapil, em 2006, último ano do time na categoria. Sem patrocínio para 2007, a PPI fechou suas portas.

Pilotos de destaqueEditar

CARTEditar

NascarEditar

LinksEditar

Referências

  1. «Arciero and Project Indy join forces». Classic Autosport. 12 de fevereiro de 2000. Consultado em 12 de fevereiro de 2000  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.