Palacete dos Vilhenas Coutinhos

Palácio Vilhena Coutinho
Palacete dos Vilhenas Coutinhos.JPG
Apresentação
Tipo
Estatuto patrimonial
Sem protecção legal (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas

O Palacete dos Vilhenas Coutinhos localiza-se na Praça Conde de Agrolongo, em Braga. Nele funcionou durante muitos anos o tribunal de Braga, estando de momento em estado de abandono.

O Palácio pertencia a Rodrigo António da Costa Pereira de Gouvêa, Fidalgo da Casa Real e de Cota de Armas (passadas no ano de 1733), 5.º Senhor do Morgado da Roda e Capela (Bravães), 3º Senhor do Morgado de São José e da Casa do Terreiro em Arcos de Valdevez, Cavaleiro da Ordem de Cristo por mercê pelo seu casamento com a Açafata da Infanta D.ª Maria Doroteia, D.ª Inácia Clara Rosa de Vilhena Coutinho, irmã do Senhor Marquês de Soydos.

A reedificação ficou a cargo do seu filho Gaspar José da Costa Pereira de Vilhena Coutinho, Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, 6º Senhor do Morgado da Roda, 4º Senhor de São José, Senhor do Paço da Palmeira que comprou ao Duque de Lafões. Esta casa nobre ficou conhecida nos livros de nobreza como Casa do Campo da Vinha e do Campo de Touros, por ter uma ligação para a actual praça do município. No século XIX a casa foi posse de António Luís da Costa Pereira de Vilhena Coutinho, Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, Deputado da Nação, Juiz de fora de Amarante, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga, Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e da Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo, 8º Senhor do Morgado da Roda e 5º Senhor do Morgado de São José, casado com D. Dorotea de Noronha e Menezes de Mesquita e Mello de Portugal, filha de D. Manoel de Noronha e Menezes de Mesquita e Melo de Portugal, Senhor da Quinta da Prelada, no Porto. O Palácio foi herdado depois por sucessão por Gaspar da Costa Pereira de Vilhena Coutinho, bacharel em leis que falecendo solteiro em 1869 passou para D.ª Guiomar da Costa Pereira de Vilhena Coutinho. Porém, decidiu D.Dorotea de Noronha de Portugal vender o palácio do campo da vinha e outro lado do campo de touros a um sobrinho do seu falecido marido, outro ramo da família.

Entre o século XVIII e XIX foi uma das casas mais poderosas da cidade de Braga devido à influência secular da família Costa Pereira de Vilhena Coutinho quer no Arcebispado de Braga quer junto da família real. [1]

Foi arrematado em praça pública pela quantia de nove mil e seiscentos reis pela Câmara de Braga, que o destinou, depois das remodelações necessárias à repartição da Justiça até então instalada no Largo do Paço, no edifício do Tribunal Eclesiástico, - Tribunal da Relação - hoje ocupado pela secretaria da Universidade do Minho, e ali instalou umas celas destinadas aos réus que se tinham de julgar.

Decorreu esta compra por volta dos anos de 1869-1870, e passados pouco mais de dez anos, viu-se a Câmara na necessidade de comprar mais uma Casa junta, lado Nascente, pois as instalações já se tinham tornado exíguas. Num exame atento da fachada nota-se perfeitamente que o estilo da parte poente, cuja arquitectura se deve a Carlos Amarante, à do Nascente é completamente diferente. Por alturas de 1915, foi de novo transformado parte do interior - átrio de entrada e escada nobre - obra devida ao arquitecto João de Moura Coutinho, obra que dignificou o interior o Palácio da Justiça.

Em 1924, os herdeiros da família Vilhena Coutinho Ferreri de Gusmão, dirigiram um requerimento à Câmara, pedindo lhe fosse devolvido o Brasão de Armas que ostentava o frontão principal, comprometendo-se perante a edilidade a mandar colocar à sua custa um brasão da cidade, razão porque hoje ostenta um brasão estilizado da cidade.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Palacete dos Vilhenas Coutinhos
  Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Livro de Oiro da Nobreza, Domingos de Araújo Afonso e Ruy Dique Travassos Valdez, Volume Terceiro, pp. 302-306, 1934.