Abrir menu principal

Palácio das Nações

Palácio das Nações
Vista da fachada do palácio.
Nomes anteriores Société des Nations (SDN)
Estilo dominante Neoclássico
Arquiteto Carlo Broggi, Julien Flegenheimer, Camille Lefèvre, Henri-Paul Nénot, Joseph Vago
Início da construção 1929
Fim da construção 1937
Proprietário atual Organização das Nações Unidas - ONU
Local Genebra, Suíça
Coordenadas 46° 13′ 35,63″ N, 6° 08′ 25,72″ L
Referências
UNOG.ch

O Palácio das Nações em Genebra, Suíça, foi construído entre 1929 e 1937 e foi primeiro a sede da Liga das Nações (SDN) até 1946 quando é ocupado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e em 1966 tornar-se a Sede Europeia das Nações Unidas (United Nations Office at Geneva - ONUG) [1], e o segundo mais importante depois da sede das ONU em Nova Iorque.

O edifício, situado na Rua da Paz, ocupa os terrenos que pertenciam ao Parque Ariana em Genebra - e isto mesmo se a Suíça só entrou para a organização em 2002. A organização é o "centro" da chamada Genebra Internacional. Na mesma rua encontra-se a sede do CICR, e em frente à porta principal OMPI.

A ONUGEditar

Anualmente efetuam-se cerca de 8 000 reuniões com mais de 500 participante cada nas 34 salas de conferência. Uma parte do palácio está aberto aos visitantes e cerca de 100 000 o fazem todos os anos.

No palácio também se encontram escritório de outros organismos das [[NU] como:

HistóriaEditar

Depois da fundação da Liga das Nações (SDN) a 10 de Janeiro de 1920, abre-se o concurso para construção do palácio. Como o júri não consegue escolher entre as 377 propostas encarrega os arquitectos Carlo Broggi (Itália), Julien Flegenheimer (Suíça), Camille Lefèvre e Henri-Paul Nénot (França) e Joseph Vago (Hungria) de elaborarem um projecto comum em estilo neoclássico. Na altura da cerimónia da primeira pedra é colocação uma cápsula com a assinatura e de moedas de todos os membros da SDN.

O Parque Ariana , onde esta hoje situado o palácio, foi oferto à cidade de Genebra pela família Revilliod de La Rive na condição que "o seu pavão possa deambular livremente no parque", que o Senhor de La Rive aí seja enterrado e o parque seja aberto ao público [2].

ArteEditar

 
Bandeiras dos países membros
  • No edifício principal encontra-se a escultura para a não proliferação das armas nucleares de Clemens Weiss, oferta pela Alemanha em 1996.
  • A cúpula da Sala de conferências XX é refeita pelo artista espanhol Miquel Barceló oferta de Espanha em 2008 [3].
  • No muro do portão principal do palácio, encontra-se um fresco em cerâmica de 60 m de comprimento, obra do pintor nonagenário suíço Hans Erni oferta pela Suíça em 2009 [4]

Ver tambémEditar

Referências

Ligações ExternasEditar