Abrir menu principal

Palácio Guanabara

edifício no Rio de Janeiro
Palácio Guanabara
Paço Isabel
Estilo dominante Neoclássico
Restauro 2013
Proprietário inicial Princesa Isabel e Conde d'Eu
Função inicial residência particular
Proprietário atual Governo do Estado do Rio de Janeiro
Função atual Sede do governo do Estado do Rio de Janeiro
Geografia
Cidade Rio de Janeiro

O Palácio Guanabara (anteriormente conhecido como Paço Isabel) localiza-se na Rua Pinheiro Machado (antiga Rua Guanabara), no bairro de Laranjeiras, na zona sul do município do Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. É a sede oficial do governo do Rio de Janeiro. O Palácio Guanabara não deve ser confundido com o Palácio Laranjeiras, situado no mesmo bairro (na Rua Paulo Cesar Andrade, 407), que é a residência oficial do governador do Rio de Janeiro.[1]

Índice

HistóricoEditar

 
Palácio Isabel em 1870.

Originalmente de características neoclássicas, sua construção iniciada pelo português José Machado Coelho em 1853, tendo sido utilizado como residência particular até a década de 1860. Comprado pela família imperial brasileira e então reformado pelo arquiteto José Maria Jacinto Rebelo, em 1865 tornou-se a residência da Princesa Isabel e de seu esposo, o Conde d'Eu, [2] sendo então conhecido como Paço Isabel. Na época, o acesso ao Palácio era feito pela Rua Paissandu, que, por essa razão, foi ornada com uma centena de palmeiras imperiais (Roystonea oleracea). O imóvel pertenceu aos príncipes até à proclamação da República, em 1889, quando foi confiscado pelo governo militar e transferido ao patrimônio da União, mediante decreto de 1891. A família imperial, que nunca recebeu indenização pela desapropriação, ainda tenta retomar a posse da edificação, num dos processos judiciais mais antigos do país. [3]

Em 1908, uma nova reforma, conduzida por Francisco Marcelino de Souza Aguiar, deu à fachada do palácio características ecléticas.[2] O prédio anexo, com seis pavimentos, onde funcionam o gabinete do vice-governador, as subsecretarias da Casa Civil e de Governo, só seria inaugurado em 1968.

 
Interior do Palácio Guanabara

O palácio foi utilizado pelo presidente Getúlio Vargas como residência oficial durante o Estado Novo (1937-1945). Foi atacado durante o putsch da Ação Integralista Brasileira em 1938, repelido pela Polícia Especial (da Polícia Civil do Rio de Janeiro), reação reforçada, posteriormente, pelo Exército.

Em 1946, o Palácio Guanabara passa a sediar a Prefeitura do Distrito Federal, deixando de ser a residência oficial da presidência, que retorna ao Palácio do Catete e, mais tarde, no governo Kubitschek, é transferida para o Palácio Laranjeiras, a dois quarteirões de distância. Em 1960, quando a cidade do Rio de Janeiro deixa de ser a capital federal, o território do antigo Distrito Federal se tornou o estado da Guanabara, nesse momento, o Palácio passa a ser a sede do Governo do Estado da Guanabara.[2] – função que manteria após a fusão do Estado da Guanabara com o Estado do Rio de Janeiro, em 1975, durante o governo do presidente Ernesto Geisel.[4] Na mesma época, o Palácio Guanabara é doado pela União ao Estado do Rio de Janeiro, [5] e o Palácio do Ingá, em Niterói, deixa de sediar o governo fluminense.

Processo da Família Real contra a UniãoEditar

Comprado pela família imperial brasileira, o imóvel pertenceu aos príncipes até à proclamação da República, em 1889, quando foi confiscado pelo governo militar e transferido ao patrimônio da União. Em dezembro daquele ano, o decreto 78-A baniu formalmente a família imperial e obrigou o imperador a liquidar seus bens em território brasileiro no prazo de dois anos. Um novo decreto do então governo provisório, em 1890, determinou que os bens da família imperial fossem incorporados à União[6].

Um terceiro decreto no ano seguinte, já sob a Constituição Republicana de fevereiro de 1891, determinou novamente a transferência da posse do palácio à União, mas uma decisão judicial da época em favor do representante legal da família imperial no Brasil travou a execução da ordem do presidente Deodoro da Fonseca. O argumento básico foi de que, por mais que a Família Imperial tivesse perdido seus direitos e privilégios políticos, a revolução política de 1889, consolidada com a Constituição de 1891, não afetou os direitos privados de propriedade da antiga dinastia. Assim, até 1894 a posse da Família Imperial sobre o palácio não fora turbada[7].

Em 1894, o palácio foi confiscado por forças militares e incorporado aos bens da União. No ano seguinte, a Princesa Isabel e o Conde D'Eu entram na Justiça pela posse do local[8]. No processo, os sucessores da Princesa Isabel pediram a restituição do Palácio da Guanabara e o reconhecimento da posse do imóvel, de forma que o palácio seja considerado integrante do espólio da Família Real[9].

Em 1955, os oito netos da princesa Isabel entraram com uma nova ação, desta vez reivindicatória - o que fez esta diferir da primeira, já que a original era uma ação possessória[10].

Em 1967, o primeiro caso foi considerado prescrito pela Justiça brasileira, mas a família herdeira recorreu da decisão[10].

Em 1969, os dois processos se encontram no antigo Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro. Passam a tramitar de mãos dadas pela intrincada malha dos tribunais. E isso fez com que se iniciasse uma nova discussão sobre se as ações estariam ou não prescritas[10]. Nove anos mais tarde, o TFR foi extinto pela Constituição de 1988[10].

Em 06 de dezembro de 2018, depois de 123 anos entre decisões e recursos de uma ação que chegou ao Judiciário em 1895, trazida pela princesa Isabel, o STJ julgou o recurso de processo mais antigo em tramitação no país. Na decisão, o STJ entendeu que o Palácio Guanabara é da União, e não da família imperial[11].

Galeria de fotosEditar

Referências

  1. História do Palácio Guanabara, por Felipe Lucena. Diário do Rio, 4 de outubro de 2015.
  2. a b c Palácio Guanabara- Um dos principais palcos da história do Brasil é restaurado e volta ter as características da época da construção. Por Juliana Araújo e Hugo Denizart. O Prelo, ano IX, nº 29, março de 2012.
  3. Cinco curiosidades históricas do Palácio Guanabara. O Globo.
  4. Do estado da Guanabara ao estado do Rio de Janeiro: a fusão. MultiRio. Empresa Municipal de Multimeios Ltda. Secretaria Municipal de Educação. Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.
  5. a b Palácio Guanabara de Portas Abertas. Visite! Por Sandra Machado. MultiRio, 14 Setembro 2015.
  6. noticias.r7.com/ Começa julgamento de ação pela posse do Palácio da Guanabara
  7. jota.info/ A odisseia do Palácio Guanabara
  8. noticias.r7.com/ STJ julga hoje ação da família real pela posse do Palácio da Guanabara
  9. jota.info/ STJ adia julgamento de processo mais antigo do país
  10. a b c d epoca.globo.com/ 120 anos nos labirintos da Justiça
  11. g1.globo.com/ Palácio Guanabara é da União, e não da família imperial, decide STJ em ação que dura 123 anos
  Este artigo sobre um palácio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.