Abrir menu principal

Tratado de Sunda Kalapa

(Redirecionado de Padrão Luso Sundanês)
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Padrão de Sunda Kalapa, que assinala o Tratado luso-sundanês de 1522, Museu Nacional da Indonésia, Jacarta

Tratado de Sunda Kalapa foi um tratado de assinado em 21 de agosto de 1522 entre o Reino de Sonda e Portugal, com vista a uma aliança militar e construção de um forte. O tratado é comemorado no chamado padrão luso sundanês, um pilar de pedra esculpido (padrão).

HistóriaEditar

Devido ao crescente domínio islâmico em Demak e Cirebon, o rei hindu de Sonda, Sri Baduga, Prabu Siliwangi, procurou a ajuda junto dos portugueses em Malaca. Para isso em 1512 e de novo em 1521 enviou o seu filho, o príncipe da coroa Prabu Surawisesa, Ratu Samian (Sang Hyang) de Malaca, a fim de convidar os portugueses a assinar um tratado de paz para o comércio de pimenta e construir uma fortaleza no seu principal porto, em Sunda Kalapa (actual Jacarta).

Em 1522 os portugueses estavam prontos para formar uma coligação com o rei de Sunda, a fim de obter acesso ao lucrativo comércio de pimenta, o que aconteceu no mesmo ano em que foi concluída a circum-navegação de Fernão de Magalhães.

O comandante da fortaleza de Malaca era então Jorge de Albuquerque. Em 1522 este enviou um navio a Sunda Kalapa, o São Sebastião capitaneado por Henrique Leme, com valiosos presentes para o rei de Sunda. Duas fontes escritas descrevem a celebração do tratado em pormenor. Uma delas é o documento português original de 1522, com o texto do tratado e assinaturas das testemunhas, o outro é um relato do evento por João de Barros, no seu livro Da Ásia, só impresso em 1777/78.

De acordo com estas fontes, o rei saudou-os calorosamente à chegada. O principe da coroa havia sucedido a seu pai (1512 e 1521) e era agora rei Prabu Surawisesa com o título Ratu Samiam (Sang Hyang). João de Barros chamou-lhe rei Samião. Este governante de Sunda concordou num acordo de amizade com o Rei de Portugal e decidiu conceder uma fortaleza na foz do Ciliwung, rio onde os portugueses poderiam carregar muitos navios com pimenta como pretendiam. Além disso, prometeu que a partir do dia em que a construção da fortaleza se iniciasse, a cada ano doaria mil sacos de pimenta ao rei português (mais de 20 toneladas). O contrato foi escrito por duas vezes, uma cópia para o Rei de Sunda e uma para o Rei de Portugal, que foram assinados em 21 de Agosto de 1522. Os principais adjuntos do rei foram o mandarim Padam Tumangu, a mandarina Sangydepaty e Benegar, bem como o xabandar da terra chamado Fabian.

"Pelo dito dia" disseram os mandarins e outros homens notáveis, em conjunto com Henrique Leme e seu séquito, foi para o local onde a fortaleza deveria ser construída na foz do rio, na "terra chamada Sunda Kalapa". Ali se ergueu uma memória pedra, chamada padrão, no sub-distrito Tugu, no norte de Jacarta. Era um costume do português erguer um padrão ao descobrir uma nova terra. O Museu Nacional de Jacarta é o actual guardião deste padrão.

Os portugueses não conseguiriam cumprir a promessa de voltar no ano seguinte para a construção da fortaleza por causa de problemas em Goa, na Índia. Eles só retornariam ao mar de Java em Novembro de 1526, com seis navios de Bintan sob o comando de Francisco da Sá.

BibliografiaEditar

  • sumber-sumber asli sejarah Jakarta, Jilid I: Dokumen-dokumen sejarah Jakarta sampai dengan akhir abad ke-16, Yayasan Cipta Loka Caraka, Jakarta, 1999, p. 47-50.
  Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre a Indonésia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.